banner_arte_02

Quero ficar desarmado!

E já está a bancada da bala louca para dar um tiro no estatuto do desarmamento. Pois vou logo dizendo que sou completamente, radicalmente, inexoravelmente a favor do desarmamento, da proibição de compra de armas pela população.

Um dos argumentos que usam os que querem armar o povo é o do direito individual. Argumentam que o indivíduo tem o direito de ter uma arma em casa para se defender, que isso seria uma questão de livre arbítrio. Pois eu acho que o direito de estar desarmado está acima do de estar armado. Se o meu vizinho do lado tem uma arma, o de cima e o de baixo também tem, eu perco o meu direito de não estar armado, pois qualquer discussão mais acalorada acabará imediatamente quando o idiota do meu vizinho brandir a sua pistola me ameaçando.

O mesmo vai acontecer na briga de trânsito. Não importa o que aconteceu, de quem foi a barbeiragem, a culpa será sempre sua quando o argumento oposto for uma Beretta. Ou na reunião de condomínio: Você sempre será o barulhento do prédio, ameaçado que será pelo barulho de uma arma disparando em sua direção.

Esse direito de estar desarmado tem que ser garantido às pessoas e só quem pode fazer isso é o Estado. Eu quero ter o direito de não ser obrigado a andar armado. Quero ter o direito de estar desarmado. Acho que esse direito além de ser a base da civilização e da boa convivência, é a garantia de que o mundo será menos violento.

Se você não concordar comigo, a gente pode até discutir, e se a discussão passar do ponto, eu, desarmado como estou, posso até te enfiar um soco na sua cara, mas não terei nunca como te dar um tiro na testa.

banner_arte_02

Desconto não é Presente!

Meu aniversário e recebo trocentas mensagens de empresas que mal conheço me felicitando e me mandando um “presente”: tantos por cento de desconto na compra de alguma coisa.

Então eu quero dizer a essas empresas que: DESCONTO NÃO É PRESENTE!

Não vou comprar porra nenhuma!

banner_arte_02

Direto da Linha Amarela

– Alô, ouvintes, quem está na linha com a gente é o secretário de segurança. Secretário, boa tarde. O que o senhor tem a dizer as pessoas que ficaram sob fogo cruzado na linha amarela?
– O que eu tenho a dizer é que as pessoas que entram na linha amarela já sabem que podem enfrentar essa situação.
– Então os motoristas não devem andar na linha amarela?
– O motorista tem que saber que o nome da via é linha amarela. Amarelo significa atenção. Tem que ter atenção ao trafegar por ali. Se sentir que tem tiroteio, vai pra outro lado.
– Pra onde? Pra linha vermelha?
– Vermelho é pare! Então não deviam nem entrar ali.
– E em que vias o motorista deve então trafegar?
– Olha, com tranquilidade só mesmo na linha verde.
– Linha verde? Eu não conheço.
– Porque ela não existe. O Rio de Janeiro não tem nenhuma condição de ter linha verde. Fala sério!
– Tá… Voltando a questão da linha amarela. A situação ainda está muita tensa por lá?
– Você tem que ver que a tensão não é o tempo todo. Quando não tem tiros a situação é de tranquilidade.
– E quando é que não tem tiros?
– Entre um tiro e outro não tem tiros.
– Mas são muitos tiros!
– Sim, mas se você comparar o tempo dos tiros com o tempo entre os tiros, o tempo entre os tiros é maior, portanto a sensação de tranquilidade é muito maior do que a de tensão.
– E existe algum planejamento para enfrentar essa situação?
– Existe um plano sim.
– E qual é o plano?
– O plano é fazer um plano.
– Quando será feito esse plano?
– Assim que a gente conseguir sair de trás dessa mureta aqui da linha amarela. Mas tá difícil viu, que a bandidagem não para de dar tiro. Ai meu Deus!

banner_arte_02
banner_arte_02

Os Meus Melhores do Ano – Livros

Dezembro é mês de gastar dinheiro com presentes de amigo oculto, de tentar trocar os presentes merdas que recebeu no amigo oculto, tempo de festas da firma, de micos na festa da firma, de reclamar ou defender passas no arroz e é também o mês das listas de melhores do ano (e de discordar das listas de melhores do ano).

Pois eu também resolvi entrar nessa e fiz a minha personal lista dos 5 melhores livros que li no ano em várias categorias.

Aviso: Vários desses livros não foram lançados em 2017, mas eu os li nesse ano e a minha lista é assim, é dos livros que eu LI nesse ano.

Outro aviso: Minha lista reflete o meu gosto pessoal, é pessoal e intransferível, Mas se você quiser dizer que livro tal não merece estar ou que o livro de fulano é muito melhor, fique a vontade.

Então aí vai a minha lista nas várias categorias:

FICÇÃO:
O som e a fúria – William Faulkner
O vendido – Paul Beathy
Se um viajante numa noite de inverno – Italo Calvino
Laços – Domenico Starmine
Jerusalém – Gonçalo M. Tavares

FICÇÃO BRASUCA:
Um defeito de cor – Ana Maria Gonçalves
Papeis avulsos – Machado de Assis
A glória e o seu cortejo de horrores – Fernanda Torres
Calibre 22 – Rubem Fonseca
Ainda estou aqui – Marcelo Rubens Paiva

NÃO FICÇÃO:
O palácio da memória – Nate DiMeo
Cérebro, uma biografia – David Eagleman
O rio da consciência – Oliver Sacks
Mais de uma luz – Amós Oz
Papa Sattam Aleppe – Umberto Eco

NÃO FICÇÃO BRASUCA:
Uma história do samba – Lira Neto
Dando tratos à bola – Hilário Franco Jr
Prisioneiras – Dráusio Varella
História do Brasil para ocupados – Luciano Figueiredo (org)
A criação original – Francisco Daudt

banner_arte_02

Fio Dental

Comprei uma embalagem de fio dental (não o de ir a praia, o de limpar os dentes). Cheguei no banheiro e tentei abrir a embalagem. Impossível. Não existe nenhuma maneira de abrir aquela merda sem usar uma tesoura, uma faca ou… os dentes! Que é sempre o que está mais a mão.

Cheguei a meter os dentes na embalagem, mas recuei quando lembrei dos que já quebrei quando os usei para algo que não fosse mastigar.

Será que os fabricantes de fios-dentais não pensaram nisso? Não passou pela cabeça deles dar uma facilitada básica na retirada do invólucro que protege a caixinha? Ou será que bolaram uma embalagem inexpugnável de propósito? Para que o usuário, com preguiça de procurar uma tesoura, use os dentes para tentar abri-lo? E assim transforme os seus caninos e incisivos em caquinhos caídos na pia? Para que então, banguela, ele seja obrigado a ir ao dentista? Para que receba uma tremenda bronca do dentista que certamente lhe recomendará que cuide melhor de seus dentes? E para cuidar melhor dos dentes, o que ele vai ter que fazer? Comprar mais fios dentais!

Será que os fabricantes são tão maquiavélicos assim?

banner_arte_02