O papa Francisco Buarque, recebeu a mim e a Isaura, a minha patroa, no Vaticano e disse que a Igreja Católica é a favor da minha coluna dominical mas só para fins de reprodução. Sempre bonachão, o Sumo Pontífice me mandou tomar na Cúria. Cúria Romana é claro. Em seguida se recolheu aos seus aposentos papais, para dar “uma abençoada” (pronuncia-se “uma bem suada”) na devota carola. Mas só na carola!

Voltei! Aqui é o meu lugar! Nas ruas e na Internet a comoção foi geral. Meus 17 leitores e meio (não esqueçam do indivíduo verticalmente prejudicado) continuam sem entender porque foi que eu saí de O Globo, aquele jornal que ficava estacionado na frente de meu Dodge Dart 73, enferrujado. A todos explico que, com a minha saída, quis dar uma chance à nova geração, gente como Caetano Velhoso, Luís Fernando Velhíssimo e Arnaldo Javô. O fato é que vocês, meus fãs de carteirinha, podem ficar tranquilos porque continuarei minha antológica coluna dominical aqui em www.casseta.com.br/agamenon e o que é melhor: agora vocês não precisam mais comprar O Globo no domingo o que dá uma boa economia. Mais de 200 reais por ano! Uma baba!
Todos sabem que o vetusto diário carioca resolveu, de uma hora pra outra, cobrar 25 anos de  estacionamento do meu Dodge Dart o que, automaticamente, ia me transferir da Rua Irineu Marinho  para a Rua da Amargura. Desesperado, resolvi pegar a Isaura e picar a minha mula. Hoje, depauperado e sem nenhum qualquer no bolso, vago pelas ruas como um zumbi morto–vivo, morando ao relento, vivendo da coleta de alimentos silvestres e da caça de pequenos animais. Felizmente, Isaura, a minha patroa, está sempre aí para dar uma mãozinha. Minha cara metade (e bota cara nisso!) também está ajudando nas despesas lá de casa e já está rodando sua bolsinha Abercrombie and Bitch pela orla da cidade. E neste fim de semana tem promoção da Isaura: “compreta” é 100 real!

Minha saída de O Globo também provocou uma grave crise institucional entre os poderes da República. Sem ter com o que se distrair em Brasília, parlamentares e ministros togados resolveram se engalfinhar pra ver quem tem mais Poder no Brasil. Poder com PH! Os mensaleiros, desperados com sua prisão iminente, criaram uma “tropa de cheque” para pressionar o STF. As relações entre o Legislativo e o Judiciário ficaram tensas e, por pouco, o equilíbrio entre os poderes quase foi rompido. Só não foi rompido, esgarçado e arrombado porque o  PMDB, Pomada do Movimento Democrático Brasileiro, garantiu ao pessoal do mensalão o fornecimento ininterrupto de vaselina  durante sua estadia carcerária.

O papa Francisco Buarque, recebeu a mim e a Isaura, a minha patroa, no Vaticano e disse que a Igreja Católica é a favor da minha coluna dominical mas só para fins de reprodução. Sempre bonachão, o Sumo Pontífice me mandou tomar na Cúria. Cúria Romana é claro. Em seguida se recolheu aos seus aposentos papais, para dar “uma abençoada” (pronuncia-se “uma bem suada”) na devota carola. Mas só na carola!

Agamenon Mendes Pedreira é desempregado investigativo

9 COMENTÁRIOS

  1. Excelente. Ao invés de ir no Caderno Dois, virei aqui todos os domingos. Por favor, não descontinuem a sátira. Ela faz bem à saúde do povo brasileiro.

    Abraço.

  2. La-men-tá-vel! A cada dia se vê desaparecer um espaço para a livre expressão e isso pela troca de favores espúrios que campeiam o nosso país. Mas aqui estarei todos os domingos, bem como todos os brasileiros (esclarecidos) e que merecem ler algo que enriqueça os seus domingos. Sua fã incondicional!

  3. Agradeço demais ao Casseta, por permitir que este jornalista ” de reputação duvidosa ”, ocupe seus espaços não preenchidos no Domingo, com essa coluna. Em real todos nós leitores ( ainda não sei se me incluo nos 17 leitores ou somente no meio – não se esqueçam no anão – se sentem agraciados por não perder excelentes textos altamente técnicos com grande nível de inteligência – lógico que isso não é verdade – que durante 25 anos preencheram as lacuna, quer dizer coluna, do Globo.

    Sem mais para o momento, Seu leitor ( um dos 17 ou somente o meio )

  4. A gravíssima crase não gosta dos infinitivos verbais e nem do gênero masculino, também não fica entre palavras repetidas, mas quase sempre nos pega de surpresa com os seus inimagináveis “à moda de” subentendidos nas frases mais bizarras.

    Enquanto isso, volta à tona a ideia, agora desacentuada, de reduzir a maioridade penal.
    Anthony Pivetinho, infante do finado Brizola, padrinho de Sérgio Cabra Débil Mental, já afirmou que não é favorável, visto que o Garotinho deve ser sempre inimputável.

    Magno Ovo Malta continua a cantarolar o seu pagode e a surpreender o povo capixaba com o seu caráter performático. Depois de combater a pedofilia, deseja agora jogar a molecada na impunidade e desumanidade da cadeia, que certamente serve muito bem para recuperar os indivíduos, ensinar aos adolescentes um novo caminho, dar lhes uma profissão e permitir a sua recuperação. Figura explicitamente coerente com um caráter de mente.

    Com raríssimas exceções, os depósitos de menores em conflito, muitas vezes armado e violento, com a lei são verdadeiras academias militares da criminalidades, locais em que se aprende a arte da tortura, da violação sexual e das regalias para os bandidos que alcançam o sucesso financeiro ou que sabem se associar.

    Outras idiotices e canalhices geniais continuam brotando dos nossos legítimos representantes do caríssimo Congreso Nacional, com os quais nos identificamos plenamente. Não há porque conferir dever-poder investigativo a mais de um órgão. Assim a propina fica muito diluída e os resultados financeiros da corrupção diária ferem os princípios econômicos da proteção ao crime.

    A mumificação do STF também é uma ideia fantástica, com a velocidade dos nossos legisladores e a viagem de mais de cem anos para o passado, emergindo das trevas o positivismo jurídico, transformará o Brasil em um laboratório inovador com duzentas milhões de cobaias das “ciências jurídicas”, assim como tem sido, para nossa tristeza, repetidas vezes nas “ciências econômicas e políticas”. Eu sequer sabia que, na amada terra do Brasil, inusitadamente transformar-se-iam em ciências tão experimentais.

  5. Fala, Agamenon! Bem-vindo de volta! Com trocadilho, por favor! Vc poderia ter escrito que pegou a Isaura e picou a mula “não necessariamente nessa ordem”! Ah! Outra coisa: postei no meu blog um artigo que escrevi (só escrevi, porque também não sei ler) sobre você para o meu mestrado, na linha da Análise do Discurso, que não tem a menor graça, é claro. O meu artigo é como qualquer artigo de mestrado que por sua vez, como sabemos, não se trata de um curso nada sério. Abraços!

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here