Olimpíadas que eu Rio – 12

olimpiadas-que-eu-rio_betosilva_casseta

16 DE AGOSTO

Comprei ingresso para 2 dias das Olimpíadas. Primeiro para o tênis, que minha mulher adora. E para o atletismo, ontem. Não sabia muito bem quais eram as provas do dia que comprei, depois descobri que tinham duas finais, dos 800 metros masculinos e dos 400 metros feminino. E a entrega de medalhas dos 100 metros rasos para o Bolt. Legal. Mas na hora de sair de casa, por pouco não desisti. Estava cansado, o tempo estava mudando, parecia que ia chover… porra, ir até o Engenhão! Pensei em dar os ingressos para alguém. Mas na última hora resolvi ir. Quando cheguei lá, começou a chover e eu quase me arrependi de ter saído de casa. Mas logo a chuva parou e começaram as provas. Primeiro as classificatórias dos cem metros com barreiras. Prova maneira, comecei a gostar. Arremesso de disco feminino, não curti muito. Então, do lado direito de onde eu estava começou a prova do salto com vara. Era a final. Essa modalidade é sensacional, não dá para não gostar, é um salto acrobático, parece impossível para uma pessoa normal fazer. A prova começou maneira, até que eu percebi que tinha um brasileiro disputando. O car , que descobri que se chamava Thiago Braz Silva, e era chamado de Silva no placar, passou pelo primeiro sarrafo. Maneiro!

Enquanto o salto com vara ia avançando aconteceram os 800 metros masculinos e os 400 metros femininos, duas provas muito legais. Ali do lado direito o salto com vara continuava. A altura agora era 5,75 m. E aí alguns competidores ficaram pelo caminho. Mas o Thiago passou. A plateia começou a se animar. Ficaram apenas 7 concorrentes. Aumentaram para 5,85 m. O Thiago errou a primeira , mas passou na segunda. Caramba, o cara é bom! Logo percebi que tinha um francês que era ótimo. O cara passava de primeira em todos os sarrafos. Uns franceses ao meu lado na arquibancada vibravam. A altura foi para 5,85 m. os concorrentes começaram a derrubar o sarrafo. O Thiago passou. Agora eram apenas 5, e dois resolveram passar para a próxima altura. O francês continuava passando de prima. Aumentaram para 5,93. Aí percebi que o Thiago podia ganhar medalha, bastava um polonês e um tcheco errarem. Eles erraram. Eu, e a torcida brasileira, descobrimos que tinha coisa boa por ali. O bronze já estava certo. Aí o americano saiu fora. Prata! Caralho! Já temos a prata! A torcida ficou empolgada. Mas o francês era muito bom, A altura foi para 5,98m e ele passou e bateu o recorde olímpico. Saiu desfilando todo marrento. Thiago resolveu que ia tentar o 6,03m, era a sua única chance de passar o adversário. O arrogante francês (pleonasmo?) achando que já estava com o ouro nas mãos partiu para sua tentativa. Errou. Então veio o momento mágico da noite, Thiago Braz ia tentar saltar os 6,03m. E algo diferente, pelo menos para mim, aconteceu. Durante a competição, o tempo todo rola uma música no som do estádio, quase sempre um hit pop americano. Mas nessa hora colocaram uma música do Benjor. Eu falei para a minha mulher: “Benjor! O Benjor vai dar sorte!”. Então Thiago, embalado pela torcida e pelo som de Benjor, correu e deu um salto maravilhoso. Passou pelos 6,03m e tirou o recorde olímpico do francês. O sujeito sentiu o golpe. Ficou puto e começou a reclamar da torcida. Parecia não acreditar no que havia acontecido. Logo o brazuca! O cara que ele nunca levou a sério. Alguém tinha que ser culpado por ele perder aquela medalha! E não podia ser ele. Só podia ser a torcida! Reclamou da torcida. Então partiu pro salto… e se fudeu! Perdeu a marra e a medalha de ouro. Desolé, meu caro francês! Desolé! Ouro pro Brasil! Valeu Thiago Braz!

Ainda bem que eu resolvi ir ao Engenhão ontem!


Todos os direitos de marcas pertencem aos seus respectivos donos.

172
ao todo.
banner_arte_02

Deixe uma resposta