banner_arte_02

EXERCÍCIOS DE FUTUROLOGIA

Esta foto acima é de uma exposição feita em 1954 , em que cientistas muito importantes , inteligentes e considerados, resolveram tentar adivinhar o futuro. Segundo esses caras, o computador de uma casa no ano de 2004 seria assim.

Já pensou se os caras estivessem certos? O computador da sua casa seria essa parafernália da foto.

– Meu pai comprou um computador pra mim.

– Jura? Que maneiro!

– Maneiro nada! Ele instalou o computador no meu quarto e a cama teve que sair! Tô dormindo em cima do teclado.

– O meu pai foi mais esperto. Ele alugou um apartamento só pra colocar o computador.

– Teu pai é inteligente.

– Não sei … se ele fosse tão inteligente assim, ele não precisava  levar uma moça pra ajudar toda vez que ele vai no apartamento do computador!

Eu fiquei pensando nessas invenções que povoam a nossa vida altamente tecnológica de hoje. Quando eu tinha a idade do meu filho não existia PC, computador pessoal nenhum, laptop nem nos Jetsons (1)! Sem falar em ipod, iphone, ipad, não havia nem celular! Como a vida era possível?

Aí eu fiquei imaginando se as invenções desses artefatos todos tivessem acontecido de outra maneira. Já pensou se por um tremendo acaso, o telefone não tivesse sido inventado? Todas as outras maravilhas tecnológicas que fazem parte da nossa vida teriam rolado: avião, carro, televisão, micro-ondas, mas o telefone não. Sei lá, não rolou, ninguém pensou no assunto, ninguém teve a idéia, nenhum cientista se interessou pelo assunto e o mundo seguiu sem telefone. Como seria o mundo sem telefonia? As pessoas mandariam cartas pra todo lado, os Correios seriam empresas enormes, viveriam lotados, as cartas certamente atrasariam, e surgiriam novas oportunidades de negócio: empresas de garotos de recados, empresas de carta-marketing que mandariam cartas escritas em gerundês para anunciar seus produtos. Você receberia cartas-trote , e serviços de carta-horóscopo, carta-tarot, serviços para rastrear cartas anônimas. Diálogos como este seriam comuns:

– Fui na tua casa ontem falar contigo , mas você não estava, perdi a viagem…

– Por que tu não me mandou uma carta?

– Eu tentei , mas a fila do correio estava enorme… e mesmo que conseguisse não ia adiantar, as cartas atrasam sempre!

– Mandava um garoto de recados.

– Ah, estas empresas de garotos de recado são fogo. Você sabe que eu pago uma empresa destas e nunca têm um garoto livre, tão todos sempre ocupados.

– É, eu tô sabendo, você sabia que as empresas de garotos de recado são líderes em reclamações? Elas só cobram, mas na hora de fazer o serviço você não pode contar com elas.

– É… vou reclamar na Ana-garotosderecados (2)

– Ih, não adianta nada! Eu já fui lá várias vezes e uma mulher no guichê me atendeu e pediu pra eu anotar o número do protocolo e não aconteceu nada!

É, talvez o mundo não fosse tão diferente assim.

(1) Jetsons? O que é isso? Um desenho animado que mostrada a vida da família Jetsons que vivia no futuro. E nesse futuro as coisas eram mais ou menos como na foto do computador de 2004.

(2) Agência Nacional de Empresas de Garotos de Recados.

banner_arte_02

After Hours

Chegar em casa e encarar a gorda da sua mulher era um castigo para o sujeito! Por isso, ele ficava no trabalho fazendo hora até mais tarde. Até o dia que pintou um gerente novo na área, que resolveu que não dava pra ninguém ficar de papo depois da hora. Se ele quisesse ficar, tinha que trabalhar.

Trabalhar depois do expediente era um suplício para o cara! Quando  acabava o seu horário, ia até o bar da esquina jogar conversa fora com o seu Manoel, o dono do estabelecimento. Apesar de vascaíno, o portuga não era um energúmeno completo. Até que o filho da puta do filho do galego buzinou nos ouvidos dele que não dava pra ficar aceitando fiado de marmanjo. Se ele quisesse beber, tinha que pagar antes.

Agüentar papo de lusitano vascaíno, e com a garganta seca, era uma merda para o cara! Passou a fazer hora numa pracinha que ficava a uns 2 quarteirões da sua casa. Ficava fazendo palavras cruzadas até o dia que cruzou por ele a mãe da sua mulher. Passou por ali e cismou que ele estava traindo a filha!

Passar por conquistador sem estar comendo ninguém era um vexame para o cara! Resolveu dar em cima de uma telefonista engraçadinha lá da sua seção. Ficavam dando uns arrochos espertos na porta do trabalho, depois do expediente. Mas o tesão era grande e a menina não era a fim de chegar aos finalmente.

Ficar só no roça-roça e no cinco contra um era um inferno para o cara! Aquilo estava deixando o sujeito com o diabo no corpo. Resolveu tratar disso num culto que ficava perto do trabalho. Mas lá só se falava em demo, satanás, cão, lúcifer e belzebu. E o tal do pastor que comandava a igreja cobrava uma taxa de administração pra salvar a galera daquela corja toda.

Pagar caro pra acabar com a sacanagem na terra era uma besteira para o cara! Ele se amarrava numa sacanagem! Fez amizade com o porteiro de um cinema que só passava filme pornô. Via duas sessões e quando chegava em casa a mulher já tava dormindo.

Ter que olhar pra a bruaca da sua mulher depois de ver aquelas gostosas todas no cinema era uma sacanagem pra o cara! Ele já estava ficando doente. Parou de ir ao cinema. Resolveu aceitar o convite de um colega de trabalho e foi numas reuniões do sindicato. Falavam as pampas de um sujeito chamado Lênin, que nunca apareceu por lá. E era um tal de socialismo pra cá, socialismo pra lá…

Ficar fazendo social com uma porção de barbudo desocupado era um saco para o cara! Passou a ficar matando tempo na esquina do trabalho conversando com os bicheiros. Tava tudo legal até que os caras começaram a olhar virado pra ele. Parece que estavam desconfiando que ele era X-9!

Passar por dedo-duro era um absurdo para o cara! Logo ele, que sempre foi malandro! Malandro honesto, mas malandro. E agora, o que  ia fazer pra não ter que encarara a mulher? Ficava zanzando pelas ruas até tarde. Entrava em tudo que é beco e ruela. Até que um dia, num desses becos, dois marmanjos o assaltaram. Levaram a grana e a roupa. E não pararam aí. Os filhos da puta ainda enrabaram o cara! Porra! Vê se pode! Ser enrabado era demais para o cara! Ser enrabado era o cúmulo para o cara! Ser enrabado era foda para o cara! Ser enrabado era … era… era… melhor do que encarar a gorda!


banner_arte_02