A derrota do PT

O Lula não conseguiu nem eleger o filho, candidato a vereador, em São Bernardo do Campo.
O PT foi o grande derrotados nas eleições de ontem, e isso mostra qual é a posição dos brasileiros agora. Nada como uma boa eleição para dar uma limpeza no cenário político e mostrar qual é o pensamento da sociedade.
O que se viu foi uma derrotada do PT de norte a sul do país.

Se inscreva no Canal do Madureira ↛ http://bit.ly/SeInscreveMane

4
ao todo.

E agora? O que vai acontecer?

PERFECT-STORM

E agora? O que vai acontecer? Nada. E tudo.

Vamos ver se consigo explicar. Passadas as eleições, o governo reeleito confronta-se com a realidade que o seu discurso negava durante toda a campanha. Na Economia, a “Tempestade Perfeita” está formada, já se pode ver e escutar seus raios e trovões no horizonte. A inflação (a popular “carestia”), já vigorosa, vai ficar ainda mais “vitaminada” pelos reajustes nos preços dos combustíveis e nas tarifas de energia elétrica. As contas públicas, até então maquiadas, mostram a sua verdadeira e horrorosa face. O déficit primário, ou seja, gastos públicos muito superiores à arrecadação, é um fato que, passadas as eleições, é admitido pelo governo.

A desconfiança, que já era grande, aumenta. A incerteza sobre o futuro pressiona o aumento das taxas de juros. Os empreendedores, cautelosos, adiam seus investimentos e cortam custos; com os cortes nos custos vem o desemprego. Com o aumento do número de desempregados, cai o consumo, cai o comércio, e por isso mesmo diminui a arrecadação de impostos e por consequência aumenta o déficit, uma vez que o governo não corta seus custos. É uma bola de neve no meio do verão infernal que se aproxima. É a famosa estagflação: inflação sem crescimento da Economia.

A presidente Dilma Rousseff aprendeu Economia com a Ana Maria Braga, mas também omitiu este pequeno detalhe quando adulterou o seu currículo Lattes. Aliás, o currículo Lattes tem fé pública, portanto a “presidenta” cometeu crime de falsidade ideológica. Mas o que é isso perto do Petrolão, considerado pelo TCU – Tribunal de Contas da União – o maior crime de corrupção da História do Brasil?

Pois é, já ia me esquecendo do Petrolão, cujas investigações, quando reveladas, terão consequências devastadoras (e purgativas, espero) na fauna política brasileira. Este é o quadro singelo do que nos espera e não adianta, agora, chamar os otimistas de plantão. Pedir para “chamar a mamãe” também é inútil, bem como pedir ajuda aos universitários, dada a má qualidade da Educação no Brasil.

O PT e a presidente também devem entender que já não têm a mesma base de apoio popular. Sigam-me o meu raciocínio: dos cerca de 142 milhões de eleitores , 36 milhões não votaram ou votaram branco ou nulo no segundo turno. Somando-se a 51 milhões de votos obtidos por Aécio Neves, verificamos que apenas 38% do eleitorado apoia o governo. Enquanto isso, no Congresso, a base de sustentação parlamentar vai se desmanchando. Quem diria que a candidatura do trêfego deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) à presidência da Câmara dos Deputados seria uma boa alternativa para o Brasil? A que ponto chegamos…

A situação dentro do PT também não é das melhores. Além da permanente luta interna, já começam as defecções. A senadora Marta Suplicy saiu do Ministério da Cultura atirando na presidente, e o ministro Gilberto Carvalho também prepara a sua munição.

E o que vai acontecendo no Brasil quando “já é Natal na Leader Magazine!”? Nada. Rigorosamente nada, Afinal, quem quer participar de um governo que já nasce manco? E para o Ministério da Fazenda, quem vai? Se ainda fosse vivo, poderia ser o querido palhaço Carequinha. É ou não éééééééé, criançaaaaadaaaaa?????!!!!!!! Afinal, todos sabemos, o governo não vai mudar a política econômica. Não vai mudar porque não quer e também não vai mudar porque não pode. Não vai mudar por burrice, teimosia, incompetência e falta de quadros.

Por isso mesmo o governo e o lulopetismo vão levar o foco da questão para o campo político, onde, atrás da moita do populismo e da demagogia, movimentam-se com mais desenvoltura. A crise na Economia certamente vai aumentar as tensões sociais, os conflitos, as greves, o desconforto e a insatisfação geral da população. É aí que entra o populismo e a demagogia, apontando os bodes expiatórios da vez: os banqueiros, os industriais, os empreendedores em geral, a imprensa, a mídia, sempre ela! Também servem os donos de supermercado, os pecuaristas, o agronegócio, o capitalismo internacional, os ricos, os brancos de olhos azuis, os sulistas egoístas e até, por que não?, os judeus. Afinal, eles sempre estão por trás de tudo, não é verdade?

O governo vai jogar pelo confronto, sem medir as suas consequências, dando um cavalo de pau bolivariano na política nacional. Aliás, “o serviço” já começou quando a presidente enviou ao Congresso um projeto de lei modificando a LDO – Lei das Diretrizes Orçamentárias –, abandonando a meta fiscal estabelecida no início do ano. Se aprovada pelo Congresso, esta emenda desmoraliza a Lei de Responsabilidade Fiscal, uma das maiores conquistas do processo de redemocratização do país. Mas podia ser pior, eles poderiam ter mandado a mesma emenda através de medida provisória. Ainda não tiveram a audácia e, por isso mesmo, devemos permanecer vigilantes.

E tenho dito.

353
ao todo.