EM TERAPEIA – FREUD É O MELHOR AMIGO DO HOMEM

Sigmund_Freud_LIFE

Alguns me chamam de maluco. Bondade deles. Mas a verdade é que faço psicanálise desde os tempos em que os divãs eram de pedra. Tenho certeza que Freud criou a teoria psicanalítica só por minha causa. Descobri isso depois que fui curado da minha megalomania.

Quando completei quinze anos de idade, em vez de me levar na zona, meu pai me mandou para um divã de psicanalista. Meu primeiro terapeuta morreu dormindo, durante a última sessão. Mas ele teve o cuidado de cobrar antes. Sem recibo, é claro.

Por que os analistas têm tanta obsessão por dinheiro e recibos? Será uma fixação na fase anal retentiva? Por que os terapeutas recalcam tanto a pulsão de dar recibo? Será que ao negar o Leão do Imposto de Renda, querem negar o “nome do pai”, como defendia Lacan?

Fiquei quase trinta anos com a mesma psicanalista. Quando resolvi me dar alta, ela não aceitou de jeito nenhum. Contratou advogado, exigiu pensão e hoje   só posso ficar com o meu Id nos fins de semana e quinze dias nas férias.

Depois de tantos anos sendo psicanalisado,acabo sendo convidado para participar de vários congressos, colóquios, seminários e simpósios psi. No centro de um grande anfiteatro, sou examinado por uma junta de psicanalistas faixas-pretas, nono dan. Sou apresentado como um caso perdido. Nunca me pagam, tampouco dou recibo.

Depois de tantos anos praticando terapia analítica, acabei me casando com uma psicanalista. Ela desistiu da profissão logo depois que me conheceu.

Meu sonho de consumo era ser analisado pelo Jurandir Freire Costa, o Neymar Jr. dos psicanalistas brasileiros,mas quando finalmente consegui uma vaga na sua agenda lotada, ele se transferiu para o Barcelona. Foi um caso clássico de “transferência”.

Quando minha mulher fez quarenta anos, contratei o Jurandir, o “Jura”, para animar a festa. Sem recibo. Foi muito divertido. Teve a Dança do Divã, aquela que, quando a música para, todos tentam deitar no móvel de analisar. Quem não consegue, tem alta e sai do jogo. Em vez da tradicional brincadeira de Pera, Uva ou Maçã,tem o Id, o Ego e o Superego. Brincamos de Psique-Esconde e depois teve um concurso para ver quem desenhava o matema lacaniano mais bonito. A turma se esbaldou e no final cada convidado levou para casa, de brinde, um bloco de recibos.

Tenho um amigo que mora em Londres e faz análise com o Jurandir por Skype! Eu disse por Skype!!!!! Eu não consigo acreditar. Meu analista jamais faria isso. Ele é mais ortodoxo que embalagem de Maisena: só admite a análise presencial, no set psicanalítico. E tem que ser deitado no divã com o terapeuta posicionado de forma a não ser visto pelo analisando. Tudo nos conformes, como o Dr. Freud ensinou. Meu analista me atende usando um short de couro preto bem justo e botas de cano longo. Sem camisa, de torso nu, usa suspensórios e um quepe de oficial nazista. Ele tem piercing nos dois mamilos. Meu psicanalista está sempre com uma espécie de rebenque que utiliza para me espancar. Mas só quando eu me comporto.

Assim como os partidos de esquerda, as sociedades psicanalíticas se multiplicaram e se dividiram mais do que as igrejas evangélicas, que por sinal são mais tolerantes e menos dogmáticas. Mas acredito que sobrevivi à Peste Lacaniana, que ainda assola grande parte da Humanidade. Durante um tempo frequentei um consultório de um analista lacaniano. Ele me convenceu a deitar de bruços no divã, com as calças arriadas. Lacanianamente, ele me explicou que o seu método era a anal-ise. Acabei com um enorme e doloroso problema de coluna, mas, felizmente, consegui me livrar do “sujeito”. Abandonei Lacan, mas, devo confessar, incorporei o “tempo lógico” à minha vida sexual. Aliás, é curioso que o famoso “tempo lógico” das sessões lacanianas é sempre para menos, nunca para mais, dentro dos tradicionais 45 minutos. E sem recibo.

Também tenho um psiquiatra, é claro, ao qual visito mais ou menos a cada 45 dias. Vou vestido de Napoleão Bonaparte que é para não chamar muito a atenção na sala de espera. É um psiquiatra muito bom, funciona em 110 ou 220 volts. O advento da eletricidade ajudou muito a psiquiatria. Se Sigmund Freud é o pai da psicanálise, Thomas Alva Edison é o pai da psiquiatria. Ao contrário da psicanálise, a psiquiatria só tem duas correntes: a contínua e a alternada. Meu psiquiatra já me submeteu a cinco lobotomias plásticas, mas ainda não estou satisfeito. Pretendo economizar para colocar mais 500ml de silicone no meu Ego.

O psiquiatra é uma espécie de encanador ou lanterneiro da alma. É o psiquiatra quem fornece e controla o uso de antidepressivos, mas confesso que não adianta muito se o mundo em que vivemos insiste em não tomar conhecimento de que a minha medicação precisa fazer efeito. O meu psiquiatra também me orienta no uso de calmantes e ansiolíticos “faixas-pretas”, que me dão um ypon quando não consigo dormir. São as artes marciais da farmacologia.

Prometo que, quando morrer, me darei alta. Quer dizer, preciso trabalhar isso com meu psicanalista. Sem recibo.

355
ao todo.

1 Comentário

  1. Edith Sarmento Dutra   •  

    Psicanálise?! Tudo mentira pra tirar seu dinheiro. Bom mesmo, eficaz e eficiente, é um bom centro (dos que fazem reserva em NOSSO LAR) e Novena de Nossa Senhora de Fátima. Só a de Fátima! As outras é tudo balela. O rapaz precisa ter mais fé…

Deixe uma resposta