banner_arte_02

UMA SEMANA SEM ENFIM

Se você é daqueles que ficam tentando entender o que está acontecendo no Brasil, seus problemas acabaram. Agora é que não vai entender nada mesmo. Pare um táxi e mande-o seguir o meu raciocínio:

O STF (Supremo Tribunal de Frango) tomou uma decisão antológica. Antológica no sentido do conhecido Tapirus terrestris, o perissodáctilo da família Tapiridae e gênero Tapirus, a popular anta, o maior mamífero brasileiro. E digo mais: além de antológica, a decisão de não prender condenado em segunda instância tem um sentido ecológico, ou seja, preservar o corrupto, uma espécie da  nossa fauna que corria risco de extinção.

Felizmente, e graças à maioria do nosso Excelso Sodalício, o corrupto, de nome científico Corruptus brasiliensis, está a salvo e continuará livre, leve e solto gorjeando em nossas florestas do Judiciário, praias do Executivo e serras do Legislativo. E isso a nível Federal, Estadual e Municipal. Depois dizem que os brasileiros não se preocupam com o meio ambiente.

Mas afinal o que é um corrupto? É uma ave? É um réptil? Um inseto? Um mamífero? Um marsupial? Tudo isso e mais um pouco, pois o corrupto é um animal político. De rapina.

Na verdade, o corrupto se dá bem em qualquer canto do território nacional, basta que exista uma prefeitura e bons advogados. No entanto, o corruto prefere viver na montanha, na montanha de verbas. De hábitos diuturnos, o corrupto é muito guloso e se alimenta de jabá e por isso mesmo está sempre por cima da carne-seca. O corrupto é uma ave, mas não tem penas. Se por acaso as tiver, só as cumpre no regime aberto. Não tem asas e por isso mesmo prefere  viajar de jatinho. Migratório por natureza, o corrupto gosta de passar o verão em Miami, Paris ou Nova York. Mas para botar os seus ovos ele prefere os paraísos fiscais. O corrupto não se reproduz em cativeiro, mas, graças ao STF, agora vai poder casar.

Assim como o jacaré-do-papo-furado, os corruptos estavam sendo perseguidos pela Polícia Federal, pelo Ministério Público Federal, pelo COAF e pelo juiz Sérgio Moro, que, além de arrancar o couro, levavam o patrimônio do corrupto também. Uma barbaridade.

No entanto, esses devastadores da natureza não contavam com a astúcia da Justiça brasileira, que finge que é cega para furar a fila no banco e viajar sentada no metrô. O nosso phoder Judiciário é como o Papai Noel, a Cegonha, o Coelhinho da Páscoa, o Boi-Tatá, o Curupira e a Mula-sem-cabeça. Tem gente que ainda acredita que ele existe. Na verdade, o que o povo assiste na TV Justiça é só mais uma obra de ficção, uma comédia, com uns caras vestidos com a capa do Batman, mas fazendo o papel do Coringa.

Segundo as previsões da Maju Coutinho, o STF (Supremo Tribunal de Foderal) é o grande irresponsável por esse clima que, agora, vai esquentar. A partir de novembro, o país entra em clima de combustão, a chapa fica quente e a temperatura sobe a níveis infernais. Como dizem lá no Senegal: vai fazer um calor brasilianes ! E não adiantou nada acabar com o horário de verão, pois, mesmo com esse sol todo, vivemos dias sombrios.

O destino do país estava nas mãos do ministro FoDias PToffolli, que deu o voto de “Menerva” e com uma só canetada (de caneta azul, azul canetada ) seguiu a teoria-jurídico-laxativa de Gilmar Mentes, pra quem “bandido bom é bandido solto”.

Agamenon Mendes Pedreira é a favor de VAR no STF.

 

banner_arte_02