Tulio Maravilha é 1000!

Pacaembu, São Paulo. 17 de dezembro de 1995. Botafogo e Santos fazem a segunda partida decisiva do Brasileirão. A primeira ganhamos no Maraca por 2 x 1. Na segunda tivemos drama, polêmica, stress, adrenalina e euforia.  Aos 24 minutos do primeiro tempo, Túlio escreveu seu nome na história do Botafogo. Abriu o placar no empate que nos deu o segundo título nacional. Até hoje os santistas resmungam, vociferam, esperneiam: impedido! impedido! gol irregular! Temos que concordar que um gol que determina um título dessa magnitude não pode ser considerado regular, no sentido de mediano. É fora do comum, excepcional, foge à regra, portanto, irregular. Ilegal? Aí não, o juiz nada marcou. Apontou o centro do gramado quando a bola dormiu no fundo da rede.

Podia ter apontado o aerporto de Congonhas, para onde centenas de torcedores foram, e dali voaram escoltando a taça até se juntar com a multidão que se espremia na pista de pouso do Santos Dumont, ameaçando a segurança da manobra do avião que trazia Túlio e companhia. Corriam o risco de ser atropelados. Pouco importa, morreriam campeões brasileiros.

Túlio é o maior ídolo alvinegro das últimas décadas. Temos no passado uma constelação de craques: Heleno, Garrincha, Nilton Santos, Didi, Paulo Cesar Caju e Jairzinho Furacão, entre tantos. Páginas memoráveis da nossa historia. Mas o troféu do Brasileirão de 95 tem um valor incontestável. E o artilheiro da conquista foi Túlio. Seus 23 gols fundamentais se somam a outros 136, somando 159 com a nossa camisa. E não foram só os gols. Sua alegria, sua descontração, seu jeito moleque cativaram a torcida. Foi responsável pela maior renovação nas arquibancadas, arregimentando uma molecada pra gritar seu nome.

Figura muitas vezes apagada em campo, ressurgia na pequena área, onde impiedosamente empurrava a redonda entre as traves. Não se discute a qualidade de um cara que sabe fazer isso. E no momento sabemos bem como faz falta um jogador assim.

Aos 43 anos, Túlio retorna à casa para uma grande festa. No currículo, 993 gols. Alguns insistem em grifar a expressão “segundo suas contas” ao tratar do assunto. Parafraseando não sei quem, tenho a dizer: se a versão não corresponde as fatos, problema dos fatos. A versão é deliciosa!

Faltam 7 para Túlio comemorar seus 1000 gols. Não quero compará-lo a ninguém. Apenas agradecer por ter feito os mais importantes da sua carreira pela gente. Por isso a gente te recebe, Túlio, e celebra com você os 1000 gols. O Engenhão, te aguarda, artilheiro!

Túliio Maravilha, faz mais 7 pra gente ver!