PLANTÃO DO MADUREIRA #13 | O Neném da Velha, Selfie Mortal e Sentar pode Matar

Uma senhora de 72 anos deu à luz a um bebê. Cogita-se que o pai seja o humorista Reinaldo, do Casseta & Planeta. No Paquistão, um adolescente foi tirar uma selfie com uma arma, trocou os botões e acabou atirando na própria cabeça. E cientistas de Pelotas descobriram que ficar sentado pode matar. Eles só não disseram onde.

Links das notícias originais:
http://bit.ly/filhodoRei
http://bit.ly/selfiearmada
http://bit.ly/sentarmata

Se inscreva no Canal do Madureira ↛ http://bit.ly/SeInscreveMane

Cultura é novela, e novela é cultura

teatro

A situação do Brasil é muito complicada. Temos um governo provisório, pelo menos até o julgamento definitivo do impeachment pelo Senado. A situação das contas públicas é gravíssima. O déficit público é monstruoso. Medidas duras e impopulares terão que ser tomadas antes que as finanças do país entrem em colapso. Para isso precisa o governo de apoio do Congresso Nacional.

O nosso Parlamento, por sua vez, vive um momento de instabilidade. Vários deputados e senadores estão apreensivos sob a ameaça da Justiça na operação Lava Jato.

A meu juízo, o governo errou ao sucumbir à classe artística. Abriu um precedente perigoso quando vai ter que tomar outras medidas que irão desagradar muitos outros segmentos da vida brasileira. A sociedade precisa entender que não se trata de uma política intencional de maldade “neoliberal assassina”, mas as circunstâncias assim a exigem.

Para ser entendido e apoiado pelo conjunto da Nação, o governo precisa estabelecer um canal direto com a sociedade, esclarecendo com simplicidade a natureza e a dimensão dos nossos problemas.

Até o momento prevalece a narrativa (como se diz hoje em dia) petista de “golpe”, quando, na verdade, além do ataque virtual à democracia e ao código penal, o lulopetismo destruiu literalmente a União e maculou seriamente a reputação do Brasil no exterior.

O governo tem que adotar uma política de comunicação pró-ativa e intensiva. Lançar mão do “papo reto”, claro e direto. A batalha pela opinião pública precisa ser ganha.

As medidas amargas de austeridade tem que ser debitadas na conta do PT e do lulopetismo simplesmente porque esta é a verdade.

O único que fez uma manifestação embasada e coerente em defesa do Ministério da Cultura foi o Gabeira, que, por sinal, não é artista.

Ao incorporar o MinC ao Ministério da Educação, o governo Temer deveria ter anunciado também uma política cultural em tempos de crise. Ou seja, apoiar prioritariamente as manifestações culturais que sem o patrocínio do Estado não se sustentam. Museus, bibliotecas públicas, orquestras sinfônicas, obras do patrimônio histórico e artístico, manifestações folclóricas regionais e por aí vai…

Ficam de fora as atividades artísticas com fins comerciais e promocionais, tais como shows, teatro, filmes e afins. Estas ficariam a cargo de patrocínio privado e sem o benefício da renúncia fiscal ou qualquer outro apoio estatal.

A classe artística se mostrou, em sua maioria, agressiva e intolerante. Não apresentou contraditório, não propôs uma negociação ou alternativas. Construíram uma pseudounanimidade na base da intimidação. Os artistas mostraram, através de um corporativismo rasteiro, que se consideram donatários da cultura brasileira. Não são.

Ninguém da categoria teve a coragem de apoiar de público a medida do governo. Só em conversas particulares, aos cochichos. No máximo, algumas manifestações ambíguas.

Na minha modesta opinião, o governo agiu de forma errada numa medida justa.

E tenho dito.

 

394
ao todo.

PLANTÃO DO MADUREIRA, URGENTE! | Vazamento no governo Temer

O Plantão do Madureira informa que houve um vazamento em Foz do Iguaçu. Ele já ocorre há milhares de anos e mostram o fracasso do governo Temer.

Este é o Plantão do Madureira Urgente! A qualquer momento, um vídeo novo no canal. Dê joinha e compartilhe!

Não se esqueça de ativar as notificações pra receber os vídeos do canal!
Inscreva-se no Canal do Madureirahttp://bit.ly/SeInscreveMane

5
ao todo.

OK! VOCÊS VENCERAM! BENEDITA DA SILVA PARA O MINISTÉRIO DA CULTURA.

benedita

“Devido de que” os enormes protestos da classe artística com relação aos meus pontos de vista sobre o MinC (leia aqui), apresento aqui a minha capitulação incondicional.

E, para mostrar que as minhas intenções são sinceras, faço aqui, de público, um apelo ao presidente “uterino”, Michel Temer:

BENEDITA DA SILVA NO MINISTÉRIO DA CULTURA!!!!

Além de ser negra, mulher e favelada, Benedita é casada com um ator e, portanto, conhece em extensão, volume e profundidade todos os problemas da cultura nacional. E se tudo isso for pouco, Benedita já mostrou e comprovou a sua capacidade na gestão do dinheiro público em consonância com as diretrizes propostas por nossa sofrida e perseguida classe artística.

E por último e não menos importante: ao nomear Benedita da Silva para o Ministério da Cultura, o governo estenderia uma mão generosa na direção do PT, representado na figura da Bené. Um gesto de grandeza neste momento de união e reconstrução do Brasil!

E tenho dito.

 

1.3mil
ao todo.

PLANTÃO DO MADUREIRA #12 | Maconha Olímpica, App da Jihad e Seriado da Lava Jato

Está no ar mais um Plantão do Madureira, com Marcelo Madureira, o apresentador mais bonito, simpático e honesto do YouTube. E olha só o que eu trago no plantão de hoje.

O Estado Islâmico criou um app para ensinar o idioma árabe para crianças, isso mesmo!

E no Rio… bom, só podia ser aqui, eles estão vendendo maconha com o selo olímpico. Olha se pode uma coisa dessas. Eles acenderam a tocha olímpica, e o usuário acende a Maconha Olímpica.

E a Lava Jato vai virar uma série de TV. Ela será produzida pela Netflix e tem estreia para 2017.

Links das notícias originais:
http://bit.ly/maconhaolimpica
http://bit.ly/oappdoisis
http://bit.ly/lavajatomadu
Se inscreva no Canal do Madureirahttp://bit.ly/SeInscreveMane

486
ao todo.

MINISTÉRIO DA CULTURA: FARINHA POUCA, MEU PIRÃO PRIMEIRO.

marcelo_madureia_microfone

O Brasil está saindo de uma hecatombe. Em algumas semanas teremos uma ideia do tamanho da devastação promovida pelo lulopetismo em mais de 13 anos no poder. É como se estivéssemos saindo de uma guerra em que fomos derrotados. A conta chegou e a sociedade brasileira que vai ter que, com o seu trabalho e sacrifício, tapar esse enorme buraco. Vai ser muito duro, pessoal…

O Brasil está quebrado.

O mais desolador é saber que os mais sacrificados nessa história são os pobres, aqueles que não têm nenhuma economia, nenhuma poupança, nenhuma “gordura” para queimar. Endividados e desempregados, a saúde pública em frangalhos, sem acesso à Educação e a violência “comendo solta” nas favelas e periferias.

Temos aí o presidente Michel Temer. E Temer é o que temos dentro dos princípios constitucionais e da democracia. Não é o governo dos meus sonhos, mas é um governo apesar dos piccianis, kassabs e que tais. Reclamam que no Ministério não tem mulheres, nem negros ou índios. É fato. Mas também não tem, me parece, demagogia.

É tempo de pacificar o país e dar as mãos para nos ocupar dos grandes problemas nacionais. O resto fica para depois.

Temos que ser generosos, desprendidos e pensar no bem comum.

Neste contexto o que me deixa perplexo é a reação de egoísmo corporativista da classe artística injuriada porque o Ministério da Cultura foi incorporado ao Ministério da Educação.

Nossos artistas não são diferentes do resto dos brasileiros. No fundo e no raso, todos nós sonhamos com uma “boquinha” no Estado. Se for pobre, as migalhas de uma “Bolsa Qualquer Coisa” já estão de bom tamanho. A classe média batalha por um emprego público, que não cobra desempenho nem demite, e os ricos adoram uma Bolsa BNDES, um incentivo fiscal, um financiamento do Banco do Brasil, uma obra superfaturada… qualquer coisa serve. Francamente, desse jeito não se constrói Nação nenhuma.

Nós brasileiros temos que aprender a diferença entre trabalho e emprego. O trabalho gera riqueza e constrói o futuro, o emprego empurra o futuro com a barriga.

Na minha opinião, o Ministério da Cultura se preocupa mais com os artistas (sempre os mesmos) do que com a Cultura. A Cultura de um povo não é propriedade privada da classe artística.

Quanto menos Estado melhor. Menos aparelho de Estado significa mais eficiência e eficácia na aplicação de políticas públicas.

Acredito que as atividades culturais que realmente necessitam de apoio do Estado – vale dizer, do dinheiro público – são aquelas que comprovadamente se mostram incapazes de se autossustentar: as orquestras sinfônicas, os museus, as manifestações folclóricas, o artesanato…

E quem é que no Ministério da Cultura vai dizer qual projeto e quem deve ser beneficiado por dinheiro público? Faz sentido que o Estado subsidie a árvore de Natal do Bradesco ou o Circo de Soleil? Poxa, o Circo Garcia, que eu saiba, percorre o Brasil de norte a sul sem Lei Rouanet.

Depender de governo faz do artista refém dos poderosos de plantão. O que o artista de verdade quer senão a sua liberdade de criação?

Artistas consagrados precisam de dinheiro público? Será que não conseguem viver dos seus admiradores?

A atividade artística é um segmento da Cultura. É muito importante, mas é um segmento. Na medida em que o trabalho artístico é uma profissão, um meio de se ganhar a vida, trata-se também de um negócio. É o Show Business.

Há que se separar o que é show business do que é Cultura, como se separa Pesquisa Básica de Pesquisa Aplicada.

Nossos artistas reclamam que sem a ajuda do Estado não conseguem produzir seus espetáculos. Não se consegue mais viver de bilheteria, temporadas e excursões, como já se viveu antigamente (e sem leis de incentivo). Verdade. Se não se vive de bilheteria é porque algo está muito errado. Por que será que os nossos artistas e produtores culturais não conseguem rever os seus custos de produção? Quanto custa hoje o aluguel de um teatro? Um figurino? Um iluminador? Um contrarregra? Esses valores são reais? (com trocadilho, faz favor).

Será que o talento de nossos artistas é tão grande que, sem o adjutório do governo, apreciá-lo fica fora de alcance do bolso do povo?

Devemos referenciar os nossos custos e cachês com a realidade do país. Temos também que aumentar a eficiência e a produtividade da mão de obra em nossas produções culturais.

Ninguém faz arte por caridade, muito pelo contrário. E isso eu entendo e justifico. Mas os valores têm que se adequar à nossa realidade. Ou então que se vá tentar a sorte em Hollywood.

Se a produção é cara, o ingresso é caro e o teatro e o cinema ficam vazios. Viram igreja evangélica. E, querendo ou não, religião também é cultura.

Outra coisa que tem que acabar é esse negócio de meia-entrada, coisa que só beneficia os picaretas e a indústria de carteirinhas de estudante e de idoso.

Nossa classe artística tem que entender que o dinheiro das leis de incentivo vem da renúncia fiscal do governo, vem do bolso do cidadão que, além de Cultura, também precisa de saneamento, educação, saúde, transporte, emprego, segurança… Não dá para comprar tudo, “crianças”, e além do mais o Tesouro está falido. Está falido e quem “quebrou” o país foi o PT, Lula e sua quadrilha e seus comparsas. Procurem saber com o juiz Sérgio Moro em Curitiba.

Sinto muito, pessoal, mas desta vez não vai dar para ver o Luiz Carlos Barreto, vulgo “Barretão” (parece apodo de bandido), na cerimônia de posse já pendurado no saco do ministro da vez. Afinal, parafraseando o bardo: uma verba é uma verba, é uma verba.

A arte é prioridade. O artista, pelo menos no momento, não é uma prioridade. Tem que ter, além da cultura, hospital, educação, segurança. E o dinheiro, infelizmente, não dá para tudo; tem que ter prioridades.

Estou iniciando um novo negócio com as minhas economias e o dinheiro de investidores privados que confiam no meu trabalho. Estou fundando uma produtora de conteúdo para internet. Para isso conto com a minha equipe de colaboradores. Estamos todos no risco e com muita vontade de trabalhar e sermos todos bem-sucedidos. Só dependemos de nós mesmos e isso é muito bom!

Não devemos favores a ninguém e queremos ganhar dinheiro, muito dinheiro, divertindo e informando o público. Não tem nada de feio em ganhar dinheiro honestamente.

Jack Warner, fundador da Warner Brothers, disse para sua mãe: “Vou ficar rico! Inventei um negócio que as pessoas pagam antes de ver e depois saem felizes!”.

O artista tem que ir aonde o povo está. Há mais de um ano, Hubert e eu publicamos o Agamenon religiosamente, toda quinta-feira, no site O Antagonista. Por esse trabalho, até hoje não ganhamos um tostão. Se isso não se chama compromisso com a arte, então me digam o que é.

Neste momento histórico, todos temos que ser generosos e confiar na nossa capacidade de trabalho. Só assim, no futuro, vamos nos orgulhar do que fizemos nestes tempos tão difíceis.

E tenho dito.

11.1mil
ao todo.

PLANTÃO DO MADUREIRA, URGENTE! | Será que Collor vem aí?

Waldir Maranhão acatou o pedido da Advocacia Geral da União anulando a votação do impeachment da quase ex-presidanta Dilma. Com isso, Collor de Mello entrou com pedidos pra mudar algumas coisinhas, também.

Este é o Plantão do Madureira Urgente! A qualquer momento, um vídeo novo no canal. Dê joinha e compartilhe!

Não se esqueça de ativar as notificações pra receber os vídeos do canal!
Inscreva-se no Canal do Madureirahttp://bit.ly/SeInscreveMane

96
ao todo.