VOCÊ É PETRALHA OU COXINHA? FAÇA O TESTE CASSETA E DESCUBRA.

quiz-casseta_coxinha-petralha_casseta-1

Fora Dilma? Não vai ter golpe? Impeachment já? Ou daqui a pouco? E o Cunha? E o Temer? E o Aécio? E o… E se nesse Fla x Flu da política, você torcer pelo América?

Com tanta discussão na internet, na tv, no boteco, você precisa saber quem você é.  Se está em dúvida, faça agora o teste Casseta e descubra.

CLIQUE AQUI E FAÇA O TESTE

 

 

 

701
ao todo.

SELANDO A PAZ

pombos

 

Parou, né?

Parou.

Na paz?

Claro.

Essas eleições foram um saco. Muita agressividade.

De ambas as partes.

Pois é. Mas vocês não deviam ter começado.

Nós? Só reagimos às provocações que vocês fizeram.

Reagiram com mentiras e calúnias.

Alto lá! Só divulgamos o que todo mundo sabia, inclusive a sua candidata.

Minha candidata não sabia de nada. Aliás, o seu também. Nem sabia onde fica Minas.

Vamos parar?

Vamos parar. Mudando de assunto. O dólar subiu, né?

Mas já baixou.

Claro, vocês elevaram os juros, o que juravam que nós íamos fazer.

Tá reclamando de quê? Fizemos isso pra agradar aos eleitores do seu candidato.

Não venha agora culpar a gente! Só falta agora acabar com o Bolsa Familia, que vocês disseram que era o nosso plano.

O quê? Defendendo o Bolsa Família?

Claro! Fomos nós quem criamos!

Ah, para com isso!

Tá bom. Parei.

Parei também. Vamos falar de alguma coisa que não dê discussão.

Horário de verão.

A gente ganhou em todos os estados que têm horário de verão. Deve ser coisa da mídia golpista, né?

Não, senão vocês ganhavam em Minas e no Rio também… Aliás, o candidato da mudança vai mudar pra onde? Pro Espírito Santo?

E sua candidata, vai entrar pro Pronatec, pro Senai? Vai fazer um curso profissionalizante pra dirigir o país?

Não fala em dirigir perto do seu candidato, que perdeu a carteira na Lei Seca.

Melhor parar, a gente vai acabar se desentendendo.

Tá bom. Parei.

Também parei.

Paz?

Paz.

Coxinha!

Petralha!

Ela apaga a luz e dorme. O casal continua buscando a paz. Mas por enquanto, sexo, nem pensar!

 

 

385
ao todo.

A DÚVIDA DOS INDECISOS

Antigamente as pessoas seguras e convictas eram as mais procuradas para expor seus pontos de vista. No segundo turno desta eleição, a coisa está diferente. Com tudo tão embolado nas últimas pesquisas, ninguém está nem aí pra quem já decidiu seu voto. A moda agora é ouvir a voz dos indecisos.

Mas eles são muito inseguros, falam baixo, pra dentro. Ninguém sabe o que querem os indecisos, nem eles.

No próximo debate, terão a chance de tirar suas dúvidas. Mas os candidatos discutem seriamente com seus assessores se devem ou não responder às perguntas deste tipo de eleitor. Afinal, um candidato cheio de certeza pode conquistar o voto dos indecisos?

Vejam as 10 perguntas dos indecisos que vazaram e já estão em todos os sites de fofoca:

1-    Açúcar ou adoçante?

2-    Álcool ou gasolina?

3-    Débito ou crédito?

4-    Par ou ímpar?

5-    Clítoris ou clitóris?

6-    No seu governo, quem vai ser atendido primeiro no SUS: as vítimas da seca ou as vítimas da enchente?

7-    O candidato (ou candidata) é a favor do aborto ou da pena de morte para homofóbicos que nascerem sem cérebro?

8-    Candidata Dilma, é verdade que a senhora pretende criar o Ministério dos Indecisos?

9-    Candidato Aécio, se o senhor for eleito, quais os seus planos para acabar com os indecisos do país?

10-Esta pergunta vai pro Aécio. Quer dizer, pra Dilma. Não, pro Aécio mesmo….ou pra Dilma? Vocês podem esperar um pouquinho?

 

E você, já decidiu qual das perguntas acima merece ser respondida ou também está em dúvida?

 

 

 

56
ao todo.

MUDANDO PRA MELHOR

pedra

A prisão dos mensaleiros está mudando o país. Os políticos perceberam que vão ter que mudar seus hábitos. Ou param de roubar ou aprimoram seus métodos. Essa forma primária de atuar não vai mais colar. Negociar por telefone, receber propina em salas cheias de câmeras escondidas, esconder grana na cueca são procedimentos que fazem parte do nosso passado recente e, ao mesmo tempo, remoto.

Mas o legado do mensalão não para por aí. Os políticos encarcerados podem ser responsáveis por uma série de transformações da nossa sociedade.

Os primeiros a sentir as mudanças serão os outros presos. A comida do bandejão pode sofrer uma grande melhora, desde que sejam proibidas mordomias como as quentinhas vindas de restaurantes de luxo. Os novos hóspedes não iam aturar a gororoba e iam mexer seus pauzinhos pra mudar o cardápio.

Se algum corrupto passar mal, nem pensar em clínica particular! O nobre meliante deverá entrar na fila do SUS e aguardar sua vez, quando finalmente será atendido por um médico cubano. Em pouco tempo estarão lutando por melhores hospitais e por profissionais mais capacitados.

Na hora da transferência para outros presídios, nada de camburão exclusivo. Terão que ir para o ponto de ônibus em frente à penitenciária (acompanhados de um guardinha, claro) e pegar um coletivo, depois outro, depois outro, até chegar ao seu destino. Não é pelos vinte centavos! O Pizzaiolo que tá na Itália também deverá pegar um avião comum e sentar na última fileira da classe econômica, aquela em que o assento não recosta.

Se o sujeito está atrás das grades porque embolsou o seu, o meu, o nosso, além de pagar uma etapa, deveria devolver a grana. Portanto, nada de advogados de grife. Defensoria pública neles! Em pouco tempo as faculdades de Direito dariam um salto de qualidade.

E aqueles que apelam para a prisão domiciliar? Se a Suprema Corte considera justa a reivindicação, não há o que discutir. Porém, vamos rever o conceito de domicílio. Não pode ser o palacete nababesco bancado por nós. O excelentíssimo enclausurado terá que chamar de lar um casebre numa favela não pacificada e sem saneamento básico, como faz a grande massa dos seus ex-patrões. Nesse caso, nem uma tevê tela plana, já que o nome do condenado deverá ir direto pro Serasa. Tenho certeza de que iriam batalhar por moradias mais decentes pra todo mundo.

Enfim, o país pode avançar muito, basta saber usar o potencial desses distintos condenados.

 (ilustração: obra do artista plástico Raul Mourão)

36
ao todo.