I really iguana go

3eu tartaruga

HELIO DE LA PEÑA, a member of the Brazilian comedy group, Casseta e Planeta, visited the Galapagos Islands in Ecuador, swam among stingrays and sea lions, saw the birds that inspired the Theory of Evolution and came to the conclusion that Nature is not for amateurs.

One of the greatest pleasures of travelling is watching your friends’ and family’s chins drop when you return from your trip.  If this is what you’re aiming for, there is no better destination than the Galapagos Islands. The trip can leave you breathless on two occasions: first, when you find yourself fumbling around with your snorkel mask underwater; and second, when you are listing the huge number of endemic species that you saw when you were over there. And you´ll still be able to do some showing off by explaining the meaning of the term “endemic”, a term you use very often in the Galapagos archipelago.

So for the trip we chose the La Pinta, a comfortable, average-sized boat with a 48-passenger capacity. For me, it was a completely new adventure. Spending seven days confined on a boat with 44 complete strangers can be   a risky affair. It was something like a “Big Brother in Galapagos“ experience for me.

The captain calls us together to welcome us aboard. I get the impression of just having walked right into an Agatha Christie novel, in which one of the passengers will be murdered on the high seas. Petrified, I lock myself in my cabin and stop listening to the lecture.

The captain informs us over the loudspeaker that lunch will be served in five minutes. Like a true Brazilian, I immediately get ready to take a thirty-minute shower and get to the buffet starving. Unfortunately for me, though, the majority of the passengers is not Brazilian. They all arrive on time, eat and scrape the last bits of food from the bottom of the buffet plates. When I get there, all there is left is just a little bit of soup and one glass of peach juice. So I learn my lesson and wait for the first tour on one of the islands to see if I can find some cactus to eat.

The Galapagos National Park is a true example of environmental preservation. The entrance fee certainly isn’t cheap at US$100.00 per person. For some strange reason, which is still unknown to me, Brazilians pay half-price. Maybe because they’re afraid we’ll create a knock-off version of the islands? At the entrance, the control is quite strict: no fruit or animals may be brought in. So, if you were thinking of taking Rex to the islands, forget it. You’re better off leaving him tied to a post in Guayaquil or Quito and then picking him up when you return from the trip.

Charles Darwin is a celebrity on the islands.  But, if he were to return today on the HMS Beagle he would be harassed by environmentalists. He collected a bunch of animals, plants and rocks that nowadays would be duly confiscated by the customs officers. Instead, Darwin would have to base his studies on his recollections from the trip. And because of this, most of his work divulged in Europe would probably be considered a big fat lie.

We were accompanied by a specialist on each of the islands where we stopped, and they would explain to us the habits of the endemic species (exclusive to that region), the origin of the species introduced there and the adaptation process which took place in the animals’ family tree up until they obtained their green card.

I was truly impressed by the knowledge demonstrated by my travel companions on the islands. But later on I found out that they really didn’t know all that much…they would stay up until the wee hours reading guidebooks in the ship`s library just to humiliate me the next day with their super-intelligent questions.  At the end of each explanation, the guide would glance at me with that “Hey you, aren´t you going to ask anything, you moron?” look on his face.

Just about everything in the Galapagos archipelago is pretty strange. The geological formation of the islands’ soil is an example. They are all of volcanic origin. Below the archipelago there is magma flowing at high temperatures which erupts in the faults of the tectonic plates, thus forming a new island when the lava cools down.  In other words, one could say that in the Galapagos things are pretty hot!

We arrive at Santa Cruz Island and we’re taken to a tunnel of lava: it’s an impressive cavity which is a passage for the flow of lava after a volcanic eruption. The surface of the flow cools down and hardens as the magma continues to flow through. When the flow stops, the tunnel is “constructed“. The Government of the City of Rio de Janeiro is considering adopting this technology:  it is analyzing the possibility of installing a volcano beneath the city in order to build new subway lines before the 2014 World Cup.

On the third day aboard, I begin to speculate on which of the passengers will be murdered.  It must be that annoying old lady who’s always the last one to get ready for the tours and on the way back she always manages to stray from the group and makes everyone go looking for her on the island all night. And the murderer will be yours truly. I just hope that Hercule Poirot doesn’t find out.

One of the great Galapagos islands attractions is the ocean floor.  The diversity of the species and the crystal clear waters attract the attention of any tourist.  Snorkeling there is a must. After all, you didn’t come here to stay onboard watching BBC documentaries.

But what was meant to be a fun activity quickly becomes a tense competition. There’s always the guy who’s the first to see a stingray, a turtle or a sea-lion. And you haven’t even managed to put on your flippers and the dork is screaming “Shark!” or “Whale!”. And when you get close enough to get a peek he says that the animal strangely “disappeared”.

To really enjoy snorkeling, you must first see one of those strange–looking animals. After having done that, you can relax and contemplate the colourful fish.  Now you have some stories to share on the boat.

The animals on the Galapagos islands have one thing in common: they do not fear human beings.  Like in no other place, you can really get close to them. You can even dive in shark-infested waters. But before diving it’s always a good idea to check what time they usually have lunch or dinner. And the eating habits of these beasts vary from island to island.

You can learn quite a bit about the Theory of Evolution by just walking around the islands. On Isabela Island, for instance, you can see iguanas that swim. And on some occasions you see things so surprising that you even begin to doubt some of Charles Darwin’s concepts. A case which is often mentioned are the Galapagos cormorants, which have lost their ability to fly.  They simply don’t need to because they are not chased by predators. But how can a bird that “unlearned” to fly be considered an example of evolution?

Lonesome George

The Charles Darwin Research Station, located on the Santa Cruz Island, is a must see attraction on the Galapagos Islands. Even though it recently lost its main attraction: Lonesome George, who passed away on June 24 of this year. I was lucky to meet him, but, quite honestly, I was expecting to see a hippopotamus with a shell on its back. It was frustrating. He was no bigger than his buddies. The animal, who had become a celebrity, was a snob and full of himself. He kept his distance from the tourists, didn’t even smile or wink at us. He treated us as if we were mere paparazzi looking for some gossip.

Naturalists are desperate because George, a Galapagos Giant Tortoise, sole survivor of his subspecies, died after a very long dry spell and did not leave any heirs. We don’t know if the female tortoises were playing hard to get or if George was being picky. The fact is that his predicament spread around the archipelago and he was the talk of the town.

You must surely know that the archipelago is inhabited by very peculiar species. A great diversity of animals live in perfect harmony on the Galapagos Islands. I swear I saw a marine iguana breast-feeding a baby crab!! Too bad I didn’t have my camera with me at that precious Kodak moment.

Darwin’s finches are a big attraction on the Galapagos Islands. The naturalist collected various birds on the islands. When he returned to England, he noticed that they were all from the same species; the only difference was their beaks, which had to adapt to the type of food available on each island. Since they didn’t have a fancy car to attract the chicks, I mean, the birds, they had to figure out other ways to attract them. First they build a nest, then they go looking for a female. That way, they can convince them that they have the best of intentions and that they already have a home to offer.

We also discovered that the boobies have a habit which is shocking to us human beings. The female lays two eggs within a short period of time (a few days between each egg). Once they’ve hatched, the two siblings start fighting like any normal brother and sister, and the mother never interferes in these fights. But this is nature’s cruel side. The fight is quite fierce and the objective is to kick the weaker one out of the nest, which is lined with stones, just like a boxing ring. Once expelled, the weaker sibling no longer receives mommy’s food nor her TLC. Now her center of attention is the victor. The loser dies off slowly, before the very eyes of his family, which does nothing to save him. In answer to a question posed by one of the tourists, the mother booby pokes around her nest, finds some of Darwin’s notes  and tosses them in our direction:

“The mentally or physically weak members of a species are eliminated  and the ones which survive are in good health. Undoubtedly, civilized man does everything to slow down this process of elimination; we build asylums for the mentally ill, the mutilated and the sick; we approve laws to help the poor and doctors try to save everyone’s lives. (…). And in this manner the weak members of civilized societies continue passing on their genes”.

My chin dropped when I read that and I just didn’t have any strong arguments to convince the bird that it was wrong to behave that way. Nature is certainly not for amateurs.

Going Home   

The saddest moment of the trip is when we have to disembark and go back to reality. No one was murdered. Not even the annoying old lady. Everyone followed the rules and didn’t bring back any “souvenirs” from the islands, not even a tiny rock – or maybe they hid it very deep in their suitcase and are praying the customs officers won’t check their luggage at the airport. Once they get home and tell friends and family what they saw, everyone will be impressed and full of envy. So the trip’s main objective will have been fulfilled!

english version by Cida Gomide Quintella

Seedorf in Rio


Numa semana de final da Libertadores, de cem anos de Fla-Flu, a maior notícia esportiva para os botafoguenses foi produzida em casa.

Ressurgir no noticiário esportivo trazendo para o país um craque europeu, realizando a maior contratação do futebol brasileiro,  é uma espécie de Viagra pra autoestima da torcida alvinegra. Seedorf. Em General Severiano não se fala de outra coisa. As camisas com o nome do homem se esgotaram na lojinha.

Óbvio que o holandês nascido no Suriname não vai fazer milagre. Também não espramos que ele resolva tudo sozinho. As contratações não podem parar por aí. Alguém tem que aparecer pra receber as bolas que vão ser lançadas. A defesa também precisa de reforço. No mínimo temos que ir a uma loja de material de contrução comprar cimento pra tapar os buracos e montar uma muralha.

Muita gente se pergunta como o Seedorf veio parar no Botafogo. O curioso em toda essa historia foi o papel da Luviana. A esposa brasileira do negão foi apontada como a grande responsável pela vinda do jogador para o Rio. Um amigo meu, que estava na casa do casal quando eles discutiam a proposta, me contou como a coisa rolou:

– Você vai jogar no Botafogo e tá acabado. Assina logo, anda! O Rio tá bombando, além disso nós temos um apartamento no Leblon que tá fechado há um tempão.

– É verdade, querida. Lá eu já tenho onde ficar, nem vou gastar com aluguel… A única despesa que vou ter é com as passagens de avião pra vir à Europa.

– E pra que você vai vir à Europa?

– Ué, pra te visitar, né? Vou morrer de saudades de você, meu amor!

– Tá maluco? Eu também vou me mudar pra lá!

– Sério?!

Com essa Seedorf não contava. Ronaldinho Gaúcho, seu grande amigo dos tempos de Milan, quando falava do Rio, só se referia aos bailes funks, às popozudas e às marias chuteiras que aqui dão mais do que jaboticaba. Mas Seedorf teve que trazer marmita pro banquete. Pra se dar bem fora das quatro linhas, vai ter que driblar a dona encrenca…

Natureza: ame com moderação


Tudo na vida tem limite. Mesmo para ações bem intencionadas, é preciso refrear arroubos. Não estou aqui defendendo o descaso dos que lançam esgoto sem tratamento nos mares e rios, nem aqueles que jogam no mato suas esculturas de garrafas pet recicladas.

Soube do caso de um sujeito que comprou uma fazenda e decidiu fazer dela um paraíso ecológico. Não planta nada em larga escala, nem cria gado para preservar o santuário. Até aí, tudo bem. Só que seus cuidados não param aí. Trata-se de um milionário que faturou alto no mercado financeiro, um cara que realmente sabe se auto-sustentar. Dinheiro pra ele não é problema. Um dia, cansou da vida urbana, jogou seus ternos numa lixeira de coleta seletiva e passou a se dedicar ao sonho que pode ser conhecido como “Minha Natureza é mais bonita que a sua”.

Logo na entrada de sua propriedade, uma quantidade incrível de sabiás-laranjeiras e canários-da-terra ciscam pela distraídos e relaxados pelo caminho. Um camponês explica que diariamente a estrada é forrada por quilos de alpiste, daí a área ter se tornado o point daquelas aves.

Mais adiante um belo e grande lago abriga um grande número de irerês, um tipo de marreco que costuma viver às margens de quaquer poça, onde belisca pequenos peixes, mordisca plantas aquáticas e alguns grãos. O curioso é que, apesar de numerosos ali, poucos exemplares são vistos passeando na região, depois da missa de domingo. É que ali a fartura é tanta que os bichinhos nem levantam voo. Ficam aguardando de bico aberto a hora do rango. Alguns andam tão folgados que chegam a reclamar com os funcionários da fazenda quando a boia demora a pintar.

A maior atração da propriedade é o lobo guará. Este animal é geralmente difícil de ser visto. Vive embrenhado em matas e não é chegado a contato com humanos. Mas na fazenda deste camarada ele abre uma exceção. É que o bicho foi acostumado a se alimentar de galinhas, criadas para este fim e que são servidas ao cair da tarde para que os visitantes tenham garantida uma foto do arredio canídeo. Guardadas num galinheiro, as penosas são retiradas por um peão e lançadas em direção ao predador, sem chance de defesa. A fartura é tamanha que algumas testemunhas juram que já viram o lobo dispensar a iguaria. Outros ainda relatam que ouviram o lobo educadamente agradecer a oferta: “Não, obrigado, tô de dieta.” Ou ainda: “Vou sair pra comer uma pizza com a família, fica pra próxima…”.

O povo do interior gosta de levar dois dedos de prosa com os forasteiros e se aproveitam da ingenuidade do pessoal da cidade. Mas um capiau diz que um lobo guará costuma aparecer na birosca do seu Noca pra tomar umas com a rapaziada. Depois de uns gorós, acaba soltando o verbo. Foi numa dessas ocasiões que o lobo, no meio de uma roda de pinguços, falou:

– Rapaz, o rango naquela fazenda até que é bom, as galinhas são de primeira, a carne é macia e elas são fáceis de pegar porque estão fora de forma. Mas sinceramente eu não curto muito isso, não. Nem deixo meus garotos irem lá. Os moleques crescem mal acostumados, todos mauricinhos, sem vontade de correr atrás do prejuízo. E se o cara falir, como é que a gente fica? Eu tô fora. Quer saber? Gostava mais daquela área antigamente, quando não tinha ninguém…

Por essas e outras que sempre desconfio quando a mãe Natureza aparece preocupada no horizonte, oferecendo um casaquinho para seus filhos…

À procura da tuitada perfeita


– E aí, vamos ver o D2 lá no Circo Voador?

– Pô, não vai dar. Meu celular tá quebrado.

– Ah, e tua mãe não deixa você sair sem telefone…

– Não é isso. É que sem celular, não tenho como tuitar do show. Aí nem vale ir.

– Por quê?

– Se ninguém souber que eu fui, o que eu vou fazer lá?

– E quem precisa saber onde você está? Por acaso tá na condicional?

– Meus seguidores. Eles ficam ansiosos.

– Eles ou você?

– Os dois.

– Dois?

– É, meus dois seguidores.

– Dois seguidores? E quem são, tua mãe e quem mais?

– Um anônimo. Ele me segue e eu sigo ele.

– E quantos seguidores ele tem?

– Só um. Eu. Tô desconfiado de que é um famoso com perfil fake. Só tem um seguidor pra manter a privacidade.

– Mas pra manter a privacidade não seria melhor não ter twitter?

– Ou ter um perfil fake…

– E vai seguir só você por quê?

– Sei lá, esses famosos são cheios de manias estranhas.

– Peraí, tu vai perder o show do D2 no Circo porque não pode tuitar pra um seguidor? Vamos fazer o seguinte. Quando quiser tuitar, eu te empresto o meu celular.

– Fechado.

Chegando ao Circo.

– Me empresta teu celular?

– Toma.

Puxa rapidamente o aparelho da mão do amigo e digita, como um recém saído de uma crise de abstinência: “Chegando no circo. Mó muvuca! kkkkk”

– Cabô de tuitar? Então me devolve.

– Vamo fazer diferente: eu fico com teu celular, quando você precisar falar, te empresto.

– Porra, vê se não detona toda a bateria!

– Não tem bateria extra? Que vacilo…

O show começa. O tuiteiro baixa a cabeça e começa a teclar.

– Ei, você tá perdendo o show.

– Por isso que tô tuitando, ó: “Ainda não sei o que tô achando do show”.

– Mas seu seguidor precisa saber que você não sabe o que acha? Quer saber? Vou ali comprar uma cerveja. Tá a fim?

– E como eu seguro a lata? Não tenho três mãos, não!

O dono do celular toma a cerveja e volta.

– E aí?

– Hã?

– Vai ficar nessa a noite toda? Tá cheio de mina na área. Larga esse troço, vamo dar um rolé.

– E perder o show?

– Me dá o meu celular, deixa eu ver o que você tanto escreve aí… Ué, tu tá metendo o pau no show do D2?

– É o papo.

– Como “é o papo”? Vai dizer que não tá curtindo?

– Tô. Mas sabe como é twitter.  Se eu não falar mal, o cara me dá unfollow…

Suburbio carioca: lições de geografia


Muita gente pensa que eu sou do bairro da Penha. Nada disso, nasci na Vila da Penha. É perto, mas não é a mesma coisa. Vila da Penha não tem nada a ver com Penha. Nem são tão vizinhas assim: entre uma e outra, ainda tem a Penha Circular , que era aonde os bondes antigamente faziam a volta, um pouco distante do centro nervoso da metrópole, o Largo da Penha, onde fica a subida para a Igreja da Penha, o Corcovado da Leopoldina.

Os bairros no Rio têm fronteiras mais definidas do que muitos países. Por exemplo, o Romário sempre disse que morava na Vila da Penha, mas não era bem assim. Ele era da estrada do Quitungo, muito além do Largo do Bicão, portanto, morador de Brás de Pina. Desculpe ter revelado seu segredo, Peixe! Eu sei que você queria tirar onda de bacana, aí espalhava que era de um bairro muito mais classudo, com um IDH (índice de desenvolvimento humano) equivalente a um bairro da zona sul. Aliás, quem seria esse Bicão, um famoso penetra da área? Mais um mistério dos subúrbios cariocas.

Um confusão geográfica pode gerar sérios conflitos. A região da Tijuca é um exemplo. Até onde o morador pode se considerar um autêntico tijucano? Se o cara mora na praça Saens Peña, não tem dúvida: é tijucano da gema. Mas e o largo da Segunda-Feira, ainda é Tijuca ou já é Rio Comprido? O pessoal do Andaraí também dá uma de Romário: ou espalha que é da Tijuca ou não come ninguém. Assim como os habitantes do bairro da Muda, da Usina e até do Grajaú, um bairro com tantos milicos que é considerado a Urca da ZN.

Alguns bairros se dividem em vários com o passar dos tempos, fenômeno semelhante ao da antiga Iugoslávia, que deu lugar a Eslovênia, Sérvia, Croácia, Bósnia e Herzegovina, Macedônia, Montenegro, Kosovo e algum outro país que surgiu depois que escrevi este texto. Com o advento da Linha Amarela o bairro do Méier passou a ter vista para o mar – em menos de quinze minutos você está na Barra – isso se não tiver trânsito na via e você estiver pegando carona com o Thor Batista.

O Méier se emancipou do Lins, do Engenho de Dentro, de Cachambi, de Todos os Santos e hoje faz parte da região litorânea carioca. Os imóveis valorizaram cerca de 300%. Em compensação a maresia agora estraga a prataria das donas de casa e ninguém quer comprar um carro usado oriundo deste bairro – sabe que vai estar comido pela ferrugem. Nem tudo são flores na vida de um bairro emergente…

Só faltam 37!


A tarde de domingo começou desanimada. Liguei a tevê atrasado e o placar já registrava 1 x 0 para os Bambis. O pessimismo se abateu sobre uma torcida que viveu péssimos momentos nos últimos dias. A apatia do time apontava para mais um pesadelo.

Mas a coisa não ficou nisso. No segundo tempo a equipe reagiu. Herrera injetou adrenalina na partida, empatando logo de cara. Luís Fabiano em seguida repôs os caras na frente, mas a tarde era nossa. Ou melhor, era do Herrera, que meteu mais dois – um de pênalti e outro depois de uma tremenda bobeira da defesa deles. Entre um e outro o garoto Vitor Junior mostrou que é responsa: mesmo novato no elenco, pediu pra bater a falta e não se intimidou. Resultado: 4 a 2 pra nós.

Matamos um Leão. Está tudo resolvido? Claro que não. Mas não podemos desprezar um bom começo. O estádio estava vazio e muita gente em casa se arrependeu de não estar lá. Eu fui um deles. Sabemos o que significa assumir a liderança na primeira rodada: nada. Mas perder é pior. Bem pior.

Pra quem passou 22 jogos sem perder e em três partidas viu o primeiro semestre escorrer pelo ralo, resta a esperança de que nosso time jogue bem o campeonato inteiro. E não apenas as primeiras 37 rodadas.

E ninguém cala…

O silicone


O casal se preparava para ir dormir. Otávio ajeitava a garrafa d’água na mesinha de cabeceira quando comentou:

– A Rosana botou silicone nos peitos?

– Por que você ta perguntando?

– Dá pra notar. Mas não queria dar furo. Vai que eles tão só inchados.

– Botou, sim.

O casal voltou a ficar em silêncio. Otávio pegou um livro e fingiu estar lendo. Não conseguia se concentrar.

– Você se incomodaria se eu pegasse no peito dela?

– O quê? Será que eu ouvi direito?

– Vou repetir: posso pegar nos peitos da Rosana?

– Que ideia mais idiota!

– Idiota nada, eu queria saber como é. Só uma apalpadinha, sem compromisso.

– Me dê um motivo pra eu permitir uma sem-vergonhice dessas.

– Muito simples. Uma vez eu sugeri e você disse que nunca botaria silicone nos peitos. Eu concordei. Mas pô, eu tenho essa curiosidade. Como é que faço?

– Ah, Otávio, que besteira! Vai no google e pesquisa. Tem tudo lá.

– O google não é de carne, nem em 3D.

– Silicone também não é de carne.

– Marcela, gente tá casado há vinte anos e eu não quero ter que me divorciar só pra poder pegar num peito com silicone. Ao mesmo tempo não acho justo passar toda minha existência sem meter a mão num peitinho turbinado.

– Peitinho turbinado? E ainda quer me convencer que é mera curiosidade científica…Isso é tara! Você é um tarado, Otávio.

– Você é que é paranóica, Marcela.

– Ah, é? E se eu quiser saber se o Paulão tem pau grande? Posso dar uma apalpada?

– É completamente diferente! Nada a ver! O Paulão não pôs enchimento no pau.

– Como você sabe? Já apalpou?

– Engraçadinha. Tô falando que ali é tudo dele. E eu tô querendo sentir como fica um seio feminino recheado com matéria artificial

– Não me venha falar de “seio feminino” só pra fingir isenção. Eu sei muito bem qual a sua intenção, é dar uma mamadinha.

– Mas aí depende de ela deixar, e não você.

– Se ela deixasse, mesmo sem o meu consentimento você…

– Hum hum…

– Então só precisa de autorização minha pra apalpar?

– São só hipóteses, Marcela. Não precisa ficar assim.

– Tudo bem. Boa noite.

Marcela virou-se de costas e puxou a coberta.

– Boa noite.

Otávio apagou a luminária e se ajeitou, enquanto Marcela perguntava:

– Ah, e qual o telefone do Paulão?