banner_arte_02

A MINISTRA DÁ TRABALHO…

Faz uma semana que o Lula foi condenando e o Brasil está devastado por uma convulsão social incontrolável. Multidões de miseráveis indignados tomaram conta das ruas tacando fogo e quebrando tudo o que veem pela frente, desesperados atrás da vacina da febre amarela.

O povo não saiu de casa por causa do Lula: só saiu de casa atrás de vacina contra a febre amarela. Ainda mais de grátis! Brasileiro se amarra em doença, ainda mais em epidemia. Não é à toa que o Brasil tem tanta farmácia. Aliás, neste país só tem três tipos de estabelecimentos comerciais: botequim, igreja evangélica e farmácia. Não necessariamente nessa ordem. Pelo menos um desses o brasileiro frequenta.

Mas epidemia é sempre bom, pois em caso de epidemia sempre tem vacina. E vacina é a única coisa que o cidadão recebe de graça hoje em dia. Além da inoculação gratuita nos postos de saúde, sempre tem uma fila e o brasileiro também se amarra numa fila. E o pessoal gosta de chegar na fila bem cedo, ainda de madrugada, que é para poder dar entrevista no Bom Dia Brasil.

Não tem para Renan Canalheiros, Michê Temer, Gilmar Mentes nem Anitta ou Pablo Vittar. Quem manda mesmo no Brasil é o Mosquito Aedes aegypti. Entra ano, sai ano, a cada verão, o Mosquito inventa uma nova doença. É dengue, é  zica, é chicungunha… O Mosquito deve ter algum acordo comercial com a fábrica de vacina.

Mas nem tudo é desgraça no Brasil. O verão come solto e a deputada Cristiranha Brasil, a ministra Porcina (aquela que foi sem nunca ter sido) curte de montão as suas férias no arquipélago de Faltando de Vergonha. Pois é, a quase ex-futura ministra nem assumiu o Ministério do Trabalho, mas já saiu de férias. E, pra mostrar que está podendo (com PH), Cristiane postou um vídeo na internet cercada de machos fortões, depilados e gulosos. Todos com cara de que vão fazer uma animada gang-bang nos cofres púbicos, quer dizer, públicos.

Foto do vídeo da Cristiane Brasil e a sua “macharada”.

Filha de Rouberto Jefferson, peixinho é. Quer dizer, peixinho não, peixada.

Agamenon Mendes Pedreira é idoso de programa.

banner_arte_02