banner_arte_02

LIBERDADE DE EXCREÇÃO

A MPB (Muito Pouca Biografia) sofreu um duro golpe com a decisão do STF (Supremo Tribunal de Frango) de liberar as biografias não autorizadas. Os medalhões da MPB defendem o seu direito à privacidade porque não querem de jeito nenhum que suas vidas públicas caiam na privada. Essa obsessão compulsiva que as celebridades musicais têm pelo anonimato é porque no fundo, no fundo e principalmente no fundo elas querem mesmo é aparecer.
Quem viu o meu filme, “As Aventuras de Agamenon, o Repórter”, sabe que eu mesmo, Agamenon Mendes Pedreira, fui autobiografado sem a minha autorização pelo grande Ruy Mastro, quer dizer, Castro. Revoltado com aquela invasão de minha intimidade, processei-me a mim mesmo, exigindo uma indenização milionária. Como ganhei a causa, acabei na miséria porque arranquei-me tudo de mim mesmo, até o último centavo.
Já Roberto Carlos deu mais uma mancada (com trocadilho, por favor). Apesar de ser um grande fã do autor de “Ereções” e astro do filme “Roberto Carlos em Ritmo de Censura”, na época discordei veementemente da apreensão do livro de Paulo Cesar de Araújo, o Caju. Além de proibir a obra, o maior censor romântico do Brasil apreendeu todos os exemplares, reciclou-os e transformou tudo em livros do Paulo Coelho. Segundo a imprensa, o Errei da Jovem Guarda não gostou de algumas passagens da biografia não autorizada, principalmente dos tempos de juventude. Segundo o autor do livro proibido, naquela época o jovem e fogoso astro teria comido muitas mulheres e, por causa disso, acabou pegando uma Wanderléia.
Mas o que deixou o cantor de “Mamada Mamante” muito injuriado da vida foi a insinuação de que ele não sabe jogar futebol e sempre foi um perna-de-pau. Eu vou dar um TOC no Rei: olha, bicho, eu sei que tu não gosta de marrom, mas esse
lance de censurar as biografias foi a maior c*!#$%¨&!*#agada!

11-06 Imagem - Agamenon

O sempre conservador e careta pastor evangélico Axilas Malafaia está certo ao afirmar que os anúncios de O Boticário incentivam a sua homofobia.

Agamenon Mendes Pedreira é jornalista não autorizado.

banner_arte_02

CRISE NA MPB

A MPB (Muito Pouca Biografia) está em polvorosa. A polêmica das abreugrafias não autorizadas provocou um abalo sísmico (e rítmico) entre os decanos da canção popular. De um lado do ringue está a galera do Procure Sabesta e do outro, o Errei Roberto Carlos.

Os medalhões da MPB (Música Pompoir Biografada) defendem o seu direito à privacidade porque não querem, de jeito nenhum, que suas vidas púbicas caiam na privada. Caetano Velhoso, por exemplo, é radical na defesa de sua intimidade e do seu direito de continuar a escrever seus artigos no Globo sem ninguém entender nada. Já o recluso e misterioso Chico Barraco de Hollanda defende o seu direito de continuar publicando os seus soporíferos romances que a Isaura, a minha patroa, compra, mas não lê.

Já Roberto Carlos deu mais uma mancada (com trocadilho, por favor) ao contratar o caríssimo advogado Kagay (o maior especialista brasileiro em causas profundas) para defender a sua intimidade. Se era só pra proteger a sua intimidade, ia sair mais barato se Roberto Carlos colocasse uma rolha.

Essa obsessão compulsiva que as celebridades musicais têm pelo anonimato é porque no fundo, no fundo, elas querem mesmo é aparecer. Quem viu o meu filme, As Aventuras de Agamenon, o Repórter, sabe que eu mesmo, Agamenon Mendes Pedreira, fui autobiografado sem a minha autorização pelo grande Ruy Mastro. Revoltado com aquela invasão de minha intimidade, processei-me a mim mesmo,exigindo uma indenização milionária. Como ganhei a causa, acabei na miséria porque arranquei-me de mim mesmo,até o último centavo.

EDITORIAL

 O ERREI ROBERTO CARLOS

Apesar de ser um grande fã do autor de Ereções e astro do filme Roberto Carlos em Ritmo de Censura, não concordei com a apreensão do livro de Paulo Cesar de Araújo, o Caju. Além de proibir a obra, o maior censor romântico do Brasil apreendeu todos os exemplares, recicloue transformou em livros do Paulo Coelho. Segundo a imprensa, o Rei não gostou de algumas passagens da biografia não autorizada, principalmente dos tempos da Jovem Guarda. Segundo o autor do livro proibido, naquela época o jovem e fogoso Erroberto Carlos teria comido muitas mulheres e, por causa disso, acabou pegando uma Wanderléia. Mas o que deixou o cantor de MamadaMamantemuito injuriado da vida foi a insinuação de que ele não sabe jogar futebol e sempre foi um perna-de-pau. Eu vou dar um TOC no Rei: olha, bicho, eu sei que tu não gosta de marrom, mas esse lance de censurar as biografias foi a maior c*!#$%¨&!*#agada!

 

O FBI é a favor da espionagem não autorizada e mandou seus agentes secretos descobrirem onde está o dedo de Lula e a perna de Roberto Carlos.

 

PENSAMENTO DO DIA, QUER DIZER, DO BLOG

“Biografia é igual revisão de automóvel: só pode ir na autorizada.”

                  Roberto Carlos

 

                                              

Agamenon Mendes Pedreira é jornalista não autorizado.

banner_arte_02