MACACO É A P%*# QUE O PARIU!

Na quarta-feira, 13/2, um jogador negro brasileiro foi alvo de provocações racistas por uma torcida adversária. Não foi a primeira vez e infelizmente não será a última. O curioso é que as ofensas partiram de peruanos, também discriminados na Europa e nos Estados Unidos. Deviam ter aprendido a lição. O Jornal das 10, da Globo News, pôs no ar um video com um texto meu sobre o assunto. Também tô fechado com o Tinga! Clique aqui e assista ao video.

600

IMAGINA NA SUÍÇA!

Dias atrás, um diálogo mais ou menos como este foi ouvido numa loja de luxo em Zurique.

– Por favor, você poderia me mostrar aquela bolsa ali da vitrine?

– Minha senhora, não me leve a mal, mas não é pro seu bico. Ela é caríssima, a senhora não vai ter bala pra comprar.

– Peraí, acho que você não tá entendendo. Eu quero comprar aquela bolsa ali.

– Eu também adoraria mas ela custa os olhos da cara. É feita de pele de crocodilo. Mas se a senhora faz questão, eu vou lhe dar toque: ali na esquina tem um camelô assim da sua cor que vende um igualzinha a essa, só que muito mais em conta.

– Eu tenho dinheiro, posso comprar essa bolsa.

– Me desculpe, mas a senhora não é suíça, é?

– Não, por quê? Eu sou americana.

– Então é isso, a senhora não sabe a quanto anda o euro.

– Eu não quero nem saber! Me dá logo aquela bolsa, passa esse cartão.

– A senhora já viu a etiqueta? São 35 mil euros! A senhora já fez as contas? Tem ideia de quanto é isso na sua moeda? Economiza esse dinheiro pra comprar uma casa própria, um quarto-e-sala lá no Queens, onde vocês gostam de morar. Já pensou que beleza, a senhora na sua casinha, ouvindo um hip hop bem marrento!

– Olha aqui, minha filha, eu já tenho várias casas. E se eu quiser ouvir hip hop, eu contrato o Jay-Z pra cantar pra mim.

– Quem a senhora acha que é? A Oprah Winfrey?

– Exatamente. Eu sou a Oprah.

– E eu sou a Lady Gaga. Agora me dá licença que eu tô trabalhando. Aliás, a senhora também devia voltar pra casa. Deve ter uma pilha de roupa pra lavar lá na área. A sua patroa sabe que a senhora está saracoteando por aí?

O mal entendido se desfez quando Oprah conseguiu provar que era ela mesmo. Tinha ido visitar parte da sua fortuna que passava férias num banco da Suíça. A dona da loja tentou justificar a atitude da funcionária: “Não foi preconceito e sim uma questão ecológica. Não pega bem para uma mulher como a Oprah ser flagrada por aí com uma bolsa feita de pele de crocodilo em extinção, a imprensa ia cair em cima.”

A desculpa não colou. A Suíça ficou rubra de vergonha e pediu desculpas formais à afro-apresentadora. Oprah acabou passando o que muita gente vive no dia-a-dia tanto aqui como em muitos outros países.

E tem gente que acha que esse negócio de racismo é pobrema só de pobre em país subdesenvolvido…