OBSERVATÓRIO LONDRINO

Aqui, nesta longínqua latitude, o que se sabe daí é… rigorosamente, porra nenhuma.

O Brasil pode estar até na moda (ainda tem uma loja das legítimas Havaianas, uns poucos táxis circulam com anúncios pintados na lataria  convidando “los gringos” a nos visitar e é só isso), mas não parece.

A culpa pode ser da efemeridade dos nossos tempos ou da nossa pouca consistência em nos fazer presentes no mundo, mas o fato é que dá o maior trabalho saber o que tá rolando aí na Brazucolândia.

Quer dizer, nem é tanto assim, basta um wi-fi xexelento e pronto: estamos atualizados sobre  todas as grandes questões que afligem a nação Patropi. Que são duas: Marco Feliciano e Daniela Mercury.

Se bem que, como a segunda (quer dizer… não comi não, e pelas últimas declarações dela, minhas chances são ínfimas) declarou que sua “saída do armário” foi um ato de repúdio ao primeiro… o assunto é um só… ou um e meio, no máximo.

Andei dando (no bom sentido, é claro) meus pitacos por aí (nas tais das redes sociais, mas não me sinto bem falando isso)… e agora fiz um cata-cata pra ver se juntando tudo dá algo além de coisa alguma.

Vamo lá !

1)   Esse cabra, o tal do Infeliciano, pode ser uma besta, mas não é burro. Se é que vocês me entendem. O cara descobriu como se faz pra ocupar espaço na mídia e já tá craque nisso. Sem falar que a militância contra e o pessoal “fashion” ajudam ainda mais a reverberar o sujeito. Presidente pra ele é muito… mas prefeito de São Paulo ? Vão brincando… Celso Russomano quase foi, Haddad é… Pitta foi…

2)   A jogada marqueteira dele (que já desapareceu), “renunciar” junto com os “mensaleiros” do PT foi esperta. É claro que nem ele sacou que estava se colocando no mesmo patamar de condenados na justiça, mas deu um cheque-mate nos “engajados”. Afinal, protestar contra escroto “fácil”, consensual, é moleza. Quero ver é ser tão rigoroso contra escrotos “amigos”. Escroto é escroto. Quem relativiza escrotidão é também, no mínimo, um pouco escroto. João Paulo Cunha, presidente da Comissão de “Ética” e Infeliciano de chefe da de Direitos Humanos é a mesma escrotidão. Aliás, as únicas “Comissões” levadas a sério no “Congresso” são as de 10%, 20%… e outras de maior valor “ético”.

3)   Interessantes também são as “acusações” que ele mesmo faz ao Deus dele. Segundo o (agora) famoso deputado, o Todo-Poderoso seria pior que o Fernandinho Beira-Mar. O  próprio Infeliciano afirmou que Ele mandou matar John Lennon, porque ficou chateado com declarações do ex-Beatle, detonou os Mamonas, porque não curtiu as músicas e agora estaria de olho em  Caetano e Lady Gaga, alegando que ambos têm ligações com a “concorrência”. Sujeito ruim esse. Por isso que eu não acredito nem n’Ele, nem em deputado. Se isso tudo for “verdade” esse Deus aí é o crítico musical mais rigoroso que jamais existiu. E deve ser fã de “sertanejo universitário” porque, até agora, não rogou nenhuma praga nem pro Luan Santana, nem pro Michel Telló…

Quanto ao outro “tema”, a questão “La Mercury”…   não sei, acabei de chegar aqui no meu exílio voluntário, portanto tô longe de pensar na volta, por enquanto tô só matutando… ainda não tem nada decidido… mas, de repente, acho que vou fazer que nem Dona Daniela  e quando retomar minha “carreira”, vou me (re)lançar como lésbica. Acho que levo jeito pra coisa… canto com voz grossa, como a maioria das nossas cantantes  (aliás, repito… nunca comi nenhuma… não estou na cadeia alimentar da categoria) , adoro o tal do cunilingus… enfim, os requisitos básicos eu tenho… é algo a se pensar.

1 comentário

  1. cristina lodi   •  

    O que que um “Casseta” tá fazendo no Fog londrino? Volta pra cá ontem! a intolerância reina nos trópicos, precisamos de humor já!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *