banner_arte_02
banner_arte_02

É PRA LEVAR A SÉRIO?

Eu não consigo me empolgar com essa Copa das Confederações. É pra levar a sério mesmo? Não dá muito pra entender qual é a graça dessa parada. Um campeonato que tem Taiti e Japão, mas não tem Alemanha e Argentina é meio estranho, não é não? Parece ser só mais um torneio caça-milhões de dólares  da FIFA (vê lá se a FIFA é boba de caçar só níqueis!).

E pra quem a gente torce? Pro Brasil? Mesmo sabendo que dá azar? Que toda vez que o Brasil ganhou essa parada, perdeu a Copa do Mundo? Que nenhuma seleção que levou a Copa das Confederações , ganhou a Copa no ano seguinte? Tá bom, você pode dizer: eu não acredito nesse negócio de sorte ou azar. Então por que tá torcendo pro Brasil, se do jeito que a seleção anda jogando, só ganhamos esse campeonato se dermos sorte?

Tem gente que diz que o que dá azar mesmo é ter um time mais ou menos e ainda por cima treinado pelo Felipão!

Mas será que não torcer pro Brasil é falta de patriotismo? Se eu acredito que ganhar a Copa das Confederações dá azar, eu só seria traidor da pátria se torcesse a favor do Brasil, certo? Porque torcer pelo Brasil agora é o mesmo que torcer contra o Brasil no ano que vem, entenderam? Não? Nem eu!

São muitas questões, mas no final eu vou acabar vendo todos os jogos e torcendo pra nossa seleção, vai fazer o quê, né? Sou brasileiro e acabo sempre vibrando com aquele time de camisa amarela! Então, a gente fica numa situação confortável: se o Brasil perder, tudo bem!  Aumentam as chances de ganhar a Copa de verdade. Se o Brasil ganhar, a gente torce pra essa teoria do azar estar errada, torce pro Felipão acertar a convocação e a escalação pra Copa verdadeira, torce pro Neymar arrebentar no ano que vem… Ou então ganha a Copa das Confederações e não comemora, finge que não aconteceu nada. Quem sabe assim a gente dá uma enganada no azar?

Mas uma coisa a Copa das Confederações tem de bom: Pelo menos a Argentina não tem chance de ganhar!

banner_arte_02
banner_arte_02

É CARNAVAL, OBA! OBA?

Será que o ideal de beleza feminina de hoje em dia é mesmo ter as pernas de um zagueiro do Vasco?

Cuiabá, Coreia, Alemanha, cavalo manga larga …falta pouco pra gente assistir um desfile sobre o novo lançamento imobiliário ou as vantagens de se aplicar no banco tal ou é claro, a cerveja que desce sambando.

Uma vez meu carro parou na estrada, a bateria dançou. Por sorte, na beira da estrada tinha uma loja: rainha da bateria… foi o mais perto que estive de uma…

Não importa o local da folia, o bloco ou o cordão o que importa é acabar a matéria falando que a festa aqui não tem hora pra acabar!

Post de carnaval é que nem samba enredo, é sempre meio parecido! Por isso repito aqui um post de carnaval que já publiquei antes, mas que como todo mundo tá bebum nessa época do ano , ninguém lembra mais.
No carnaval as mina pira e o país pára!
É carnaval! Não adianta reclamar do bloco que passou devastando a sua rua, nem do trio elétrico que quase te deixou surdo. O negócio é curtir esses dias de folia ! Conheça agora algumas das principais figuras e instituições do Carnaval:
BLOCO DO TWITTER – Esse foliões ficam em casa, colocam um fundo musical de carnaval , vestem uma fantasia e ficam tuitando. Também conhecido como Block de carnaval.
BLOCO DO FACEBOOK – É o “Me cutuca que eu te o curto”, o mais compartilhado do carnaval.
CERVEJA- A cerveja mais consumida no carnaval não é a Devassa nem a Brahma nem a Schin, é a Aquetiver. Aquetiver gelada… Aquetiver mais barata…
CRÍTICO DE CARNAVAL – São aqueles caras que se postam em frente a televisão na transmissão do desfile de carnaval e acham que sabem tudo, entendem tudo, e não admitem opinião contrária, porque leram uma matéria no jornal e agora se acham os maiores especialistas da terra.
DONO DE ABADÁ – Uma das pessoas mais queridas do carnaval, motivo de disputas e até de brigas para se conquistar a sua amizade. São aqueles caras que ganham abadás de blocos da Bahia, mas vão dar eles para alguém porque odeiam carnaval.
O SAUDOSISTA – Os caras que ficam repetindo o tempo todo que carnaval bom era antigamente, quando não tinha tanto comércio, quando os blocos eram pequenos, e principalmente quando eles ainda agüentavam sair pelos blocos enchendo a cara e pegando um monte de mulheres!
GALO DA MADRUGADA – É quando o cara chega do bloco bebum as 4 da manhã em casa , leva um tombo na cozinha e cai de cabeça na quina da mesa!
E PRA FINALIZAR COMPLETE OS CLICHÊS DE CARNAVAL ABAIXO:
………… é o melhor carnaval de rua do Brasil ! (complete com o nome da sua cidade)
Um bloco de carnaval acaba de interditar a rua ……….. (complete com a rua do seu bairro)
O carnaval aqui em ………… não tem hora pra acabar! (complete com nome da cidade em que você está pulando o carnaval)
É isso aí! Vamos em frente que a festa aqui não tem hora pra acabar!

banner_arte_02

O ELEVADO

Eu tenho passado pelo viaduto do Joá quase todos os dias. Pra quem não é do Rio, o viaduto do Joá é o que liga a Zona Sul a Barra da Tijuca, praticamente a única ligação. É também o tal viaduto que está em estado crítico, em petição de miséria, várias fotos já foram postadas na internet mostrando o concreto completamente corroído e as ferragens a mostra. Você olha pras fotos e pensa imediatamente: esta porra vai cair! Como é que se deixou um viaduto tão importante chegar a este estado? Pois é, não vou nem tocar na palavra manutenção, porque no Brasil essa parada de manutenção não rola mesmo. Parece que na próxima edição do Aurélio , eles vão retirar a palavra por falta de manutenção. Pois é, apesar disso tudo, a gente continua passando pelo elevado, porque como já disse , é a única ligação da zona sul com a Barra, vai fazer o quê? Aí as otoridades se deram conta de que a parada estava sinistra e resolveram que tinham que dar um jeito. Estudaram o problema e o primeiro orçamento para consertar o negócio foi de 7 milhões de reais. Depois refizeram as contas e deu 70 milhões. Um pequeno erro, apenas um zero, isso acontece… Eu mesmo cometi esse pequeno erro outro dia, fui num restaurante e paguei 7 reais, e no final a conta era de 70 reais, eu expliquei que era um errinho de nada , “só um zero, pô, que nem o elevado!”, mas o garçom não quis entender, ameaçou até chamar a polícia… Bom, mas enquanto a obra não sai, uma atitude precisava ser tomada, vai que o viaduto cai , como é que ficam os votos da galera? Seguindo instruções de engenheiros, havia uma medida paliativa a se tomar antes das obras começarem: era necessário diminuir a velocidade dos carros que passam pelo elevado (parece que a idéia é de evitar freadas, que podem mexer com a estrutura , se não é isso, é algo assim). Então a medida foi tomada: se estabeleceu que a velocidade limite em cima do viaduto era de 60 km/hora. Colocaram placas, pintaram um aviso no chão, e pronto, esperaram que alguém obedecesse. Hoje eu fiz um teste, andei pela pista da direita respeitando os sessenta quilômetros e nove carros me ultrapassaram na ida e outros nove na volta. Dezoito carros andaram a mais de 60 km por hora e tudo bem. Além de mim , parece que apenas os motoristas escandinavos que cruzavam o elevado obedeceram a velocidade máxima permitida, os brasileiros nem tomaram conhecimento. Então, após esse enorme prólogo vem a minha ingênua questão:
Sabendo que ninguém obedece ao limite de velocidade no elevado do Joá, o que você acha as autoridades vão fazer?
a) Ser mais rígidos! Diminuir a velocidade permitida para 50 km/h, colocar placas com a nova velocidade, pintar o chão com a nova velocidade e depois ir pra casa.
b) Ser mais flexíveis, aumentar o limite de velocidade para 100km/h e pedir encarecidamente para as pessoas não frearem seus carros.
c) desistir de uma vez, tirar as placas que colocaram e limpar as pinturas dos avisos do chão.
d) só permitir a passagem de escandinavos no elevado
e) nada.
obs: a ideia de fiscalizar a velocidade dos carros eu nem me dei ao trabalho de colocar como opção, porque sabe como é o nosso país, essa parada de fiscalização não rola mesmo. Parece até que na próxima edição do Aurélio…

banner_arte_02

Atitude Rock’n Roll

Eu sou fã de rock. Como um cinqüentão que foi adolescente na década de setenta eu me amarro em rock. Cresci ouvindo Led Zeppelin, Deep Purple, Yes, Emerson, Lake and Palmer, Genesis, Pink Floyd… E parei por aí. Anos depois descobri o Nirvana e voltei a curtir rock. E com o advento do Ipod dá pra resgatar um monte de músicas antigas e ouvir numa boa. Mas apesar de ser roqueiro, de me amarrar no som de uma guitarra distorcida eu às vezes tenho vergonha de admitir isso. Por quê? Qual é o problema? Tem tanto jovem que gosta de rock!
O problema são as roupas. Será que pra tocar rock o cara é obrigado a se vestir daquela forma escrota? Tem que ter cabelão , vestir  roupas pretas , de couro, cheias de tachas e caveiras, usar bandanas,  e, principalmente  usar aqueles cintões com fivelão? Qual é a idéia dos cintos? É pros roqueiros  serem confundidos com cantores sertanejos? Não dá pro cara tocar rock´roll e se vestir normalmente? Até uma camisa do Faustão é melhor que o visual rock´n roll!
“É que roqueiro tem que ter atitude!”, alguém me explica.
Porra , não é uma boa atitude largar essas roupas ridículas e ir numa lojas comprar umas roupas mais maneiras?
“Ah, não, roqueiro tem que ser revoltado, entendeu?”
Porra, eu também fico revoltado quando vejo um monte de velhos ridículos se vestindo como se ainda estivessem nos anos 70, com a mesmas roupas, só que bem mais apertadas por conta das barrigas que cresceram.

Por isso eu adorei quando o System of a Down veio ao Rock in Rio. Além de ser, na minha opinião, o que tem de melhor no cenário do rock atual, os caras ainda marcaram mais um pontaço comigo. O vocalista  cantou vestindo uma camisa social! E branca! Sem caveiras, sem tachas pregadas pelas roupas! Sem bandanas! E principalmente, sem cintão! Isso é que é atitude Rock´roll!

banner_arte_02