Brasil, o país dos irresponsáveis

Enquanto o país pega fogo, a classe política mostrou que o recesso serviu para mostrar uma gigantesca articulação contra as investigações da Operação Lava Jato, a começar pela indicação de Edison Lobão para a comissão de Justiça do Senado. Um verdadeiro deboche. O país em crise profunda e os políticos só pensam em salvar a própria pele, o povo brasileiro não merecia isso.

O aneurisma do Cunha

O ex-deputado e atual presidiário, Eduardo Cunha, pediu ao juiz Sérgio Moro para sair da cadeia, alegando ter um aneurisma igual ao que matou a dona Marisa Letícia. No entanto, Cunha se recusou a ser atendido or um médico indicado pela justiça.
Eu acredito em Papai Noel, acredito em Saci Pererê, acredito em Coelhinho da Páscoa, mas acredito que esse aneurisma, assim como as contas na Suíça não eram do Cunha, eram apenas para o seu usufruto.
Se eu fosse o Cunha, iria preferir ficar na cadeia. O Cunha é um arquivo vivo, que pode virar um arquivo morto.
Cunha, vai por mim, fica na cadeia que é mais garantido pra você.

Meritocracia

Bruna Sena, de 17 anos, foi o primeiro lugar no vestibular de medicina da FUVEST. De família humilde, Bruna estudou a vida inteira em escola pública, e dividia seu tempo entre a escola, os estudos em casa e o cursinho popular PET-Medicina, iniciativa dos estudantes de medicina da USP na cidade.

Alexandre Moraes no STF

Papai Noel chegando atrasado. É a crise? Porque lá em Brasília todo mundo ganhou presente.  Eunício Oliveira ganhou  a presidência do Senado, Rodrigo Maia ganhou a presidência da Câmara dos Deputados, Alexandre de Moraes ganhou o STF, Moreira Franco ganhou Ministério… Esse povo deve ter feito muita boa ação durante o ano.

America First

Esta disputa começou no programa de humor holandês, e eu vou explicar para vocês: o presidente Trump disse, em seu discurso que agora “America First”. Então eu tenho uma proposta, se a América é a primeira, o segundo é o….

Politicamente correto

O Carnaval no Brasil começou em 1500, e desde então nós vivemos “carnivalizados”. Seja na saúde, na habitação, na política, segurança, no emprego, na ciência… tudo é carnaval, menos na cultura. A cultura é coisa séria, onde sempre se tem verba na jogada.