CONVERSA NO CELULAR

Eu estava na fila do caixa eletrônico, quando chegou uma moça falando no celular. E , é claro, ela falava alto. A fila estava lenta e eu fui obrigado a escutar a conversa. Eu e todo mundo que estava na fila. Soubemos que a moça estava chateada com uma amiga porque a tal amiga passou por ela e não a cumprimentou direito. Ela dizia para a interlocutora que a amiga era besta. Depois de uns cinco minutos acompanhando a conversa, resolvi dar o meu pitaco:
– Acho que você está sendo injusta com a sua amiga – falei.
A moça do celular estranhou. Mas continuou sua conversa em altos brados no celular.
Repeti:
– Eu acho que você tá sendo injusta com a sua amiga.
– Você tá falando comigo? – ela me perguntou.
– Tô. Tô dando a minha opinião sobre o assunto.
– Como assim? Por que o senhor acha que pode entrar assim nos meus assuntos particulares?
– Porque eu estou aqui há um tempão escutando a sua conversa e tenho o direito de participar também.
– Não! O senhor não pode participar da minha conversa. É assunto particular.
– Não , se você tá falando alto desse jeito , eu conclui que a sua conversa é pública.
– A minha conversa não é pública, é particular.
– Claro que é pública. Eu já sei que a sua amiga é metida a besta , que ela tá gorda, que não sabe se vestir, sei até que o marido dela é corno.
– Eu não disse isso, eu disse que acho que ele é corno – ela percebeu que estava me dando conversa e voltou a atacar – o senhor não tem nada a ver com isso!
– Eu não tinha nada a ver com isso, mas como a senhora tá aí falando alto tudo isso sobre a sua amiga , eu já me considero íntimo dela, e quero dar o meu palpite. Aliás , eu só não, todo mundo aqui na fila quer participar, não é gente?
– Éééé! – as pessoas da fila responderam fazendo um corinho.
Uma senhora que estava atrás de mim se animou:
– Eu não concordo com ele. – apontou pra mim.
– Tá vendo. – a moça do celular falou – Nem todo mundo é como o senhor! Ela sabe que a minha conversa é particular.
– Não, com isso eu concordo com ele, a gente já tá sabendo de tudo da vida da sua amiga. O que eu não concordo é que eu acho que você está sendo justíssima, amiga besta tem que ser maltratada mesmo!
– Eu não acredito ! – a moça resolveu voltar a falar com a interlocutora no telefone, fingindo que não era com ela – Você acredita que as pessoas aqui da fila querem dar palpite na nossa conversa?
A interlocutora do outro lado falou alguma coisa.
– O que ela acha? – eu perguntei.
– Não interessa! – a moça respondeu ríspida.
– Claro que interessa! Nós queremos participar da conversa também.
– É, a senhora não está sendo democrática, mocinha! – foi a senhora da fila que falou, concordando comigo desta vez.
– É verdade. Coloca a sua amiga no viva-voz senão a gente não consegue participar direito da conversa.- propus.
Todos concordaram comigo e começaram um corinho:
– Viva-voz! Viva-voz! Viva-voz!
Desta vez a moça não respondeu. Nem colocou seu celular no viva-voz para atender aos pedidos do povo da fila. Ela simplesmente desistiu da fila do caixa eletrônico e foi embora. Sem desligar o celular , é claro.

banner_arte_02

2 Comentários

  1. gui bamberg   •  

    Genial esse texto sobre o celular na fila: realismo fantástico no último! abs.

  2. Dyego J   •  

    gostei, mais senti uma propaganda no ar!
    genial!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *