O PERSONAL DOS DEPUTADOS

Quem faz ginástica ou pratica algum esporte sabe o quanto é duro sair da cama pra ralar. Não estou falando dos fanáticos que trocam qualquer meia hora de bobeira por uma corridinha ou pedalada. Falo daqueles que se matriculam numa academia por causa de uma receita médica.

Pode ter aquela empolgação inicial, motivada pelo desejo de perder uns quilinhos e fazer bonito frente à namorada nova. Ou pra matar de raiva a ex que acabou de trocá-lo por um saradão vinte e poucos anos. Depois volta ao marasmo. A primeira falta por um motivo sério é seguida de outra porque acordou com uma dorzinha aqui, no dia seguinte porque virou a madrugada assistindo a última temporada de Breaking Bad. O atleta desaparece, em seu lugar surge aquele sujeito modorrento e flácido que, ao completar quinze minutos de esteira, se dá por satisfeito, se sente um verdadeiro atleta olímpico.

Só há uma saída pra entrar nos eixos: a contratação de um personal trainer. O profissional bate na sua porta cheio de animação e, para não decepcioná-lo, você vai treinar. Disfarça a preguiça, chega até dizer que adora aquilo, e como se sente saudável depois de uma sessão de abdominais.

Assim são nossos deputados. Na época das eleições mostram toda sua disposição e preparo físico, percorrem quilômetros a pé, sempre sorridentes e otimistas. Uma vez com o cargo garantido, voltam à rotina de pasmaceira. Passam os dias jogando conversa fora nos corredores, jogando paciência no celular, enquanto um outro discursa sobre assuntos como a tomada de três pinos, que ninguém se acusa ser o autor da proposta.

Os manifestantes são o personal dos congressistas. Os caras  tiveram que acordar e deixar a apatia de lado. Numa só noite votaram contra o PEC 37 e aprovaram a destinação dos royalties do petróleo para saúde e educação. São tão preguiçosos que um personal só não basta, são necessários, milhares, milhões deles! Se os protestos continuarem, vão entrar em forma e passarão a discutir outros temas relevantes. Está instituído o regime da Passeatocracia! As passeatas mudaram a vida do Legislativo. O povo nas ruas está funcionando como um “pula-pirata”, uma dedada que tá botando aquela cambada pra trabalhar.

1 comentário

  1. Ethel Maribondo   •  

    É, as passeatas estão boas. Êta, Brasil! Mas, vamos em frente que atrás vem gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *