Vá entender as mulheres

Entre constrangido e envergonhado, adquiri um exemplar do campeão de vendas das livrarias Cinquenta Tons de Cinza, obra da senhora E.L. James. Afinal, precisava saber por que e, principalmente, como esse livro faz com que as mulheres subam pelas paredes feito lagartixas profissionais. Chegando em casa, já tomado de sofreguidão e com o coração aos pulos, tranquei-me no escritório.

Apalpei e cheirei o volume para verificar se havia alguma tisana ou alguma poção mágica embebendo as páginas e que fazem as fêmeas, num frêmito de volúpia sensual, devorar capítulos atrás de capítulos, até que, então saciadas, larguem lânguidas o exemplar num canto da alcova. Constatado que, pelo menos o meu exemplar, de diferente não tinha nada, dediquei-me à leitura de tal ingresia.

Anastasia (nada a ver com o governador de Minas) Steele é estudante e comerciária, tem um iPod e um Fusca. Christian Grey (grey, cinza na grafia britânica e gray, na americana, essa é a “sacada inteligente”, pessoal) é lindo, bilionário, tem um Audi cupê, curte ópera de Delibes, pilota um helicóptero EC 135 Eurocopter nas horas vagas e serve um finíssimo branco Pouilly-Fumé.

Capítulo 7 e nada de sacanagem. Eles estabelecem uma relação submissa-dominador por meio de um contrato detalhado. O tal contrato lista tudo o que a gente pede para as mulheres fazerem e elas recusam, indignadas. Parece que esse cara é meio boiola. Ufa! Finalmente no capítulo 8 começa o vuco-vuco e a moça (ex-moça) perde a virgindade na página 107. Mas o Grey faz questão de usar camisinha (ficaria melhor traduzido por condom). Tudo é muito politicamente correto. A submissa e o dominador estabelecem então uma relação sadomasoquista.  Bidu! É impressionante como ele gosta de espancar o derrière da moça.

Qualquer psicanalista de porta de inconsciente interpretaria isso de primeira. O mais engraçado é que eles se comunicam por e-mail. Não devem ser muito familiarizados com as alternativas da internet. O estranho é que o Mr. Grey usa o seu endereço corporativo nas missivas, que vacilo. Sinceramente (e vejam como sou intelectual), gostei mais de O Amante de Lady Chatterley, do D.H. Lawrence. Vá entender as mulheres! Queria ver se o Mr. Christian se chamasse Agenor e fosse caixa de banco. Duvido que a Anastasia (nada a ver com o governador de Minas) iria dar todo esse mole pra ele.

Texto originalmente publicado na revista VEJA, edição 2288, 2012.

18 Comentários

  1. Hugo Saraiva   •  

    É fácil de entender porque as mulheres gostam:
    O cara é “o ricaço” e trata as outras como lixo, mas a trata como uma princesa, faz tudo o que ela quer e ainda desiste das sacanagens que ele gosta.
    Mulheres gostam de dominação, desde que o dominado seja o homem!

    • Julio   •  

      Em complemento “Mulheres gostam de dominação, desde que o dominado seja o homem… E rico! Muuuito rico!!!

  2. Pingback: O fascínio de Mr. Gray e seus Cinqüenta Tons de Cinza | Fast Fashion Blogs

  3. Rick   •  

    Eu acho q esse livro faz bem pro intestino…a cada tres capitulos as mulheres vão ao banheiro….hahahahaha

  4. Angel   •  

    O Hugo Saraiva disse tudo agora rs…

  5. Fernando Gomes Schettini   •  

    Uma vez um livro “Sabrina” da minha mãe… Só não tinha o nome de “Cinquenta Tons de Cinza’…

  6. Amanda   •  

    Christian Grey, é simplesmente perfeito. É por isso que nós mulheres estamos loucamente apaixonadas por ele, pq ele é um livro. Pois na vida real não existem homens perfeitos, então… quando vocês homens aprenderem a serem perfeitos talvez, veja bem, talvez, vocês não percam para um personagem literário. “fica a dica”

    • Matheus   •  

      Primeiramente não existe ninguém ou algo perfeito á todos os olhos humanos, o que é perfeito para você não será para o próximo, segundo antes de dar sua opinião para os homens siga ela primeiramente. Então não tire conclusões precipitadas dizendo, e referindo isso á todos os ”homens” que você acha que conhece. Nós só nos dedicaremos á mulher que mereça realmente nosso sentimento. E ”fica a dica” é o caralho

      • Karlla   •  

        kkkkkk!!! Boa!!!

    • Luiz   •  

      Até podem existir homens quase perfeitos (na sua concepção). O problema é que para conquistar um homem deste “calibre”, você teria ser, no mínimo, bonita e inteligente. Fica a dica.

  7. Alana   •  

    É o ápice da histeria! Gostam mesmo porque o cara não existe. É assim que nos relacionamos: com a versão que criamos da realidade. Fazer o que, né?

  8. Henrique   •  

    Tire o “ricaço” do personagem e o q fica é um depravado possessivo.
    Essa seria a opinião das mulheres se o personagem não tivesse dinheiro.
    Simples assim.

  9. Adriana Alves   •  

    Sinceramente nem ia ler esse post mas, por um infeliz motivo li. Sim, O Fabuloso, rico e muitooooooooo gostoso Christian Grey pode não existir para muitos. Acreditem ou não, esse livro trata de confiança, amor, reconsiderações, traumas….. Poderia ficar até amanhã fazendo análises que vão além de sexo, castigo, e sacanagem. ( que também existem. No livro e na vida real. Cada um com sua dose saudável ou não)
    Bem, vai entender as mulheres? Jamais… Com esse pensamento jamais.
    Quanto ao dinheiro, realmente é muito exagerado mas, conheço muita gente que se apaixonou por gente com beeeeeeeeeem menos e superou traumas juntos. ( Ah, e fez sacanagem também).
    Não se iludam… e não tentem entender as mulheres, Uma vez que vocês decidiram que somos indecifráveis, seremos. Aguentem a consequência daquilo que vocês mesmos buscaram.

  10. Fernanda   •  

    Obrigada pela dica, vou ler “O Amante de Lady Chatterley”

  11. Talvez como filme de sessão da tarde, quando não tiver absolutamente nada para fazer, mas como livro não perco meu tempo. Existem várias outras sugestões como Madame Bovary por exemplo.

  12. Pingback: Aparências e nada mais • Behavior Blog

Deixe uma resposta para Luiz Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *