ABAIXO A DENTADURA!

milicos

 

–       Nunca serei um general de pijamas!

Seu Abujamra, um coronel reformado do exército passava o dia no bar da esquina na Vila da Penha contando causos de quando era o fodão da Barão de Mesquita. Realmente não poderia ser um general de pijamas. Além de ser apenas um coronel, preferia usar um surrado uniforme Adidas.

O coronel Abujamra não esteve no Vietnã, nem em Monte Castelo, muito menos na guerra do Paraguai – devia estar gripado, pois idade pra isso ele tinha. Mas fazia questão de contar sua atuação na guerra contra o comunismo, onde o inimigo era solerte e insidioso. Ninguém tinha coragem de dizer que não sabia o que era isso, temiam ser mandados pro pau de arara. Detestava tudo que era de esquerda. Não falava com seu Almeida, o eletricista, que além de morar à sua esquerda, tinha votado no Jango. Também não frequentava o Suvaco de Cobra, um bar de chorinho que teve seus quinze minutos de fama. O motivo: o bar ficava na rua Francisco Enes, uma ladeira da Penha conhecida como “Montanha Russa”, devido à aglomeração de operários. Ali, nas eleições de 78, podiam-se ler pichações do tipo “Prestes indica”, assinalando os candidatos a deputado ligados ao PCB. Não me lembro se algum deles se elegeu.

Abujamra se gabava de participar de sessões de tortura nos áureos tempos da Longa Noite.

–       Detesto comunistas,  um bando de raquíticos, fumantes de óculos fundo de garrafa, com aquela cara de quem não pega ninguém…Quando eu chegava, avisava logo que não suportava mentira, em seguida dizia: vamos começar pelo caderno B. Ou seja, perguntas de cultura. Queria saber quem gostava do Chico Buarque, do Gonzaguinha, do Geraldo Vandré, aqueles subversivos que só fizeram sucesso às nossas custas. Se o sujeito confessava que era fã do Vandré,  eu falava: “Pra não dizer que não falei de flores”, essa eu conheço. Agora cite-me outra canção dele. Normalmente não sabiam. Eu começava: Você está me escondendo alguma coisa! Por quê? O sujeito se desesperava: “Eu não sei, eu não sei!” Não é fã? Então, abre o bico! Outra música do Geraldo Vandré, anda! Fala! – Gostava de ver o desespero na cara do pessoal da canhota. Ra-ra-ra-ra! – a gargalhada antecedia a baforada na bombinha de asma.

 

Passada a euforia, Abujamra baixava a crista. Dizia-se magoado com a esquerda. Seu nome não apareceu em nenhum livro sobre a ditadura. Não foi denunciado por ninguém. Nunca houve um parente de desaparecido ou de preso político que citasse seu nome. “São uns ingratos! Depois de tudo que fiz por eles…Venderam livros, fizeram filmes, ficaram ricos, graças a mim. Onde está o reconhecimento?” – lamentava ele. Tinha inveja do Newton Cruz, do Geisel, do Médici. Gostaria de ser odiado pelos esquerdistas. Mas ninguém tinha ideia da sua existência.

Até hoje não se sabe se o coronel Abujamra realmente foi um torturador ou se era apenas um milico aposentado querendo chamar atenção das viúvas conservadoras mais fogosas do bairro. E dava certo. Ao menos com a dona Alzira da avenida Meriti, e com a dona Zileide, a costureira do Largo do Bicão.

 

BRASIL ELIMINADO NO BBB!

A agência internacional Estandarte de Pobre deu uma espiadinha no Brasil e mandou nossa economia pro paredão. Com nota vermelha em várias disciplinas, o governo vai ter que contratar um explicador pra dar aulas de reforço pro Guido Manteiga, o menisco da economia. Rebaixados de BBB pra BBB-, o país teve que deixar a casa do Bial e agora se candidata a uma vaga na Fazenda de Brito Jr. As gostosas siliconadas estão fora dos planos da Playboy e ficaram desesperadas ao saber que, às vésperas da Copa, os investidores estrangeiros não estão muito interessados em investir nos seus fundos.

E mais uma vez, a prova do líder foi vencida pelos Estados Unidos.