banner_arte_02
banner_arte_02
banner_arte_02

Retrospectiva Não-Autorizada 2013-2

Neste ano que passou , até mesmo o decano da MPB, Caetano Velhoso, se rendeu ao charme dos revoltados sem causa e acabou vestindo a máscara dos Black–Blocs o que, aliás, não me estranhou porque o Caetano sempre foi meio mascarado.

As UPPs, Unidades Pacificadoras de Pobre, que foram criadas para pacificar as comunidades faveladas, resolveram aplicar a eutanásia sumária como método de combate à violência. A PM (Polícia Matadora) fez o que pode para tirar o corpo do Amarildo fora mas não adiantou nada: o pobre Amarildo foi torturado até confessar que estava morto.

Alguma coisa existe por trás destes artistas do grupo Procure Sabesta que querem proibir as autobiografias não-autorizadas. Será que eles têm o rabo preso? Ou será o contrário: será que eles têm o rabo solto?

Pobre EikeBatista! Hoje o ex-bilionário está no fundo do poço e o que é pior: foi ele mesmo que furou o poço (com dinheiro do BNDES, é claro) e não encontrou nada lá dentro. Por ter feito sua megalomaníaca fortuna com os minérios, o empresário, ironicamente, acabou levando ferro. Ferro, bauxita e manganês.

Em 2013, graças ao Supremo Tribunal de Frango, que botou os mensaleiros no xadrez, o Brasil mudou! E tudo graças ao grande afro-magistrado Joaquim Barbosa. Antes de Joaquim Barbosafro, os negros só entravam no STF pra serem condenados ou fazerem a faxina.

Quem esbanjou simpatia em simplicidade em 2013 foi o novo papa Francisco Beirola, quer dizer, Bergoglio. Mesmo assim, ele prometeu combater a pedofilia no Vaticano e, por isso mesmo, não quer ser mais chamado de “papa” chicos, quer dizer, Papa Chico.

Agamenon Mendes Pedreira deseja um Feliz 2014 a todos os seus amigos, clientes e fornecedores!

banner_arte_02

O NATAL DO TAPETÃO

Há muito tempo não se via uma jogada dessas no futebol brasileiro. Graças ao TJD (Tribunal de Jogadas Deprimentes) o Fluminense, mais uma vez, escapou das Segunda Divisão. O Tricolor das Laranjeiras agora vai ser conhecido como o Triroubou das Laranjeiras. Animados com a conquista de mais esse título nos tribunais, os dirigentes do Tapetense Futebol Clube prometem reforçar o time com novas contratações: Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello, porque melar é muito importante pra o Fluzão.
E quem ficou muito p*#*#!*uto com essa parada foi a Portuguesa, que é uma espécie de Vasco da Gama de São Paulo. Os padeiros paulistas de injuriadas com o placar final do Tribunal, ameaçam entrar em greve e deixar a cidade de São Paulo sem rabanada no Natal.
O Brasil é o país do Tapetão: tudo se resolve no Tribunal. Em vez de fazer estádios monumentais pra Copa, o Brasil tinha mais é que construir fóruns padrão FIFA com arquibancadas, vestiários, camarotes e cabines pro Galvão Buenonarrar os melhores lances dos processos jurídicos.

A torcida do Fluminense, alheia à tudo e a todos, está comemorando até hoje o resultado do julgamento e não para de cantar o hino do Fluminense, agora com uma nova letra:

Sou tricolor no Tapetão
Continuo na Primeira Divisão
O time escapou da guilhotina
Não pagamos nem propina
O Tribunal é tricolor!

Salve o bendito Tapetão
Quase fomos pra Segunda Divisão
Com um bom advogado e seu terno em fino corte
E é só abrir a caixa forte
Pro desembargador!

Animado por continuar na Primeira Divisão, o Fluminense apresentou à imprensa o novo uniforme que vai usar no ano que vem.

 FIGURAÇA DO NATAL

Papai Noel, o Bom Velhinho – Hoje em dia, ninguém mais acredita em Papai Noel e comunista, não necessariamente nessa ordem. Mas quando chega a época do Natal, as grandes lojas de magazines e shoppings sempre colocam um velho comunista barbudo sentado num trono para tirar foto com as crianças. Mas devo confessar que, apesar de materialista dialético, acredito em Papai Noel. Mesmo porque já vi ao vivo o bom velhaco. Certa noite de Natal, cheguei mais cedo em casa e surpreendi um senhor idoso com um enorme saco vermelho que caía pelas bordas da cama. Era o Papai Noel! E como diz aquela velha canção natalina, Papai Noel não esquece de ninguém. Ele trouxe um par de chifres pra mim. A Isaura, a minha patroa, ganhou um peru Sadia, quer dizer, um peru sadio.

EXCESSOS NATALINOS

       Dr. Jacintho Leite Aquino Rêgo, MD

Nessa época de comemorações festivas de final de ano, as pessoas costumam se exceder nas libações alcoólicas e no consumo excessivo de destilados (e de outros lados também). Perto da meia-noite, os eflúvios do álcool etílico sobem a mente do homem, deslocando a libido, que estava quieta no seu canto, para regiões remotas da anatomia humana. Neste momento, o indivíduo entorpecido abandona num piscar de olhos a sua condição de espada-ortodoxo e passa a ser dominado por um incontrolável (e indomável) desejo de romper o Ano Novo. Infelizmente, a Psicoproctologia Aplicada nada tem a fazer nesses casos. Apesar disso, existe uma luz no fim do túnel: a Cirurgia Plástica já consegue, hoje em dia, realizar muito mais reconstituições do pavilhão reto-furicular do que há 20 anos atrás (com trocadilho, por favor).

PENSAMENTO DO BLOG

“ Um dia é do caça sueco, o outro é do caçador. ”
Sabrina Saito, Ministro da Aeronáutica

 Agamenon Mendes Pedreira é o Espírito de Porco do Natal.

banner_arte_02

O suicídio do Titanic

Desde garoto, o meu maior sonho era fazer um cruzeiro marítimo numa superprodução de Hollywood! E assim, depois de ficar três anos sem almoçar nem jantar, consegui economizar dinheiro suficiente para comprar uma passagem de figurante na terceira classe do Titanic. Segundo os engenheiros que o construíram, o Titanic era igual ao Brasil: os ricos ficavam por cima numa boa, os pobres ficavam apertados embaixo e ninguém acreditava que ele ia afundar.
Nunca se viu tanto luxo quanto na Primeira Classe do Titanic. Até as lagostas do bufê tinham criados à sua disposição. Os milionários mais ricos do mundo, os Astor, os Vanderbilt, os Mellon e o Jorginho Guinle, disputavam para ver quem gastava mais dinheiro e comia mais mulheres (não necessariamente nesta ordem). Numa noite, depois do conhaque, Cornelius Vanderbilt acendeu um havana com uma nota de 100 dólares. Injuriado com aquele gesto de avareza somítica, Lord Long Dong Astor acendeu uma mulher com uma nota de mil dólares!
Os banheiros das suítes eram de um luxo nababesco que deixava o Taj Mahal no chinelo. Ao lado do vaso sanitário, todo em ouro maciço, havia um anão malaio 24 horas à disposição para realizar a higiene íntima dos magnatas abonados já que, em 1912, os franceses ainda não haviam inventado o banho pessoal (os franceses só vieram a descobrir o banho em 1998 quando construíram os vestiários para a Copa da França).
Enquanto os ricos chafurdavam em montanhas de caviar, nós lá na geral do navio só tínhamos o Leonardo Di Caprio para comer. Mas como a fila era grande, nem sempre sobrava para a minha pessoa. Penalizado com a minha miséria, um rato me ofereceu um pedaço de queijo que me sustentou durante toda a dramática travessia.
Numa noite fria, resolvi subir até a ponte de comando para fumar um baseado com o capitão do navio. O velho lobo-do-mar apertou um charuto que rodou na paulista por toda a tripulação. Inebriada pelos dilúvios da marofa, a orquestra do Titanic começou a tocar os maiores sucessos de Bob Marley que, naquela época, não havia nem nascido. Enquanto todos estavam completamente emaconhados, o vigia, o único careta a bordo, gritou:

– Comandante! Um iceberg à frente!
– Iceberg.
Rosenberg! Goldenberg! É tudo a mesma coisa!
– Pode passar por cima! – retrucou o capitão do Titanic que, além de maconheiro, também era antissemita.

Quando o meganavio começou a afundar, o pânico e a balbúrdia tomaram conta dos passageiros. Por todos os lados, víamos, assustados, efeitos especiais espetaculares! O que ninguém sabe até hoje é que o Titanic tinha sido construído pelo Sérgio Naya: as chapas de aço eram de madeira compensada, só havia um bote salva-vidas e dez boias de patinho para todo mundo. Preocupados em salvar suas peles, visons, minks e alpacas, os milionários queriam escapar do naufrágio, salvar suas fortunas e afundar suas mulheres (necessariamente nesta ordem).
Desesperado, me atirei nas águas geladas e me agarrei num pedaço de pau que passava boiando. Foi aí que ouvi uma voz me cutucando. Era o Leonardo Di Caprio em pessoa!
– Agamenon, não vai dar pra você ficar aí dependurado no meu bilau… Quem sabe numa outra ocasião, com menos gente por perto, a gente possa tomar uns drinques juntos…

4
ao todo.
banner_arte_02

Futebol, alergia do povo.

A Copa do Mundo é igual a sexo no meu casamento: só acontece de quatro em quatro anos. Além de tudo, faz algum tempo que eu não consigo passar das quartas-de-final. Para os homens maduros e encanecidos pelo tempo, como eu e o Zagalo, sexo é que nem futebol quem não faz leva! Por isso, na nossa idade provecta, o empate é sempre um bom resultado.
Como já disse tantas vezes antes, pretendo não assistir a nenhuma partida da Copa para não me deixar influenciar pela atuação dos jogadores e, assim, comentar com absoluta isenção o desempenho de cada uma das seleções. Não quero nem saber o resultado dos jogos que é para não cometer nenhuma injustiça com os jogadores, que, aliás, já começaram a depositar generosas quantias na minha conta Citibank 52557995 colaborando com a minha campanha: “Ei, você Raí! Me dá um dinheiro, Raí!”


A abertura da Copa foi um belíssimo espetáculo de luz e cor, só que não vi nada, pois acabei me distraindo falsificando notas de 100 dólares com a estampa do Fernando Henrique Oneroso ‘ pois, como até os meus 17 leitores sabem, os EUA foram o único país do mundo onde a dolarização deu certo.
A abertura da Copa foi um sucesso, só que os americanos foram todos embora depois do show de Diana Ross, que continua batendo um bolão. Enquanto o mundo se divertia com as belas jogadas ensaiadas de Richard Marx e Jon Secada, eu estava do lado de fora do estádio, tomando conta dos carros. Meu amigo e sócio João Havelange está cobrando 40 dólares por uma vaga no estacionamento, mas quem desse 10 na minha mão podia parar na minha área, sem contar o lucro que obterei vendendo os toca-fitas no Brasil.
Agora já entendi por que é que a Fifa escolheu a cidade de Chicago para a abertura da Copa. É que os diretores da organização queriam homenagear os ídolos de sua juventude como Al Capone, Dillinger, Scarface e Escadinha.

Agamenon Mendes Pedreira é chefe da torcida 171.

(direto da copa de 1994)

1
ao todo.
banner_arte_02
banner_arte_02