O PORCO ME TIRA DO SÉRIO!

DSC00772

Vamos começar por onde o cara tinha os maiores prazeres, dentre os que podemos comentar nesse horário: a boca. Uma frase definitiva, repetida infinitas vezes: “O porco me tira do sério”. O cara perdia o rebolado quando o assunto era um lombo assado, uma linguicinha, uma costeleta no ponto. Traía sua origem judaica diante de uma bela feijoada – talvez um rabino devesse pensar em criar um suíno kosher se quisesse vê-lo de volta a uma sinagoga. Ultimamente estava se segurando para não cair em tentação e já tinha perdido vinte quilos. Mas seu objetivo não era ficar fininho, virar top model e passar a se alimentar de saladinhas e bifes de soja. Queria só que a balança parasse de lhe encher o saco para que pudesse novamente cair de boca numa iguaria bem temperada.

Confesso que tentei fazer a minha parte e por diversas vezes na nossa juventude forcei-o a uma dieta. Quando nossa carreira estava apenas engatinhando, nos reuníamos na casa de seus pais em Copacabana. Como eu morava na Vila da Penha e passava o dia na rua, chegava ali morrendo de fome, prudentemente minutos antes do jantar. Bussunda ainda não tinha aparecido, então, convidado por sua mãe, Helena, sentava-me à mesa com a família e traçava o bife que estava reservado pro gordo. Não me importava do que seria xingado quando ele chegasse, estava forrado, pronto pra falar merda noite a dentro.

Sua outra paixão era o futebol. Paixão não, tara mesmo. Era capaz de assistir a qualquer jogo, eu disse qualquer jogo!, de um grande clássico da Copa a uma pelada de garçons no Aterro do Flamengo. E assistia profissionalmente, fazendo anotações num caderninho em que fazia a avaliação dos jogadores. Na Alemanha nos mostrou seu caderninho, onde acompanhava a carreira de todos os integrantes de todas as seleções nos últimos anos, incluindo o número de vitórias e derrotas, o estado de saúde, as condições psicológicas do sujeito, os cartões recebidos, o salário, se era ou não era corno, enfim, tudo que pudesse afetar o desempenho do atleta na próxima partida. Também não dispensava uma peladinha e, por incrível que pareça, jogava bem, desafiando com sua proeminente barriga, as leis da lógica e da gravidade.

O cara era um moleque. Sua última perfomance foi no jogo do Brasil contra a Croácia, em que respondeu à provocação de um croata gritando “Sérvia” em sérvio, coisa que aprendeu assistindo a um jogo no meio da torcida daquele país. Ao gritar “Sir-biah! Sir-biah!”, levou o mané à loucura, que partiu pra cima da gente querendo declarar guerra ao Brasil. Por sorte nosso país fica bem longe dos Bálcãs.

Bussunda não acreditava que alguém pudesse se irritar se a piada fosse realmente boa. Discutimos, em 2006, a respeito da propaganda em que o Maradona aparecia vestido com a camisa da nossa seleção. Ele tinha certeza de que os argentinos não ligariam para a brincadeira porque a piada era ótima. Ele, se fosse argentino, certamente aplaudiria.

Esse espírito gozador arrebatou milhões de fãs e o cara não tinha sossego aonde fosse. Certa vez, chegou correndo ao banheiro do aeroporto Santos Dumont, num tremendo piriri. Ao se trancar num reservado, ouviu um admirador comentar com o amigo: “Tu não sabe quem tá cagando ali…” Foi preciso perder o vôo pra se livrar do mala.

Valeu, Bussunda!

52
ao todo.

Deixe uma resposta