O MELHOR AMIGO DO HOMEM

etcwdpxlmufsoz38cx7jpuxys

Esse artigo é para o Pitoco, para a Teteca, para o Rocky, para o Pablo, para o Jack, para o Juca, para o Jagua, para o Tintim, para o Argus, para o Billy e todos os cachorrinhos que conheci na minha vida.

Diziam os antigos que a única circunstância em que um homem pode chorar é quando morre o seu cachorro.  Gosto de animais e de cachorros em particular. O amor de um cão é incondicional e a relação que ele, o cachorro, tem com quem ele identifica como o seu “dono” é comovente. Ontem mesmo li um ensaio do George Orwell escrito em 1931 chamado “A Hanging” (Um Enforcamento) em que Orwell  relata que assistiu ao enforcamento  de um condenado. No caminho para o cadafalso, o cortejo de policiais e autoridades foi interrompido por um cachorro. Um cachorro que, não se sabe como, conseguiu penetrar na prisão e, desesperado, se atira na direção do seu dono, o condenado, lambendo o seu rosto sofregamente. Foi um custo afastar o animal e prosseguir em direção à forca. Assim que o carrasco cumpriu a sentença, o cãozinho, que de longe observava a cena, ganiu e se afastou entristecido com o rabo entre as pernas. Quem tem ou já  teve um cachorro sabe ler nos olhos do bichinho o que ele quer “dizer” para você. E quantos cachorros já tive, quantos amigos que se foram e até hoje enchem meu coração de lembranças e saudades.

O Hospital John Hopkins foi fundado no final do século 19 e, desde então, transformou-se num dos maiores centros de pesquisa médica do mundo. Não dá para medir a contribuição que o Hospital e, pouco depois, a John Hopkins University deram, e continuam dando, para a humanidade.  Um dos seus mais antigos pesquisadores foi o cirurgião William Stewart Halsted, um dos criadores da moderna cirurgia. Pesquisador incansável, Halted era obcecado por evitar o sofrimento de seus pacientes e, por isso mesmo, acabou dependente de cocaína, que resolveu experimentar em si mesmo como anestésico. Halsted também foi pioneiro em técnicas de cirurgia de abdome e coração, terreno que até então ninguém ousara pisar. Não se pode imaginar quantas vidas os resultados dos experimentos de Halsted ainda salvam por aí.

William Halsted utilizava cãezinhos para testar as novas técnicas cirúrgicas . Era isso ou nada. Mas sempre tratou as suas cobaias com carinho e respeito. Sempre procurava evitar o sofrimento do bichinho, mas mesmo assim realizava as suas pesquisas.

Halsted amava os animais e achava que contribuir para melhorar a  saúde do Homem é o supremo sacríficio que só um melhor amigo pode fazer.

E tenho dito.

298
ao todo.

13 Comentários

  1. Rita   •  

    Então você é a favor das cobaias com os cachorrinhos? Muito legal colocar citações, mas quero saber sua opinião.

  2. Ralph Neves   •  

    Há uma frase atribuída ao poeta Fernando Pessoa que diz: “Sou pelo combate, sempre em toda parte, dos três inimigos: a ignorância, o fanatismo e a tirania”. Acredito que seu texto, Marcelo, como sempre ótimo, retrata nas entrelinhas a ignorância e o fanatismo. Ignorante é quem ignora, mas tem gente que sabe e mesmo assim não acredita, a esse eu dou o nome de fanático, o que é pior. Sou sempre a favor do “bem comum”, se for bom para o ser humano, para o todo, precisamos aprender a ser compreensivos.

    Abs,

    Ralph Neves

  3. Carla Levon   •  

    O ser humano é muito egoísta; quer viver mais e melhor, nem que isso signifique matar e maltratar desnecessariamente outros seres vivos. A gente come carne porque a natureza fez assim; não somos herbívoros (apesar que eu detesto carne, e peguei uma anemia ferrada por causa disso); mas, comer carne não tem como evitar – é a cadeia alimentar que a natureza criou; então, procura-se fazer isso da maneira menos dolorosa possível para os outros seres vivos. É um caso diferente também, as situações extremas, onde ou o bicho vive ou eu; (seja esse bicho um leão que eu encontro no meio da floresta e que vem me atacar ou uma pulga que está me picando). Nesses casos, está justificado matar outros bichos (ainda que não precise ser de modo cruel). Mas, com animais conscientes (que é o caso de cachorros, ratos, gatos), que sentem dor, medo, ansiedade, não dá pra ficar cobrindo um santo (o ser humano?) descobrindo outro (os animais).

    A gente destrói a natureza porque precisa viver com mais progresso, mais indústria, a humanidade é muito autocentrada. É apenas um cachorrinho que irá ser sacrificado, dirá vc, e o que importa é o fim a que se destina: remédios e cosméticos para os seres humanos.
    Se a gente pudesse viver em mais harmonia com a natureza, talvez não fossem necessários tantos remédios e tantos cosméticos.
    Vai chegar um dia em que veremos nos animais e na natureza uma extensão de nossas próprias vidas.
    Sou contra o uso de seres vivos conscientes em laboratório; seu uso deveria ser extremamente restrito, burocrático, se possível, apenas com decreto presidencial!!
    Senão vira festa; uma festa macabra.

    a ciência já avançou tanto; com tal nível de tecnologia que não é possível que continuem dizendo que não há outra maneira de pesquisar medicamentos; é porque é mais barato,isso sim; aposto que se fosse de alto custo $ fazer experiências em animais já teriam há muito abandonado essa alternativa.

    • Claudio   •  

      Desculpe Carla, mas voce esta totalmente errada. O ser humano nao precisa de carne para viver, na verdade nosso organismo e desenhado para frutas e vegetais. Veja bem nao sou vegetariano ou vivo de frutas ( A “velha” familia Gracie pode comprovar isso), Adoro um churrasco, carne de porco, peixe, so nao sou muito chegado a aves, mas que meu organismo nao precisa disso e verdade!

      • Carla Levon   •  

        vc é a favor de usarem animais para testes de cosméticos e/ou medicamentos? eu sei que é tentador dizer que ‘o ser humano’ vem em primeiro lugar, que os fins justificam os meios, etc. Eu sei que é difícil estar na defesa dum tratamento mais digno para todos os seres vivos, quando o nosso próprio interesse está em jogo. Mas, na minha opinião, o uso de animais deveria ser MUITO mais restrito do que é hoje (para cosméticos NUNCA!). Deveria se tratar de uma EXCEÇÃO e não de caso generalizado como é hoje no Brasil. Apoio aos ativistas! (apesar de não concordar, infelizmente, da maneira como foi feito; eu sei que eles tem motivo de sobra para se zangar com esse pessoal e tentar libertar os bichinhos, já que a fiscalização não faz nada (e a lei é muito branda e favorável a eles); isto explica, mas não justifica. O problema também é que agora esse pessoal tem como dizer que houve invasão de propriedade, etc. Nessa hora é difícil não agir por emoção, mas, acaba-se dando munição para quem, a meu ver, está errado.

        • Claudio   •  

          Sim. Infelizmente sou a favor! Se nao fosse eu poderia estar morto hoje ( voce tambem). Esse assunto e igual ao do aborto. Voce e a favor? Eu nao sou , mas fazer o que? afinal se fosse permitido tem um monte de mulheres que iriam estar trabalhando ao invez de receber “ajuda” do pai da crianca. Voce usa algo de couro? Tem algum sofa de couro na sua casa? E no seu carro? O sapato? Voce sabe que com certeza voce tem algo em casa ou no guarda roupa que foi fabricado por criancas em regime de “quasi escravidao”? Voce e vegetariana? Voce sabe como e que fazem com gado de corte? e com as vacas leiteiras ( que mal podem se mexer)? Voce sabe como foram desenvolvidos as vacinas e os remnedios que voce tomou e toma? Oh, voce usa homeopatia…. Vamos deixar um pouco de ser hipocritas. Ate agora nao existe nenhuma maneira confiavel de desenvolver remedios. Quanto a parte de cosmeticos : Nao dou palpite; e um problema feminino do qual voce cada vez que poe um creme ou um baton faz parte.

          • Carla Levon   •  

            Então vc acha que alguns anos de vida a mais pra vc ou para mim justificam qualquer coisa, né? quando é que vamos conseguir sair um pouco dessa filosofia do Querô: é cínico viver…. porque afinal, a desculpa é sempre essa: “antes ele do que eu”…. passa por cima, o importante é ficar vivo, não importa a que preço. Os animais? ué………….’é cada um, cada um’, como dizia Querô. Espero sinceramente que a gente possa ultrapassar logo esse estágio, e entender que para olhar para o ser humano a gente não precisa (e nem deve) fechar os olhos para o restante dos seres vivos e a natureza. Um pouco de consideração, é somente isso que os ativistas estão reivindicando. A continuar com a filosofia do “não tem outro jeito” e o conveniente: “está bom do jeito que está, pelo menos para mim”, e o mundo não vai melhorar nunca. Quando falaram pela primeira vez a um escravocrata que os seres humanos não eram “coisas”, os contra-argumentos, na essência, foram os mesmos……
            “vc quer quebrar a economia? vc quer morrer de fome? porque é o que vai acontecer…vamos morrer….se os quer livres, vá vc então, trabalhar na lavoura!”.

            Se todos pressionarmos por melhores condições aos animais de testes, e que estes se restrinjam à menor quantidade possível, todos nós, os beneficiados, nos sentiremos mais ……humanos.

  4. Gilberto   •  

    Vamos parar de produzir soro contra veneno de cobras, já que o veneno é injetado em cavalos? E a pesquisa para recuperar lesões da coluna, fazendo paraplégicos voltarem a andar? Ha coisas que só podem ser feitas usando animais, infelizmente. Quem é contra pesquisas com animais é contra o homem, e é fato. Tem sido comum ver ativistas defendendo que então parem a ciência, mas não usem animais. Claramente uma posição desequilibrada.

  5. Anderson   •  

    O mundo está cheio de humanos que dariam boas cobaias.

  6. Fabiane Al-Alam   •  

    Eu gostaria de saber se alguém perguntou para o cachorro se ele estava mesmo a fim de sacrificar pelo seu dono ou “melhor amigo”?

  7. EVALDO   •  

    Marcelo, concordo com você mas tenho uma dúvida: dizem que hoje em dia é possível fazer as mesmas experiências sem o uso de animais, confere?! Um abraço

Deixe uma resposta