PAPO FRANCISCANO

O Papa Francisco chega hoje ao Rio de Janeiro.  Não tenho nada contra o Papa, tampouco a favor. Para mim, o Papa é igual ao presidente do Vasco. Como sou torcedor do Flamengo, não cabe ficar me metendo na política interna cruzmaltina. No entanto, reconheço a enorme influência da Igreja Católica em nossa Civilização Judaico Cristã Ocidental. Influência essa nem sempre positiva, basta perguntar para as vítimas da Santa Inquisição, pros índios, pros escravos… Procure saber, procure saber….

Em nome de Cristo, a Igreja prefere ficar ao lado dos poderosos. Aliás,  justiça seja feita, nem sempre, nem todos. Dom Helder Câmara, Dom Paulo Evaristo Arns, Leonardo Boff e outros que, apesar de tantos, sempre foram minoria numa Igreja majoritariamente conservadora,  para não dizer obscurantista. Pergunte a Galileu, Copérnico, Giordano Bruno… Procure saber, procure saber….

No entanto, confesso, simpatizo com a figura franciscana não só pelo fato de ser argentino. Francisco, o único argentino humilde, é tão humilde que acabou virando papa! Pelo simples fato de querer segurar a onda de corrupção moral e financeira que tomou conta no Vaticano, o papa Francisco merece a minha simpatia. A Igreja Católica, principalmente  no Brasil, corre atrás do prejuízo. Literalmente. Nos últimos anos, perdeu milhões de cabeças do seu outrora imenso rebanho para outras religiões, digamos, mais ligadas nas questões contemporâneas.

Não acredito em religiões, de uma maneira geral são uma espécie de muletas da Humanidade. Religião é o muro que separa o Homem do conhecimento. Mas respeito quem tem fé. Mas tem que ser a fé verdadeira e não aquela fé que especula com lotes no paraíso. As pessoas que têm uma fé verdadeira, honesta, são mais felizes e vivem em maior harmonia com o Universo. Por outro lado, percebo que existem religiosos muito mais ateus do que eu. Pelo que fazem certos líderes religiosos em nome de Deus, somente  a certeza absoluta de que não existe uma justiça divina explica tantas barbaridades.

Por fim, como democrata, defendo a liberdade total de culto, assim como a separação total entre o Estado e a religião. A religião é um serviço. Tem gente que recorre ao padre, outros ao rabino, outros ao psiquiatra, ao analista, ao traficante… Aconselhar, confortar, fornecer drogas (legais ou ilegais), tudo isso é prestação de serviço. Portanto, tem que pagar imposto, coisa que as religiões (e traficantes)  não fazem no Brasil. Procure saber, procure saber….