A falta que faz uma boa educação

Pelo quarto ano consecutivo, os resultados do IDEB (pesquisa realizada anualmente sobre a performance do ensino) tem sido negativo. Ou seja, pelo quarto ano o nível de ensino brasileiro tem decaído. Além disso, 700 mil estudantes abandonam a escola por ano.

No mundo contemporâneo, estudar é essencial para viver e trabalhar. Eu sempre digo que no Brasil o conhecimento não é um valor. Nós,  brasileiros, temos a mania de encarar os estudos como uma coisa chata. Mas não pode ser assim, temos que transformar em uma coisa agradável. Nada melhor do que estudar e adquirir conhecimento.

Nós só vamos mudar a nossa sociedade quando todo mundo estiver envolvido na educação de seus filhos.

Cadastre-se para receber mais conteúdo exclusivo https://goo.gl/forms/MSNERYt5PeUoO6fI3

Cidão-fanfarrão e as trapalhadas da comandanta

O ministro da ‘Pátria Educadora’ aprontou das suas e acabou demitido pelo presidente da presidente Dilma, Eduardo Cunha. Ela, perdida e desorientada como sempre, não sabe para onde conduzir o Brasil, que se comporta como Titanic. Escolha o panaca da semana nas redes sociais e vote com Joice Hasselmann e Marcelo Madureira. Assista aqui.

23-03 o belo  e a fera

205
ao todo.

ENEM: QUEM DEU PRA PASSAR ?

Wallpaper-de-BurroENEM: QUEM DEU PRA PASSAR ?

Depois do sorteio da Mega-Sena da Virada e do anúncio do novo Ministério da Dilma, acaba de sair o resultado do ENEM. Pelas notas alcançadas no exame, pode-se concluir que as vagas ficaram acumuladas para o ano que vem. Em vista da quantidade recorde de candidatos que tomou pau nas provas, o novo ministro da Inducassão, Cid Gomes, resolveu tomar uma providência: mudou o nome do exame para ENEMA. Aliás, o Cid Gomes não tem culpa nenhuma nessa história. Ele nem queria ser ministro da Educação. Ninguém quer, não dá para roubar nada nesse ministério, no máximo a merenda escolar, uma mixaria.

Se tem uma coisa que não para de crescer no Brasil é a inguinoranssia. A burrice no Brasil é mais uma obra do PAC, mais uma conquista revolucionária dos governos do PT. Obra inconteste da nossa esquerda genial, que quer transformar o Brasil num país mais igualitário: o PT já conseguiu socializar a burrice. Quer dizer, quase, ainda tem uma minoria de 67 mil alunos, da elite branca de olhos azuis, um bando de coxinhas, que insiste em passar no exame. Mais isso vai acabar.

A presidenta Dilma Roskoff vai lançar ainda esta semana mais dois programas de integração social de grande impacto: o “Bolça Inguinorância” e outro, só para empreiteiros, “Meu Primeiro Emprego Errado de Verba Federal  Transitiva Indireta”.

No futuro o Brasil vai se transformar num imenso PRONATEC, aliás o Ministério da Dilma deveria ter feito a prova do ENEM antes de ser nomeado. Não sobrava ninguém. Mas esta é a nossa vocação e o nosso destino: a imbecilidade. Ficou provado na última eleição que o brasileiro é burro. No Brasil só vence na vida quem não estuda. Vejam o caso do Lula: analfabeto de pai e mãe, nem terminou o primário, chegou a presidente e nunca foi preso. Tudo por falta de provas.

Por isso que todo mundo quer fazer concurso para arrumar emprego público: não precisa ler, escrever nem trabalhar. Aliás, no próximo concurso para diretoria da Petrobras, o candidato vai ter que ter cursado pelo menos uma penitenciária, obrigatoriamente. É para melhorar o nível.

Agora vamos ver, meu caro(a) leitor(a), se você passaria no ENEM. Vamos fazer um pequeno teste:

Na oração “Estou morrendo de calor!”, onde está o sujeito ?

Resposta correta: O sujeito está no Rio de Janeiro.

E tenho dito.

129
ao todo.

DE BADERNEIROS, PROFESSORES E ARTISTAS

Fábio Motta/Estadão

Já está ficando chato. Abre-se o jornal pela manhã e o que se vê? Quebra quebra, violência e anarquia nas manifestações dos professores do Rio de Janeiro. Custo a crer que educadores aprovem e promovam este tipo de protesto. Mas vamos aos fatos. Por que a imprensa, em vez de enfatizar a baderna, não explica direitinho para o cidadão quais são as reivindicações dos professores e a proposta do governo? Onde estão as diferenças? O que pode ser negociado? A Opinião Pública esclarecida e bem informada pode muito bem arbitrar estas questões e pressionar para se chegar a um consenso.

Na questão dos professores do Rio de Janeiro, existe um ponto que discordo dos mestres protestantes. É aquela que se refere a avaliação de desempenho dos profissionais do ensino. Parece que os professores não aceitam ser avaliados. Ora, em qualquer profissão do mundo o indivíduo é cobrado e avaliado por seu desempenho. Se o profissional for bom, deve ser promovido e premiado, se não for, deve ser submetido a um treinamento e, caso o treinamento não funcione, pode ser demitido. É assim que funciona até no armarinho da esquina. Isso se chama meritocracia.

Mas aí vem esses “bleque bloques”, “índia mija” e sei lá mais o que,  quebrando tudo e afastando a sociedade da real discussão da matéria. Ao fim e ao cabo nada se resolve, a greve continua e as nossas crianças cada dia mais ignorantes. Quem sabe assim possam, um dia, tornar-se presidentes da república?

A alguém interessa a ação nefasta desta bandidagem de passeata, mas com certeza não interessa ao mundo civilizado. O pior de tudo é que vemos intelectuais de segundo caderno e mesmo artistas importantes, como Caetano Veloso, apoiando e justificando este tipo de ação. Inacreditável.

O nosso problema, artistas populares brasileiros, é que somos ignorantes, e o que é pior: não temos consciência da imensidão de nossa ignorância. Somos arrogantes e nos dedicamos a opinar sobre tudo que é assunto na presunção de que vamos “fazer a cabeça” das pessoas. Bobagem.

Quem sou eu para questionar a obra de um Caetano, de Gilberto Gil, de Roberto Carlos? Mas as opiniões, vamos devagar. Agora me aparece mais um movimento corporativista no Brasil, o Procure Saber. A atual bandeira da agremiação é a proibição, por lei, de obras biográficas sem a autorização do biografado. Chega a ser patético se não fosse trágico e obscurantista. Não seria o caso de proibirmos também  a criação de canções, poesias e mesmo a existência de artistas que não considerássemos, digamos assim, “adequados”?

Se uma biografia é mal feita, mentirosa até mesmo ultrajante, quem mais perde é o próprio autor da obra, que tem na credibilidade o seu mais valioso patrimônio. A mentira tem perna curta.

E por falar em perna curta, Roberto Carlos não me espanta. Com exceção da linda “Debaixo dos Caracóis…”, que compôs para o exílio do Caetano, jamais se comprometeu com nada. Na minha opinião, o “Rei” manca do caráter. Não é de espantar “devido de que” a sua perna de pau, Roberto manca mesmo. Ora, o Brasil inteiro sabe que Roberto, vítima de triste acidente, não tem uma perna. E isso não fez dele menor do que ninguém. Muito pelo contrário,  talvez seja o maior artista popular que o país já conheceu. Mas por causa desta questão da perna mecânica e outras particularidades menores, mandou queimar milhares de livros de sua biografia tal e qual um Goebbels da Jovem Guarda.

Se Roberto Carlos assumisse, de uma vez por todas, este seu segredo de polichinelo, serviria como um exemplo inspirador de como podemos superar adversidades. Mas não, Roberto e o Brasil preferem viver esta ridícula hipocrisia.

Para mudar isso, proponho, desde já, que Roberto Carlos siga o exemplo do cientista  Stephen Hawking  nos jogos de Londres. Roberto, seja o Mestre de Cerimônias da Paraolimpíada do Rio de Janeiro em 2016.

E tenho dito.

312
ao todo.