Nem de Uber, nem de Táxi

A crise tá braba. Num domingo ensolarado, mais de 60 pessoas se reuniram na Praia do Leme para enfrentar um problema. Como voltar para o Posto 6, onde estavam seus pertences, sem gastar dinheiro com táxi? Eles podiam voltar caminhando pela areia. Mas podia ser perigoso. Com o estado falido, a polícia vem fazendo corpo mole para vigiar a orla. A turma resolveu atravessar a distância a nado.

O primeiro obstáculo foi furar as ondas, que não estavam dispostas a colaborar, Quebravam na cabeça dos que tentavam alcançar a arrebentação. Ainda assim, eles insistiram. Deviam estar mesmo sem grana. Superada essa etapa, se deram conta da temperatura da água nada caribenha. É bem verdade que naquela semana eles experimentaram um mar mais gelado. Estavam se preparando para um imprevisto, o que acabou ocorrendo no domingo.

Eles estavam dispostos. Alguns mais afoitos apressaram as braçadas, talvez temessem sofrer uma hipotermia. Outros, mais tranquilos, seguiram atrás, sem pressa, sem pressão. Não é a primeira vez que eles fizeram esse percurso, o que facilitou a marcação do progresso. Alguns prédios servem de referência. O primeiro passo é o hotel que define o início, no caso deles, o fim do Leme: o antigo Méridien, que muda de nome a cada sudoeste. Em seguida, o Copacabana Palace, que se destaca na orla pela baixa estatura, no meio dos espigões (termo quase tão antigo quanto o próprio Copabacana Palace. O marco seguinte foi o hotel Merriott, fácil de se identificar pelo rombo na fachada. Em seguida, o Othon praticamente avisa: “bora, galera, vocês tão quase lá!”. A essa altura, o grupo que começou compacto, já estava totalmente disperso no oceano, mas todos estavam ligados nos seus pertences que talvez ainda estivessem numa tenda armada próxima à colônia dos pescadores. Nunca se sabe, afinal, estamos no Rio. Mais adiante, o Museu da Imagem e do Som, projeto arquitetônico arrojado com dois objetivos: ser um ícone da paisagem e um marco para os nadadores de que falta pouco para o Posto 5. O hotel Emiliano, quase na rua Francisco Sá, é o penúltimo destaque. Dali em diante, olho no Sofitel. A certeza de que finalmente chegaram vem com os plásticos e garrafas pets que os recebe à sombra do Forte Copacabana. Nunca a poluição dos banhistas foi tão bem recebida.

cheguei

Completou-se o percurso de quase 3,5 quilômetros. Aparentemente, todos os pertences foram recuperados. Ou ninguém se dispôs a prestar queixa na delegacia do bairro. Estavam felizes por economizar os reais do táxi. E por descobrirem pra que servem os hotéis da orla do Rio.

Quando o bronze vale ouro

Tinha acabado de sair de um treino de natação na praia de Copacabana quando soube que a prova olímpica de Maratona Aquática se daria justamente ali. Nossa equipe comemorou: é como se a final da Copa do Mundo fosse marcada para o seu campinho de pelada.

Passei a acompanhar os detalhes até o grande dia, 15 de agosto de 2016, data da prova feminina do esporte. Na época, estava cobrindo a Olimpíada para o canal SporTV. Assisti ao vivo a conquista da Poliana Okimoto, que foi cercada de confusão, com uma das nadadoras desclassificadas. Essa história por si daria um livro. Mas não somos tão preguiçosos assim. Daniel Takata, me propôs trabalharmos juntos numa biografia da Poliana. Não queríamos um livro dos recordes, e sim que o público conhecesse um pouco mais da vida da nadadora. Como começou? Quem a incentivou? Como é a Poliana fora das piscinas e do mar? É casada? Tem filhos? É baladeira? Já namorou o Neymar?

Listamos uma série de perguntas que gostaríamos de ver respondidas e marcamos algumas entrevistas com ela. Esse texto não vai ter spoiler. Se você ficou curioso, compre o livro, está tudo lá!

Domingo, 3 de setembro, estarei na Bienal, no estande da editora Contexto a partir das 17 horas, distribuindo GRATUITAMENTE autógrafos para quem COMPRAR o livro da Poliana Okimoto.

Espero você lá!

Quando o empate é vitória

Foram dois empates com sabor de vitória. No Recife, o 1×1 com o Sport nos rendeu passagem para as quartas de final da Copa do Brasil. Domingo, num jogo horroroso de se ver, saímos no lucro com o zero a zero contra o Framengo pelo Brasileirão. Fomos bombardeados no segundo tempo. Se o Muralha tivesse um celular à mão, poderia ter ficado direto no Candy Crush (ou no xVideos), pois quase não o incomodamos. Na única chance clara de gol, Roger chutou bisonhamente para fora, em nada lembrando aquele seu golaço contra o Leão pernambucano.

Infelizmente quem ganhou um reforço considerável foi o time do departamento médico. Camilo, Guilherme e Lindoso se apresentaram na quarta-feira, enquanto Aírton e Vítor Luís foram convocados em Volta Redonda. Já temos quase uma equipe completa nas macas do nosso ambulatório. Incomodado com a pressão dos torcedores, Montillo se revoltou e ameaçou devolver os salários do período fora de campo. Vamos com calma, minha gente! Ninguém fica feliz ao se contundir. Montillo é profissional e quer jogar. Temos que ter paciência e torcer pela rápida recuperação dessas peças fundamentais.

Tenho falado do nosso curto cobertor que, com essas ausências, se torna um lençol fino e mal remendado. Jair vai ter que fazer milagres para escalar um time competitivo contra o Santos.

___

Vamos às amenidades. Estava preparado para falar do uniforme da Juventus que inspirou o nosso. Diante da piaba frente ao Real Madrid, mudo o rumo da prosa. Semana passada recebi um belo presente: a camisa oficial do Conservatória F.C. Soube que suas cores no passado eram o vermelho e o branco. Graças à iniciativa de seu falecido presidente, o botafoguense Nilton Barra, ela hoje tem listras alvinegras, como manda o bom gosto. Na próxima pelada certamente entrarei em campo com ela.

Vento a favor

Finalmente o acarajé desceu suave. Foram cinco anos sem ganhar do Bahia em partida da série A. Mais uma escrita caiu. Bruno Silva dessa vez esqueceu o juiz e acertou a bola onde deve, no fundo das redes. Valeu, Bruno, bem melhor assim.

Falo de Brasileirão ainda sob o efeito da ressaca da Libertadores. Numa rodada atípica, perdemos, mas ganhamos. Um amigo foi a Buenos Aires e, apesar da derrota para o Estudiantes, tomou um porre histórico na terra de Gardel. “Nosso jogo não era lá, e sim em Medellín” – me disse ele. Tinha razão. Tanto que o time não saiu de campo depois do apito final. Precisava esperar o Atlético Nacional vencer por 3X1 o Barça genérico. Pra isso, contamos com dois gols contra! Tem coisas… Fechamos o grupo em primeiro lugar. Agora teremos o jogo de volta das oitavas no Niltão. E isso faz toda a diferença. Estaremos lá, né galera?

Enquanto isso, vamos pensando no amanhã. E amanhã tem o Sport no Recife pela Copa do Brasil. Libertadores, Brasileirão, Copa do Brasil… Não tem moleza! Vamos torcendo pro vento continuar soprando a nosso favor. Mas um bom centroavante ajudaria bastante a nossa sorte. E salve, Gatito! Nosso melhor jogador no momento, depois de Jair Ventura, o Furacão Jr.

O Globo – 30/5/17 

Passaporte carimbado

O carioca pôde ter alguma alegria lendo o jornal de ontem. O caderno de esportes, claro, porque na política, estamos no mesmo barco que o resto do Brasil, um barco sem motor e sem timoneiro, deslisando suavemente para o brejo. Já no Brasileirão, um fato que não se via desde 2012: todos os grandes times do Rio vitoriosos numa mesma rodada da série A.

Embalados pelo bom momento que vivemos, passamos pela Ponte sem pagar pedágio. Um 2 a 0 tranquilo, controlando a partida e animando a torcida. Os gols tiveram características em comum. Ambos foram feitos por volantes, com um atacante servindo de garçom. Sinal de que o esquema montado por Jair está bem azeitado e foi digerido pela equipe. Mas, cá entre nós, quem não gostaria de ter um centro avante que marcasse uns golzinhos de vez em quando?

Na quinta-feira, o Botafogo vai à Argentina comprar alfajores, vinhos malbec e casaco de couro. É só um passeio, pois já estamos classificados. Tem gente que duvidou e zoou quando ficamos de fora da final do estadual. Agora, como disse o Pimpão depois de marcar o gol que carimbou nosso passaporte para a próxima fase, esse pessoal está reformando o sofá às pressas pra assistir ao Fogão na Liberta.

Uma passagem curiosa. Na entrada do Niltão, antes do jogo contra os vizinhos de Pablo Escobar, vários botafoguenses me abordaram pra fazer um selfie. Um deles, porém, foi diferente. O carinha veio todo empolgado, já com o celular preparado, me abraçou e, na hora do clique, lembrou: “Peraí, eu não tirei foto contigo nos outros jogos e a gente ganhou! Melhor não, melhor não.” E se afastou sem o registro. Vencemos de novo. A superstição funcionou! Dedico a vitória contra o Atlético Nacional a esse torcedor cujo nome eu nem sei.

___

Hoje é aniversário do Mendonça, que não está bem saúde. Sempre torcendo por você, meu craque!

O Globo – 23/05/17

 

De Olho na Liberta

Começamos o Brasileirão com o pé esquerdo. O placar não foi o mais grave. O problema foi a ausência em campo. O time assistiu acanhado ao Grêmio dominar. Não conseguiu trocar além de dois passes em 90% das poucas iniciativas. Chutou pouquíssimo a gol e tentou, sem sucesso, afrontar a estatística: sob o intenso bombardeio, era natural que uma daquelas bolas entrasse. Entraram duas, uma delas, irregular. Mas não temos tempo para chorar sobre o chimarrão derramado.

Quinta-feira está chegando e com ela, o Atlético Nacional de Medellín. Como vamos jogar? Na ofensiva, com três atacantes? Ou no contra-ataque, esperando o adversário? Jair Ventura foi duramente criticado por botar o time pra frente contra o Barça genérico. Antes do jogo, porém, muitos torcedores comentaram comigo que aprovavam uma postura tática mais agressiva. Típico caso de “nós ganhamos, você perdeu”.

Repito o que disse semana passada: precisamos de reforços! E não só. Precisamos que Camilo, Aírton e Pimpão voltem a jogar de verdade. Precisamos que Montillo deixe de ser titular absoluto do departamento médico. Precisamos que Bruno Silva acerte a bola no pé do Roger e não no juiz. Precisamos entender que castigar a indisciplina do Sassá com suspensão é castigar a equipe e a torcida.

Mas no momento, só preciso lembrar que hoje Nilton Santos, o wikipédia do futebol, completaria  91 anos. Vamos presenteá-lo na quinta, com uma bela vitória. Estarei no seu estádio, na oeste superior. Aliás, tem uma cadeira com meu nome no setor. Preciso muito achá-la!

O Globo – 16/5/17

Um bom Problema

Os jogadores do Bota tem uma semana pra passear no shopping e se preparar. Depois, é só pedreira. Domingo que vem, Dia das Mães, o time estará em Porto Alegre, estreando no Brasileirão. E na quinta seguinte, 18, tem jogão da Libertadores. Vamos receber o Atlético Nacional. A gente não pode ser tão mal educado como no jogo contra o Barcelona de Guayaquil. Nosso time não soube fazer o papel de anfitrião e deixou os convidados sozinhos no Niltão. Resultado: os caras deitaram, rolaram e, de brinde, levaram a classificação antecipada para a próxima fase.

Agora temos que ficar ligados. Queremos ver o Bota atropelar o time de coração do Pablo Escobar. A partir daí, torcemos para ter um bom problema: acompanhar três competições importantes ao mesmo tempo – Libertadores, Brasileirão e Copa do Brasil. Pra isso, precisamos urgentemente de reforços. A temporada é intensa e longa. E nosso cobertor é curto, muito curto!

Correções na ABL: Na minha coluna de estreia, citei o Carlos Heitor Cony, quando na verdade, o escritor é tricolor. Fui traído por uma googlada ruim. Além disso, foram sentidas muitas ausências na Academia Botafoguense de Letras. Armando Nogueira, Clarice Lispector e Augusto Frederico Schmidt foram os mais citados. Aqui estão eles. Os demais que me perdoem.

O Globo – 9/5/17