banner_arte_02

Bolsoddad ou Haddanaro?

O Brasil está à beira do precipício. Até aí nada de mais. Os brasileiros, desesperados, procuram uma saída. Muitos já estão pensando em se mudar para a Venezuela em busca de uma vida melhor. A Bolívia e o Paraguai planejam construir um muro eletrificado de 20 metros de altura para impedir a invasão de brasileiros que vai ocorrer independente do resultado da eleição.

O Brasil é o único país do mundo em que se pode dizer, com certeza, que hoje é muito melhor do que amanhã.

Nos dias que correm, existem hoje dois tipos de brasileiros: os otimistas e os superotimistas. Os mais otimistas acham que está ruim, mas, de repente, pode piorar. Já os superotimistas estão muito deprimidos para fazer qualquer previsão. No fundo (e no raso), existe sempre um pouco de esperança. O problema é que a esperança é tão pouca que não vai dar para todo mundo. Enfim, está provado de forma definitiva e cabal: Deus é brasileiro e, como bom brasileiro, está de sacanagem.

Se é verdade que os brasileiros estão divididos em dois grupos, felizmente existe pelo menos um ponto em comum: as duas metades se odeiam com todas as forças do seu “eu” mais profundo. E o pior é não existe nenhum motivo para tanta discussão: qualquer que seja o resultado das urnas, temos a certeza de que não existe a menor possibilidade de o país dar certo,  o que não deixa de ser um consolo.

Agora no segundo turno então bagunçou geral. Na tentativa de mudar os votos do primeiro turno, os dois candidatos estão prometendo qualquer coisa. Fernando Paumanddad quer armar a população, e o Bolsosauro já confirmou presença na Parada Gay. Até o presidionário Lula mudou o nome para Luiz Bolsonarácio Lula da Silva para ver se rouba uns votos dos bolsonistas.

 

Para mostrar que não é mais homofóbico radical, Jair Bolsonazi anunciou que vai ter Parada Gay todo dia 7 de setembro.

Agamenon Mendes Pedreira é analista político freudiano.

banner_arte_02

1964: o ano que não acabou!

Era só o que me faltava, além do dinheiro, é claro! O Brasil é um país que só não está à beira do abismo porque o abismo, que não é bobo nem nada, já se mudou pra Portugal há muito tempo. Já estamos na segunda década do século XXI e o nosso Brasil, o gigante amolecido, continua vivendo no século passado. A pouco mais de 15 dias da eleição, a disputa vai se dar entre um militar do baixo clero (e do baixo nível) e um poste do Lula. Aliás, seria uma indelicadeza comparar o Fernando Retarddad com os postes. O poste, pelo menos, serve pros cachorros fazerem xixi. E o Fernando Dilmaddad serve pra quê? Pra visitar o ex-presidente e atual presidiário Luísque Inácio Lula da Silva na cadeia todo dia. Isso é a maior carceragem! O que ele vai fazer lá? Uma visita íntima? Deve ser porque o Lula adora Poder e poder com PH.

A campanha presidencial não está sendo feita nas ruas, mesmo porque as ruas estão muito violentas, cheias de candidatos perigosos que apavoram a bandidagem. Hoje a campanha é feita entre a cadeia e o hospital, entre dois políticos que não podem falar: um porque é proibido pela Justiça e o outro porque, quando não está sob efeito de anestésicos, só fala bobagem.

Aliás, por conta do descontrole verbal de Bolsonazi, o Alto Comando de sua campanha já destacou dois “elementos” para falar bobagem no lugar dele: o general Olímpio Tourão e o economista Paulo Fedes, que, apesar da profissão, não consegue economizar suas palavras e ameaçou recriar a famigerada CPMF (Contribuição Perdulária sobre Movimentação Farofeira).

E o que dizer sobre os outros candidatos, Tiro Gomes, Alckmin Dead, Magriça Selva e Henrique Merdelles? Seria triste se não fosse uma bosta… Logo eu, Agamenon Mendes Pedreira, jornalista escroque, combativo e mau-caráter, que lutou contra a ditadura e hoje, coitado, mal consegue comprar um Corega para fixar a dentadura.

 

banner_arte_02

BURRO EM PONTA DE FACA

No Brasil, a desigualdade continua um descalabro. Jair Bolsonaro num hospital do SUS saiu por R$ 1.836, 27 enquanto o Lula na cadeia custa 80 mil por mês. Por que é que não prendem o Lula num hospital do SUS? Sai muito mais barato. Quem sabe, internado numa UTI, o Lula finalmente fique bom? Quer dizer, bom o Lula não vai ficar nunca, nem o Bolsonaro. No máximo, eles vão ficar menos pior.

E continua o projeto de tacar fogo no país e recomeçar tudo do zero: e deram partida justamente pelo Museu Nacional. Mas, se a questão é começar tudo do zero, acho que o Brasil já está bem adiantado: é zero em Português, zero em Matemática, zero em História e zero em Geografia.

Todo mundo está querendo ajudar a recuperar o acervo do Museu Nacional. O Maranhão quer mandar a múmia do Sarney, e a TV Globo ficou de emprestar a Ana Maria Braga. Dinossauro também não vai faltar: tem o Paulo Maluf, o Edison Lobão, o Jáder Barbalho e muitos outros fósseis antediluvianos que podem ser exibidos no lugar das ossadas que pegaram fogo.

O cara que atacou o Boçalnaro era militante do PSOL (Partido Sociopata Oligofrênico Liberal), mas eu duvido. Se o maluco fosse mesmo doido do PSOL, ele tinha posto fogo no candidato e esfaqueado o Museu. Felizmente, o Bolsonaro escapou! E agora que ele está colostomizado passa a ser o nome ideal para presidente do Brasil. Pelo menos nos próximos meses ele não vai fazer mer$#@%ˆ&*da nenhuma.

As investigações para esclarecer o bárbaro atentado vão bem adiantadas. Interrogado pelos federais, o homicida Adélio Bispo confessou que foi Deus o mandante do crime. O advogado do Todo-Poderoso, Cristiano Zanin, alega que o Criador de Todas as Coisas não tem nada a ver com o crime e que naquela hora estava participando de uma novena poderosa com o Padre Fábio de Melo em sua cela na Polícia Federal. Mentira deslavada. Todos sabem que Deus tem o dom da ubiquidade, ou seja, Deus está em todos os lugares ao mesmo tempo, como se fosse um funcionário público concursado. É só assistir ao Horário Eleitoral Obrigatório. Além disso, o Padre Eterno tem outros superpoderes sagrados: a Oninocência e a Onimpotência.

 

 

Agamenon Mendes Pedreira é segurança do Bolsonaro, mas foi demitido por dormir no serviço.

 

banner_arte_02

TEM VENEZUELANO PRA CARACA!

Caracas! O povo venezuelano está sofrendo Pacaraima! Atualmente a inflação é a única coisa que funciona de verdade na Venezuela. Já passou de um milhão por cento! O cidadão venuziano quando sai para fazer compras tem que levar o dinheiro num carrinho de mão e não consegue trazer nem um pão pra casa: o pão também tá em falta.

Para dar um jeito na situação periclitante, o presidente Nicolás Maisduro tirou 5 zeros da moeda e criou a Merreca Bolivariana. Maduro só não tirou o zero à esquerda – no caso, ele mesmo!

Enquanto isso, a fronteira Brasil-Venezuela tem fila de cidadãos venezuecanos para entrar no Brasil. Vejam bem: tem neguinho fazendo fila para entrar no Brasil!!! E o que é pior: eles vêm para cá achando que vão ter uma vida melhor!!! Não sabem de nada, os inocentes!

Tá ruim pra todo mundo. Do lado brasileiro da fronteira, ninguém se entende. Até aí nada de mais, mesmo porque ninguém fala a mesma língua no Brasil. E só vai entrando venezuelino no Brasil. Por tudo que é buraco. O cidadão não pode chegar mais cedo do serviço que já encontra um refugiado tentando se esconder dentro da mulher.

O governo do estado de Roraima culpa Brasília, a prefeitura de Paracaima culpa a governadora em Boa Vista, conclusão: a c*!#*!%agada é federal.

Pra começo de conversa, as autoridades, a imprensa e a opinião pública têm que chegar a uma conclusão sobre a pronúncia correta do diminuto estado amazônico. Afinal, é Roráima ou Rorãima? Se for Rorãima, teremos o primeiro estado fanho da Federação.

 

Agamenon Mendes Pedreira é o único refugiado brasileiro na Venezuela: tá ruim pra todo mundo.

banner_arte_02

LULA NA CADEIRA

Os militantes do MST – Movimento dos Sem Teta – marcharam em Brasília imobilizando toda a população num engarrafamento quilométrico. Parecia um monte de flanelinhas de esquerda numa difícil manobra política. Mais pra esquerda! Mais pra esquerda! Agora “desfaiz”, “desfaiz”! Isso! Tá bom!! Aí tá bom! Deixa solto (o Lula no caso).

O povão ficou horas engarrafado no trânsito atrás do protesto do MST, tal e qual a entidade umbandense Tranca Rua. Resultado: todo mundo chegou atrasado ao serviço público fuderal. Mal deu tempo para bater o ponto, pendurar o paletó na cadeira, sair para almoçar e voltar três horas de depois. Se fosse no tempo do PT, seria ponto facultativo.

Aquelas bandeiras vermelhas tremulantes no planalto central exigem que o “presodenciável” Luiz Falácio Lula da Silva concorra à eleição. Eles têm razão, afinal o Lula já está preso, o que não deixa de ser uma vantagem frente aos outros postulantes. Sem esquecer que Lula na cadeia não precisa de auxílio moradia.

Eu, Agamenon Mendes Pedreira, estou com o Lula e não abro. Afinal sou um homem de esquerda: nunca fiz nada direito. Uma vez eleito Lula, volta ao poder nos braços do povo e poderá, finalmente, criar a Ursal, União das Repúblicas Socialistas da América Latina.

Nem Marx, nem Lenin, nem Stalin, Mao Tsé-Tung, Pol Pot, Enver Hohxa ou o Cabo Daciolo, nos seus delírios mais delirantes, iriam pensar em fundar uma República Socialista na América Latina. E a grande vantagem é que não tem a menor possibilidade de dar certo, mas, em compensação, vai acabar o desemprego no Brasil. Imaginem a quantidade de gente que vai precisar para o Soviete Supremo, o Secretariado Político, o Pleno dos Sovietes Latino-Americanos, a Juventude Latinista, o Komintern…

Sem falar na KGB sob a direção do Joseph Dirceu. Os Gulag, campos de reeducação política, ficarão localizados no interior do Piauí, a Sibéria brasileira, e as clínicas psiquiátricas cuidarão da saúde mental e física dos dissidentes em 110 e 220 V.

Vamos unir, através do Socialismo Redentor do lulismo, toda a América Latina, do Atlântico ao Pacífico, da Patagônia à fronteira do Rio Grande, no México, onde vamos construir um gigantesco muro higiênico para nos separar do nefasto capitalismo imperialista norte-americano.

A Nicarágua, a Guatemala, a Venezuela, o Peru e a Bolívia já estão irmanados na construção dessa nova civilização superior, que vai transformar a sociedade humana, acabando de uma vez por todas com a exploração do homem pelo homem e da lhama pela lhama.

Brasília será por direito a capital deste país continente, mas mudando o nome para Lulogrado.

O Socialismo vai funcionar de segunda a sexta, das nove às cinco da tarde, com duas horas para almoço. Folga todo fim de semana. Todo mundo será funcionário público, com direito à aposentadoria integral com 25 anos de idade ou 15 dias de serviço, o que for menor, contando os 9 meses de vida intrauterina. Ainda vai ter auxílio moradia, auxílio doença, bolsa família, bolsa presidiário e bolsa corrupto, sem esquecer os direitos adquiridos de quinquênio, biênio e licença-prêmio a cada dois meses de serviço. E o mais importante: o programa de inclusão social Minha Dacha Minha vida.

Agamenon Mendes Pedreira vai ser Embaixador da URSAL em Paris.

banner_arte_02

O HOMEM DAS CASERNAS!

O Brasil é um cadinho de raças, um balaio de etnias, uma mistura de laias, uma curriola. O Brasil é um experimento genético fracassado. Deviam pegar o Brasil inteiro, enfiar num pote de vidro, cheio de álcool, e levar para mostrar numa feira de ciências.

O brasileiro é o resultado de uma mistura selecionada de raças e de suas características: a preguiça do silvícola, a malandragem do afrodescendente e a imbecilidade do militar.

Essa chapa Boçalnaro-General Morrão é uma aberração, uma excrecência, uma improbabilidade física, já que dois imbecis não podem ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo.

Pois então! Todo mundo sabe que Jair Messias Bolsonazi é capitão e que o Mourão é general. Ora, no caso de serem eleitos, um general vai ter que bater continência a um capitão? Isso não pode! É quebra de hierarquia militar, e a hierarquia militar é o apanágio de nossas Forças Armadas! Seja lá o que for apanágio!

Outra aberração genética é a chapa de três cabeças: Lula, Haddad e Manuela D’Ávila. São três cabeças que, somadas, não dão um encéfalo completo. Por conta da recessão econômica brasileira, está faltando neurônio no mercado, o que acaba prejudicando a eleição brasileira.

Vejam só a candidatura de Ciro Angu do Gomes. A campanha nem bem começou e Ciro já queimou a largada. Ciro foi corneado pelo PSB, Partido da Sacanagem Brasileira, e pelo PT, Partido da Trairagem. Ninguém quer saber dele. Ciro acabou sozinho, pendurado na brocha. Dizem que o Ciro tem o pavio curto; aliás, foi por isso que a Patrícia Pilar se separou dele. Puro preconceito. Todo mundo sabe que não importa o tamanho do pavio, e sim a exploração que ele proporciona.

Enquanto isso, Marina da Selva, a candidata vegana, continua na moita. Ninguém sabe o que Marina faz acocorada atrás da touceira − será o Plano de Governo? Com Marina da Silva, o Brasil vai virar um país 100% orgânico, sem glúten nem lactose.

Agamenon Mendes Pedreira é vice na chapa de pulmão.

banner_arte_02

CAÍDO NO CONCEITO

O brasileiro não consegue ficar um minuto em paz, sossegado no seu canto, coçando seu saco cheio. Já começou o Horário Eleitoral Gratuito. E começou bem na hora do Fantástico, com o anúncio do Neymar para a Gillette. O PN (Partido do Neymar) teve um minuto e meio. Alguém acreditou naquilo? Igualzinho ao Lula, só que Lula agora só fala em cadeia nacional. Lula é o candidato do PCC (Partido da Cadeia de Curitiba).

Mas voltando ao anúncio do Neymar: ninguém aguenta mais esses anúncios de publicidade que insistem em tirar o brasileiro da lama: sempre uma mensagem de superação, de confiança no futuro, pura emoção com uma musiquinha de fundo… E depois vem o slogan homoafetivo: UM NOVO HOMEM TODO DIA. A Gillette ainda entendo (corta para os dois lados …), mas o Neymar pregando a promiscuidade entre iguais!!!! Depois reclamam da misoginia do Bolsonazi…

Na segunda-feira, continuando a corrida presidencial, Jair Messias Boçalnaro foi entrevistado no programa Rosca Viva, que tem o patrocínio da Hemovirtus. Bolsonaro não respondeu nada com nada, mas, em compensação, os jornalistas não fizeram nenhuma pergunta que prestasse. Enfim, saíram de parte alguma para chegar a lugar nenhum. Melhor assim.

Apesar da proibição do IBAMA, os partidos políticos iniciaram a temporada de caça ao vice. Como todo mundo sabe, o vice-presidente é um animal político que corre sério risco de extinção. Ninguém aceita ser vice de ninguém. Se for para “vício”, Aécio Neves já se ofereceu. Desesperado em arrumar um vice, Jair Messias criou o Bolsa Naro, um programa de inclusão social para estimular os candidatos à prática da vicissitude. O candidato Ciro Comes anunciou o programa Meu Primeiro Vice, e o Geraldo Alckmin vem com o programa Meu Vice Minha Vida. Henrico Meirelles, o candidato do MDB (Movimento dos Bilionários) fez um cheque e comprou um vice só pra ele.

Agamenon Mendes Pedreira é candidato a vice-desempregado.

 

 

banner_arte_02

MATA O VÉIO!

Vamos deixar o doutor Bumbum para trás! O IBGE (Instituto Brasileiro de Geriatria e Estatística) revelou que o Brasil vai ficar cada vez mais parecido comigo, Agamenon Mendes Pedreira: mais velho, mais desempregado e como (quer dizer, nem como mais…) a Isaura, a minha patroa, vive reclamando: não cresce de jeito nenhum. Em 2060, um em cada quatro brasileiros será idoso. E se esse “um” for a minha pessoa, muito provavelmente estarei comendo capim orgânico pela raiz, o que vai diminuir em muito a minha despesa no supermercado.

Além de dinheiro, era só isso que me faltava! O Brasil vai virar um enorme asilo e será o maior consumidor de fraldas geriátrica do mundo! Segundo o IBGE, os velhotes, que hoje vivem à margem da sociedade jogando damas na pracinha, vão ser a maioria da população no futuro. Seremos um país de aposentados, onde todo mundo vai andar na rua de pijama. Os jovens serão desbancados pelos coroas, que vão voltar ao phoder. O problema é que, com mais de 65 anos, vai ficando cada dia mais difícil o exercício do phoder, apesar do advento do Tinder, do Cialis e do XVídeos.

E o que o governo vai fazer para enfrentar a decrepitude iminente do país? Ora, vai continuar fazendo o que não fez até agora: nada. Ao contrário do que dizia o Stefan Zweig, o Brasil não é o País do Futuro. O Brasil é o País do Faturo. Talvez aumentem as vagas para idosos nos estacionamentos de shopping, o que pra mim não adianta nada, já que meu Dodge Dart 73, enferrujado, o imóvel automotivo onde resido, não anda faz tempo por falta de combustível. Além do mais, em 2060 ninguém mais irá ao shopping, tudo vai ser comprado pela internet.

Talvez inventem um novo (quer dizer, velho) programa assistencialista: o Bolsa Dentadura ou, quem sabe, um Minha Bengala, Minha Vida. E como todo mundo vai ficar idoso no futuro, não vai ter mais nenhuma gatinha para nós, velhos safados, ficarmos mexendo na rua.

No futuro, os velhotes vão ser a maioria da população, ao contrário de hoje em dia, em que a maioria é composta de velhacos.id

Agamenon Mendes Pedreira é jornalista da “melhor idade”.

 

banner_arte_02

CIRURGIA PLÁSTICA RABO-REPARADORA

Todos sabem que a minha patroa, a Isaura, é uma mulher madura, quase podre. No entanto, apesar da idade provecta, a encanecida criatura (assim como eu, quer dizer, assim como ela) faz questão de manter uma vida sexual intensa. Principalmente, quando estamos viajando. Ela viaja para o Sul enquanto prefiro passear no Norte.

Durante os nossos últimos embates de amor, quando trocamos os nossos fluidos corporais e palavras de baixo calão, depois de atingirmos o clímax orgásmico (nunca ao mesmo tempo, tem uma diferença de três horas mais ou menos, deve ser o fuso horário), enfim, depois “da pequena morte”, exaustos e nus no leito conjugal, aproveitamos os momentos de relaxamento para carburar um charuto de maconha e falar mal da vida alheia. Não necessariamente nessa ordem.

Pois outro dia, extenuado das lides eróticas, pedi à minha cara-metade que fosse buscar um copo d’água. Foi aí que tudo aconteceu. Ao levantar-se da nossa alcova, Isaura, a minha patroa, deslocou-se em direção à cozinha arrastando atrás de si uma volumosa massa adiposa, povoada de rugas e estrias. Aquilo que outrora fora uma bunda rígida e altaneira, agora escorria pelo chão como um suflê que desandou.

Ainda chocado com a imagem dantesca, corri para a internet em busca de uma solução digital para aquela hecatombe lorto-anatômica. Depois de algumas horas me distraindo no XVideos e passeando pelos sites de garotas de programa, acabei descobrindo o Dr. Bumbum, um cirurgião rabo-plástico que prometia trazer a bunda amada de volta em três dias. De manhã, bem cedo, embicamos na direção do consultório do bundologista. Uma fila imensa se formava na porta da clínica. Mulheres, travestis, periguetes e piranhas aguardavam impacientes. Imensas bundas arriadas, oritimbós deformados, nádegas descompensadas, algumas faltando um pedaço ou remendadas com plastique, num arremedo de funilaria. Algumas criaturas sem bunda também esperavam atendimento na esperança de resolver essa injustiça da natureza. Até mesmo o candidato Ciro Gomes esperava por uma consulta. Ciro queria fazer uma cirurgia para ficar com a bunda igual à sua cara. Ou seria o contrário?

Eis que surge o esculápio. Impávido e viril, sem camisa, abdome definido e todo depilado, o Dr. Bumbum já foi cumprimentando a clientela com apertão nas bochechas. Se é que vocês me entendem.

Depois de uma espera de horas de pé na fila, chegou a hora da nossa consulta. O consultório fica na cozinha do apê, que acumula também as funções de ambulatório, onde fritam uns bifes (posso imaginar a origem).

Depois de uma rápida anamnese, o Dr. Bumbum começou a tomar as medidas do pavilhão reto-rabo-furicular da Isaura, a minha patroa. Largura, comprimento, volume e profundidade. Em seguida, colocou a infeliz criatura de quatro na mesa da cozinha, afastando as facas, colheres, copos e pratos que restaram da última refeição. Em seguida, colocou um capacete de mineiros com lâmpada na testa e mergulhou nas profundezas do imo da minha companheira. Por horas fiquei aguardando do lado de fora. Já estava ficando preocupado quando eis que surge a figura do Dr. Bumbum na entrada daquela furna escura e úmida. O Dr. Bumbum não conseguiu dar um jeito na bunda da Isaura, mas, em compensação, voltou com 13 meninos e o técnico do time de futebol da Tailândia.

 

Agamenon Mendes Pedreira é cavernista de fim de semana.

 

banner_arte_02

FORA, LULA! DENTRO, LULA!        

O desembargador Despautério Favretto aproveitou que o povo brasileiro estava distraído comemorando a derrota da seleção para conceder um habeas corpus Tabajara em favor do Lula. Dirceu no que deu.

Quem ficou injuriado com o desembargador aloprado foi a diretoria da GloboNews. Eles tinham contratado um monte de especialistas em crianças perdidas em cavernas tailandesas para encher linguiça durante todo o fim de semana. Até mesmo uma psicóloga especialista em estresse pneumático em cavernas sem fundo na Tailândia foi chamada para dar opinião. Mas aí entrou o desembargador aloprado e atrapalhou toda a programação.

Só tem um jeito: colocar o Lula naquela caverna da Tailândia onde os meninos estavam presos. Trancado naquela furna escura e sem fundo, com água pelas canelas, os militantes do PT levariam mais de onze horas para chegar até o ex-presidente para gritar “Bom dia, Presidente Lula” e, em seguida, voltar. Quando chegassem à boca da caverna, já estaria na hora de dar meia-volta e caminhar mais onze horas, tudo de novo, só pra berrar “Boa noite, Presidente Lula!”.

Na verdade, o que o Lula está querendo mesmo é um habeas “copus” porque, como todo mundo sabe, é proibido goró na cadeia. A vida sexual do Lula também anda muito prejudicada na carceragem. A única visita que ele recebeu em quase três meses de xilindró foi a da deputada Jandira Feghalli. Tenso e nervoso com a situação de castidade forçada, Lula foi aconselhado pelo frei Betto, seu padre confessor, a aliviar-se praticando o onanismo. Mas o ex-presidente, homem do povo, recusou-se e, indignado, disse que prefere tocar uma p*&ˆ%$#@*unheta a ter que praticar o onanismo.

A sorte dos meninos é que a caverna fica na Tailândia. Se o acidente fosse no Brasil, a Odebrecht iria vencer uma concorrência fraudulenta superfaturada para organizar uma operação de resgate que não aconteceria nunca. O governo, por sua vez, abriria mais uma estatal, a Cavernobrás, com 600 mil funcionários e quatro mergulhadores, todos indicados por políticos e que, por isso mesmo, não saberiam nadar.

Enquanto isso, analistas políticos brasileiros estão querendo trazer as equipes de resgate direto da Tailândia para ver se elas conseguem tirar o Brasil do buraco.

Onze horas para tirar um menino de uma caverna? Por que não fizeram cesariana?

Agamenon Mendes Pedreira vive escondido na caverna da Isaura, a sua patroa.

 

banner_arte_02