banner_arte_02

ABALOU NA BALADA

Assim como a gasolina do meu Dodge Dart 73, enferrujado, a Olimpíada acabou. Por isso mesmo, Isaura, a minha patroa, e eu saímos empurrando a nossa viatura-residência na direção de Brasília. A ideia é estacionar o nosso semovente lar na porta do Senado para descolar uns trocados cobrindo a cerimônia de Bota Fora da quase ex-presidente Dilma Roskoff.

Na porta do Senado venderei churrasquinho no espeto e informações de cocheira para a Andreia Sadi, a repórter gostosa da Globo News. Enquanto isso, a Isaura, a minha patroa, vai ciceronear turistas, que não conhecem Brasília, em visitas a recantos aprazíveis de sua anatomia.

Infelizmente não poderei contar em detalhes para os meus 17 leitores e meio (isso, tem o anão que vai jogar basquete nos Jogos Paralímpicos) a minha escapada com o Usain Bolt e a delegação da Jamaica pela night carioca. A ética e o sigilo profissional me impedem de relatar que tudo começou quando Bolt soube das garotas de programa que eu tinha arrumado, na encolha, para o mitológico nadador americano Ryan Lochte. Bolt exigiu uma programação secreta exclusiva para ele e sua turma.

Os estrangeiros acham que o Brasil é uma esculhambação. Até aí nada de mais. O problema é que eles acham que as nossas mulheres são todas umas vagabundas, que ficam dando para qualquer um e, por isso mesmo, os gringos só querem saber de vir ao Brasil para fazer turismo sexual. Até aqui, também, nada de mais.

Insisto que o bom senso e o bom gosto, além do meu natural pundonor, não permitem qualquer relato de quando, para não queimar o filme das mulheres brasileiras, resolvi levar o Bolt e sua turma na boate All In (Tudo Dentro) na Barra da Tijuca. Assim que cheguei ao local com o Usain Bolt e a equipe da Jamaica, a segurança da casa, boçal e ignorante, chegou a chamar a polícia, pensando que se tratava de um arrastão. Felizmente consegui resolver a tempo aquele episódio lamentável e repugnante de racismo preconceituoso. Mas os meganhas acabaram levando a medalha de ouro do Bolt porque o atleta não tinha como mostrar a nota fiscal comprovando a compra do objeto. Só assim pudemos adentrar na boate.

É uma pena que o meus 17 leitores e meio não ficarão sabendo que o meu amigo Usain enamorou-se de Jade, simpática e tímida criatura, ex-esposa de um traficante, na boate. Mas isso não é exatamente um problema para um recordista mundial de 100 metros rasos. Ao perceber a estonteante morena arrastando a asa e outras partes calipígias de sua anatomia, o velocista jamaicano queimou a largada e imediatamente rebocou a mina para a pista onde praticaram diversas modalidades olímpicas de duplo sentido e até mesmo o salto de triplo sentido carpado.

Não posso contar que o relacionamento foi muito súbito, durou exatamente 10 segundos e 58 centésimos.

Insatisfeita com a performance do atleta, a moça confundiu um segmento protuberante da anatomia boltiana com um avantajado charuto de maconha jamaicana. Na mesma hora botou fogo na ponta e, em seguida, tragou o falso charo até o talo. Resultado: os dois foram parar no hospital com queimaduras de primeiro e segundo grau.

bolt-the-sun

Sabedor das experiências do Mick Jagger, Bolt ficou grilado com o seu novo relacionamento. Mas relaxou depois de saber que a a moça é mãe de família: tem 14 anos e já tem dois filhos.

Agamenon Mendes Pedreira é humorista de 100 metros rasos.

294
ao todo.
banner_arte_02

    OPERAÇÃO LAVA TOCHA

Esse nadador americano Ryan Locha poderia ser jornalista: mente pra caramba. Locha mente tanto e tão compulsivamente que poderia até mesmo ser tesoureiro do PT. Para esconder da namorada que saiu com os amigos para pegar umas mulheres, o gringo descuidado acabou criando um incidente olímpico internacional que poderia ter desencadeado um conflito nuclear generalizado. Se o Donald Trump fosse o presidente dos EUA, os mísseis balísticos intercontinentais já estariam apontados na direção da delegacia de polícia carioca que resolveu dar uma dura nos nadadores americanos. Pensando bem, se os mísseis americanos errassem o alvo e caíssem em Brasília, riscando do mapa a capital Fuderal, não seria má ideia. O número de vítimas inocentes seria muito pequeno.

A história inventada pelo Locha até que era boa. Ele contou que, voltando da balada, tinha sido assaltado por uma quadrilha de policiais cariocas. Até aí nada de mais. O que o nadador norte-ameritomano não contava é que desta vez os meganhas brasileiros não tinham nada a ver com a bronca. Pelo menos desta vez. Mas o inexperiente atleta cometeu um erro fatal: como é que num assalto à mão armada os otários só foram aliviados da grana? Os vagabundos não levaram os relógios, os cartões de crédito, as medalhas nem os celulares dos assaltados. Isso não confere com a realidade, seria um serviço de amadores e todo mundo sabe que qualquer roubalheira no Brasil, pequena ou grande, é coisa de profissional. Se nos Jogos Olímpicos tivesse a modalidade de assalto com ou sem obstáculos, não ia ter para ninguém, só dava ouro pro Brasil.

Ao contrário dos maratonistas olímpicos, a mentira tem perna curta e, tal e qual um Lula, Locha foi pego no flagrante.

Foi a primeira vez que eu vi alguém cometer um crime e fugir do Brasil. Deveria ter ficado.

aga

Durante os Jogos Olímpicos Agamenon Mendes Pedreira defendeu algum qualquer fornecendo ingressos e mulheres falsificados. Não necessariamente nesta ordem.

Agamenon Mendes Pedreira é jornalista abaixo de qualquer suspeita.

20
ao todo.
banner_arte_02

O FRACASSO SUBIU À CABEÇA

Apesar da crise generalizada, os Jogos Olímpicos continuam e os brasileiros, sempre otimistas, comemoram qualquer coisa num maravilhoso clima de “já perdeu”. A verdade é que o Brasil não ganha nenhuma medalha porque os nossos atletas não sabem roubar. Se colocassem políticos, empresários e empreiteiros na delegação, eles iam levar o ouro todo.

O nosso fracasso olímpico é pura falta de planejamento. Os Jogos Olímpicos foram marcados muito em cima da hora. Não deu tempo para o país se preparar adequadamente para perder tantas medalhas e não bater nenhum recorde. Como todos sabem, com exceção dos nossos cartolas olímpicos, os Jogos ocorrem a cada quatro anos, sendo que o Rio de Janeiro foi escolhido só em 2009! Não teve tempo suficiente, nem para o crime, sempre organizado, funcionar direito.

Mas nem tudo é fracasso e decepção. Infelizmente também ocorrem alguns contratempos. Mas são problemas de última hora, nada que uma gambiarra superfaturada não resolva. O tradicional “jeitinho brasileiro” acabou, agora somos o país da gambiarra. A gambiarra é uma espécie piorada de made in china só que com a marca Tabajara. Isso vale para tudo: da torneira da pia do banheiro até a seleção de futebol. Depois do Modernismo e do Tropicalismo, o Tabajarismo de Gambiarra é a nova revolução cultural brasileira. Não tem problema! Pode confiar, pessoal, porque tudo vai dar errado no final. Se ainda não deu, é porque ainda não é o final.

Proprietária da única medalha de ouro no Brasil até agora, a judoca Rafaela Silva, após a vitória, caiu em pranto convulsivo. Chorava e soluçava sem parar e, quando perguntaram o que ela queria, Rafaela respondeu na lata: um hambúrguer. A pobre criatura estava passando fome! Até aí nada de mais! O pior é que só foram levar a campeã no McDonald’s depois de ela chorar no Jornal Nacional, no Caldeirão do Huck e no Esquenta da Regina Casé.

No quadro de medalhas, o Brasil disputa palmo a palmo com Tonga, Burkina Fasso, Suriname e outras potências do esporte mundial. Desconfiados do dinheiro gasto e dos resultados olímpicos, o juiz Sérgio Moro deu início à Operação Lava Tocha para descobrir onde foi parar a grana que deveria ter chegado para os nossos atletas que, como sempre, acabaram chupando o dedo — os que ainda têm dedo para chupar (não podemos esquecer dos paralímpicos!). Aliás, daqui a pouco vai começar a Paralimpíada, onde o Brasil é campeão mesmo que os nossos atletas deficientes não tenham nenhum apoio, só das muletas.

Para um sujeito desempregado como eu, é muito difícil cobrir a Rio 2016. Já não ganho em reais, muito menos em dólar ou euro. Aqui no Parque Olímpico os preços são de Primeiro Mundo! Sou obrigado a passar o dia junto com os nossos atletas de rua, revirando lata de lixo em busca de comida ou de uma medalha usada, qualquer coisa serve. Mas o miserê não é só coisa de brasileiro. Os atletas da Venezuela estão trocando as suas medalhas por rolos de papel higiênico. Mas uma coisa ninguém pode negar: a Rio 2016 é totalmente ecológica: até a água da piscina é verde.

A Força Nacional já está montando um esquema especial para o Michael Phelps atravessar a Linha Vermelha com as suas medalhas penduradas no pescoço.

A Força Nacional já está montando um esquema especial para o Michael Phelps atravessar a Linha Vermelha com as suas medalhas penduradas no pescoço.

Agamenon Mendes Pedreira é atleta bi e pan sexual.

990
ao todo.
banner_arte_02

OLIMPÍADA É JOGO JOGADO

Os Jogos Olímpicos ainda nem começaram, mas o meu Dodge Dart 73, enferrujado, já se encontra estacionado bem no meio da praça da Vila Olímpica. Aliás, de vila não tem nada e de olímpica, muito menos. Trata-se de um imenso COHABÃO no meio do nada. Se bobear, é o pessoal da Milícia ou do Comando Vermelho quem está garantindo a segurança da “comunidade”. A Vila Olímpica é mais um programa de inclusão social, junto com o projeto Minha Medalha Minha Vida, ambos obras do PAC, Programa de Aceleração da Catástrofe. Fazem parte do legado olímpico da quase ex-presidenta Zica Roskoff. Dilma será excluída dos Jogos por conta de usar anabolizante nas contas públicas. O Lula será banido do esporte por doping mesmo.

A Rio 2016 já começou em barraco. Barraco, no caso, são os alojamentos dos atletas, que antes da inauguração já estavam caindo aos pedaços, tudo desabando. Em compensação, os empreiteiros brasileiros bateram recordes olímpicos em quatro estilos: superfaturamento, corrupção sem barreiras, roubo sincronizado, levantamento de verbas. Ainda nas modalidades de Cinismo, Sacanagem Slalom e Crawl no dinheiro público, também levaram ouro já depositado num Paraíso Fiscal.

Desde que o Brasil foi escolhido como sede dos Jogos Olímpicos, os políticos e as empreiteiras brasileiras já estavam em clima de “já ganhou”! Já ganhou bilhões de dólares, já ganhou concorrência fraudulenta e já ganhou no Caixa 2.

Mas na Vila Olímpica, sem luz nem água, o ambiente é de puro sexo. Ninguém é de ninguém e faz um calor dos diabos, mesmo porque o ar condicionado não funciona. Milhares de atletas de todos os povos e sexos possíveis, suados e besuntados, passam dias e noites em maratonas e refregas olímpicas onde o importante não é vencer, mas competir, seja no individual ou por equipe no revezamento de quatro por quatro. A passagem de bastão de mão em mão, salto com ou sem vara, sem falar nas lutas marciais, como o Judô, o Judei e o Judamos, que é por equipe. Apesar da minha idade avantajada, tenho uma enorme experiência olímpica. Meus índices são notáveis tanto em distância como em calibre e comprimento, deixando espantados até mesmo os atletas africanos. Só a Isaura, a minha patroa, continua reclamando de meus altos índices de velocidade. Segundo a insaciável criatura, sou uma espécie de Usain Bolt do sexo, tudo acaba em menos de 10 segundos. Devassa por natureza, Isaura prefere as corridas de fundo.

pele

Os jamaicanos estão fissurados para que o fogo olímpico seja aceso o quanto antes, mas o Rei Pelé já avisou que vai apertar a pira mas não vai acender agora.

Agamenon Mendes Pedreira é parajornalista olímpico.

75
ao todo.
banner_arte_02

AS OLIMPÍADAS DO PREFEITO

Estava em Brasília no churrasco de autodespedida do quase ex-deputado Eduardo Cunha. Cheguei cedo, mas, infelizmente, não fui o primeiro a saborear o famoso lombo da esposa do deputado, a jornalista de grife Claudia Cruz. Também não provei da batata do Eduardo Cunha porque, segundo o churrasqueiro da Polícia Federal, a batata ainda está assando. Enquanto isso, no Palácio da Alvorada, o clima também é de fim de festa. A quase ex-presidente, sem poder mais dar as suas pedaladas, está engordando a olhos e pneus vistos. Zica Roskoff passa os dias assistindo a séries do Netflix. A sua a favorita é Walking Dead, mas ela também curte Orange Is The New Black, que ela acompanha junto do seu advogado José Eduardo Cardozo, o Dr. Thomas
Turbando, que já viu todas as temporadas. Dilma fica ansiosa, pois quer saber quem vai ser presa no final, mas Turbando se recusa a fazer spoiler. Brasília está ficando desanimada e com as Olimpíadas o negócio é empurrar o meu Dodge Dart 73 enferrujado na direção do Rio de Janeiro. Apesar de convidado pelo prefeito Adoidado Paes, recusei ficar hospedado na Vila Olímpica. Os alojamentos são do tipo Minha Casa Minha Vida: não tem
parede, não tem luz elétrica, não tem água encanada e o custo da obra não tem teto.
Pelo que estou vendo, o Mico seria o único animal adequado para ser o mascote da Rio 2016%. O problema é que o prefeito Eduardo Capataes é incapaes de ficar de boca fechada. Quando abre a boca, só sai mer!@@#$%ˆ*ˆ&da. Parece a Baía da Guanabara. Depois tem que pedir desculpaes em vários idiomas, pois o prefeito do Rio é capaz de falar bobagem em várias línguas. A última do Dudu foi convidar a Luiza Brunet para ser a vice-candidata a prefeita na chapa do seu protegé, Pedro Paulo. Eduardo Rapaes acha que os dois podem fazer uma boa dobradinha.

29-07

Depois da ONU, o ex-presidente e quase futuro presidiário, Luisque Inácio Mula da Silva, também vai pedir proteção na Associação Protetora dos Animais.

Agamenon Mendes Pedreira é jornalista quatro estilos: peito, costas, golfinho e crawl.

571
ao todo.
banner_arte_02

OS TERRORISTAS ESTÃO CHEGANDO! ESTÃO CHEGANDO OS TERRORISTAS!!!

Não tem a menor possibilidade do terrorismo internacional se dar bem no Brasil. É sem chance. Zero. Já está tudo explodido e detonado. Pode juntar o ISIS, o Hamas, o Hezbollah e o Al Qaeda tudo junto não chegam nem perto da capacidade de destruição dos políticos brasileiros. Na verdade, na modalidade olímpica de terrorismo muçulmano explosivo, a equipe brasileira não tem nenhuma possibilidade de medalha. O Brasil é o único lugar do mundo em que os Mártires de Alá combinam atentados usando WhatsApp e Facebook. Terrorista brasileiro é tão burro que tira selfie para colocar no Instagram. Parece até a Dilma, que, aliás, também foi presidenta-bomba.

Caso o terrorismo internacional resolva se instalar de vez no Brasil também não vai dar certo. Os guerrilheiros vão ser obrigados a tirar CPF, o governo vai aumentar o imposto sobre o explosivo e ainda cobrar um IPVA extorsivo dos carros-bomba. Os homens-bomba, antes de explodir, teriam que tirar um alvará, além de cadastrar-se na Anvisa e no Detran. Os terroristas mais famosos seriam convidados a passar o fim de semana se autoexplodindo no Castelo de Caras para sair da depressão. Também seriam contratados para fazer anúncio de presunto da Seara, apesar do islamismo proibir o consumo de carne de porco. Terroristas ligados às “comunidades” seriam convidados do “Esquenta” da Regina Casé e dariam receita de bomba caseira no programa da Ana Maria Braga.

E tem mais: os terroristas concursados do estado, com direito à estabilidade, quinquênio, biênio e licença-prêmio poderiam se aposentar aos 35 anos de idade “devido de que” a periculosidade da profissão. Os terroristas estaduais do Rio de Janeiro entrariam em greve, pois não iriam receber as 400 virgens a que têm direito por acordo do Sindicato dos Terroristas, filiado à CUT. Para protestar, vão ficar na porta do prédio do governador tampão e tampinha, Chico Dornelles, ameaçando não se explodir durante os Jogos Olímpicos.

 

 

Devo reconhecer que sou um fracassado. Devia ter escutado os conselhos da minha mãezinha: andar em más companhias, frequentar lugares sórdidos praticando delitos penais. Só assim eu conseguiria chegar a ser juiz ou mesmo desembargador e ter direito a esse aumento do Judiciário.

 

 

Agamenon Mendes Pedreira é terrorista togado.

 

610
ao todo.
banner_arte_02

JOGOS OLYMPIKUS

A que estado (do Rio) nós chegamos! O Estado está mais falido do que eu, e olha que é difícil alguém ou alguma coisa estar mais quebrado que a minha pessoa! O governador Francisco Dóinelles já admitiu que não tem grana para pagar o funcionalismo, os policiais, nem os bandidos! Não tem grana, não adianta! Nem se entrar a grana dos empreiteiros que construíram os estádios olímpicos inacabados. Os “empresteiros” estão reclamando que assim como está fica difícil participar de negociatas superfaturadas! Sem pagar o funcionalismo, como é que vamos assaltar as pessoas, resmunga a bandidagem. Desse jeito, os assaltantes desempregados vão ter que acabar dirigindo Hubert, quer dizer, Uber! O prefeito diz que o problema é estadual, o governador diz que é municipal, mas a verdade é que a cagada é federal! Pra piorar a situação, a França revelou que o Estado Islâmico pretende fazer um atentado durante as Olimpíadas. Segundo o Serviço Secreto francês, os terroristas pretendem destruir a ciclovia da Niemeyer, criar o caos e impedir a mobilidade urbana. Mas nossas autoridades, sempre prevenidas, já se anteciparam e fizeram tudo isso antes.

E o prefeito Eduardo Paes & Amor? O alcaide carioca está mais perdido do que bala da PM. Uma hora diz que a culpa das obras não ficarem prontas a tempo é da imprensa, depois vem com o papo que o brasileiro tem complexo de vira-lata. Mas como é que faz pra gente não ter complexo de vira-lata se os políticos no Brasil só fazem cachorrada?

Mas eu, Agamenon Mendes Pedreira, sou guerreiro e prometo que vou fazer tudo para trazer o ouro pro Brasil! O ouro que eu pretendo roubar dos turistas otários, que não conhecem a principal modalidade olímpica praticada na cidade: o assalto com vara. Também pretendo alugar a minha residência, o Dodge Dart 73, enferrujado, para os visitantes que estão chegando de fora. E com direito a três refeições por dia, sendo uma delas, é claro, a Isaura, a minha patroa.

1407_aga

Ex-atleta sexual, Agamenon Mendes Pedreira vai participar das Olimpíadas chefiando a equipe brasileira de bocha, quer dizer, brocha.

 

 

 

Agamenon Mendes Pedreira é jornalista paralímpico.

663
ao todo.
banner_arte_02

CARTA CAPITAL

Em mais um furo de reportagem, eu, Agamenon Mendes Pedreira, o único jornalista investigativo heterossexual e impotente da América Latina, tive acesso exclusivo (e inclusivo) à verdadeira carta que a quase ex-presidenta em exercício, Zica Roskoff, enviou ao Senado Federal. Disfarçado de lagosta ao Thermidor, consegui circular tranquilamente pelo Palácio da Alvorada sem ser incomodado pelos ocupantes que preferem bife à parmegiana, picanha na brasa ou macarronada, culinária mais ao gosto de um governo popular.

Como todos sabem, a presidanta se recusou a comparecer à Comissão de Impeachment. A princípio pensou em arrumar um atestado médico falsificado do SUS, mas desistiu depois de ficar mais de quatro horas na fila e ser avisada que o posto estava fechado por falta de papel higiênico.

Depois de botar a culpa no Temer, embicou na direção de uma papelaria, onde comprou um papel de carta bem bonito da Hello Kitty, no qual escreveu a seguinte missiva para os senadores, que depois foi copidescada por seu adevogado José Eduardo Pomposo e por seu marqueteiro preso João Sacanna.

“Prezados Senadores e Senadoras, e por que não também saudar os parlamentares transgêneros e também aqueles que ainda não se identificam com nenhuma forma de sexualidade, uma vez que a nossa espécie não se resume ao Homo e a Mulher Sapiens sem esquecer, é claro, da Criança Sapiens que, por sinal, representa o futuro, muito embora o passado tenha muito a nos ensinar no que se refere ao tempo que passou e aos nossos ancestrais, como os macacos, os orangotangos e os gorilas dos tempos da Ditadura Militar. Portanto, em resumo, para não ferir nenhuma das minorias que compõem a diversidade da raça brasiliana, saúdo a Mandioca.

Não irei ao Senado única e exclusivamente por dois motivos: falta de grana. Assim sendo, não poderei requisitar uma aeronave a jato da FAB com o propósito no que se refere ao meu comparecimento a esta comissão de 20 por cento, que, desde já, esclareço, não recebi, uma vez que sou uma mulher proba e honesta. E mesmo porque, se recebi, aproveito para garantir que sobre este ou qualquer outro assunto nada sabia nem saberei, uma vez que me ocupava da Presidência da República inaugurando unidades do Minha Casa Minha Vida e frequentando as aulas do Pronatec. Como milhões de brasileiros, acho que vou ficar desempregada em breve e, assim sendo, tenho que economizar muito. Tenho economizado até o vento, muito embora, como já disse, a tecnologia humana não descobriu uma forma de armazenar o vento que não seja o intestino grosso.

Uma vez que o Senado Federal não possui um local adequado para o estacionamento de bicicletas oficiais, não vou comparecer a esta comissão de 30 por cento, comissão esta, desde já esclareço, mais uma vez, não recebi. No que se refere ao meu transporte, poderia ser questionada por que não vou  a cavalo ou mesmo no lombo de um burro, mesmo porque,  mais uma vez esclareço, o ex-presidente Lula se encontra em São Bernardo.”

agamenon_0707

Eduardo Cunha sai da Câmara para entrar na cadeia, mas presos protestam.

Agamenon Mendes Pedreira e jornalista investigativo e investigado.

 

680
ao todo.
banner_arte_02

BROXIT

Os escândalos no Brasil se sucedem em ritmo alucinante, é quase impossível acompanhar. Semana passada foi o lance do Custo Brasil e nesta semana estourou o escândalo Boca Livre da Lei Roubanet. Isso me enche de indignação, principalmente porque não participei de nenhum deles. Sinto-me-ei (perdoem os “temerismos”) como um capado cego participando de uma bacanal! Está todo mundo se divertindo menos eu, que não enxergo nada nem ninguém pra colocar o que já não tenho mais. Essa da operação Boca Livre foi realmente sensacional. O sujeito conseguiu pagar o casamento do filho graças à Lei Rouanet! E não foi só o casório! Parece que que a lua de mel foi patrocinada pelo KY e pelo CIALIS em troca de isenção fiscal. A verdade é que a corrupção no Brasil é uma manifestação cultural, uma expressão autêntica da criatividade do nosso povo. Não vejo nada de mais em leis que incentivem a corrupção como as que já existem para o Teatro, o Cinema, o Carnaval, o Maculelê, o Saci-Pererê e a Mula-sem-Cabeça, que, aliás, sem encontra a salvo da extinção no Palácio da Alvorada.

A quase ex-presidenta Zica Roskoff está cada vez mais conectada na internet. Desta vez lançou um “craudifandin” para botar gasolina no jatinho da FAB. Para quem não sabe, “carudifandim” é uma espécie de cyber vaquinha. As pessoas contribuem pela internet para algum projeto ou ideia extravagante. Apesar da minha condição de desempregado profissional, estou querendo contribuir para a viagem da Dilma, mas só vou dar a grana da gasolina se ela for pra PQP! (Presidenta Que Partiu)

Como em toda viagem quase ex-presidencial, Dilma Roskoff tem direito de levar convidados na comitiva. Desde já sugiro uma lista: a senadora Gleysi Boffeman, o senador Underbergue Farias, o “adevogado” José Eduardo Cabuloso e a senadora Vamosnessa Graziotin e, é claro, aquele cabeleireiro japonês Celso Fatura, que transformou a Dilma na Marge Simpson. Muitos outros poderiam participar dessa viagem, mas, infelizmente, vários convidados já estão “presos” a outros compromissos.

Por falar em preso, cheguei à conclusão de que a Democracia brasileira, em vez de três, tem quatro poderes. A saber: o Executivo, o Legislativo, o Judiciário (que prende) e o Laxativo (que solta). Na chefia do Laxativo está o ministro Dias PToffoli, que soltou o ex-ministro Paulo Bastardo e seus comparsas. Paulo Felizardo foi o genial criador de mais um Programa de Inclusão Social. No caso, a dele mesmo: o Corrupção a Um Real, que foi mais uma obra do PAC (Programa de Aceleração da Corrupção). Graças à colaboração dos aposentados, pensionistas e funcionários públicos, que com apenas 1 real transformaram, da noite pro dia, dezenas de petistas pobres, miseráveis e sem escrúpulos em milionários miseráveis e sem escrúpulos. Esta ideia revolucionária de socialismo individualista foi do injustiçado ex-ministro Paulo Borrado indevidamente colocado na tranca pelo japonês da Federal, Fugiro Kagrana.

30-06

Apesar de procurado pela polícia carioca, o traficante Fat Family continua se apresentando em shows graças aos incentivos da Lei Roubanet.

Agamenon Mendes Pedreira está precisando de um “craudifandim”.

1.7mil
ao todo.
banner_arte_02

CANA NO CAFÉ DA MANHÃ

A Polícia Federal está virando uma espécie de Serviço Despertador oficial dos corruptos brasileiros. O corrupto pode ir dormir tranquilo na hora que quiser, sem se preocupar; às 6 e meia em ponto os “cana-dura” da PF tocam a campainha na casa do sujeito. É a operação Susto Brasil.

Nesta quinta-feira quem acordou com as galinhas e os “federais” foi o ex-ministro Paulo Bernardo. Como não tem foro privilegiado, como a sua patroa, a senadora Gleysi Hoffman, o elemento foi devidamente encaminhado ao resort de segurança máxima de Curitiba. Vejam bem, com essa “friaca” que rola no inverno, nada melhor que casa, comida e uma cama quentinha pagas pelo governo. É o Programa de inclusão psicossocial Minha Cana, Minha Vida.

O negócio no Brasil é ter um foro privilegiado. Talvez pelo fato do cruzamento genético entre o cafuzo afrodescendente e o mameluco luso-português, a brasileira é reconhecida internacionalmente por ter um foro privilegiado. O foro privilegiado é prova inequívoca do “empanderamento” da mulher brasileira. Assim como a Mulher Melancia, a minha patroa, a Isaura, tem um foro privilegiado que sempre fez muito sucesso na vizinhança e que tem garantido o feijão na panela lá de casa nestes tempos de desemprego estável. Aliás, esta é a primeira vitória do trabalhador brasileiro no governo Provisório-se-ia Temer-se: a estabilidade no desemprego. E, se isso não é pouco, também não é coisa nenhuma.

Enquanto isso, no Rio de Janeiro, já está tudo pronto para as Olimpíadas: o governo do estado está com os cofres limpos e esvaziados e o prefeito Edeuerrado Paes comprou um novo estoque de desculpas e explicações. Infelizmente, devido à falta de verbas, só deu pra comprar desculpas esfarrapadas. Os cocôs olímpicos já boiam na baía de Guanabara em total harmonia com a Natureza e uma paratleta australiana já foi devidamente assaltada no Aterro do Flamengo. Também quem mandou ser perneta e não poder correr da bandidagem?

2306 agamenon

Em clima de Jogos Olímpicos, a polícia carioca mandou a quadrilha do Fat Family para uma cadeia no Acre. Foi o recorde sul-americano de arremesso de bandido à distância.

Agamenon Mendes Pedreira é jornalista e tem um “furo” privilegiado.

695
ao todo.
banner_arte_02