Jázz, Jézz e Paôlo

Recentemente, aconteceu mais uma reunião da AALCRF (Associação dos Amigos e Leitores da Coluna do Reinaldo Figueiredo) e, depois da assembleia geral, alguns dos membros vieram bater um papo comigo. Passamos um tempo naquela inevitável e obrigatória conversa sobre a atual situação do país, falando sobre os nossos governantes que estão, digamos assim, limpando o cu com a merda. Mas logo resolvemos mudar de assunto e passar para temas mais amenos. E aí alguém quis saber por que, no meu programa de jazz na internet, eu pronuncio a palavra jazz com o A aberto e não com o sotaque inglês, que seria algo como “jézz”.

Expliquei que eu prefiro usar essa pronúncia “carioca” porque acho que tem mais a ver. Afinal, o programa fala dos vários tipos de jazz que existem pelo mundo afora, e cada país tem o seu sotaque, tanto na língua quanto na música. Por exemplo, em países de língua espanhola, o pessoal  fala “Jás” ou até “Yás”, com o sotaque lá deles. Sobre esse tipo de coisa, tem até um caso do escritor espanhol Miguel de Unamuno. Uma vez ele estava dando uma conferência sobre Shakespeare e pronunciava o nome do bardo com sotaque espanhol e não em inglês. Aí duas pessoas interromperam o conferencista para dizer que a pronúncia correta não era aquela. A partir daí, só pra sacanear, Unamuno continuou a palestra até o final, mas falando o texto todo num inglês perfeito.

Voltando ao nosso “jázz”, aqui no Brasil essa preferência não é só minha e nem é nova. Esse jeito de falar aparece até numa famosa canção do Djavan, “Sina”, onde ele rima jazz com a palavra mais: “Pai e mãe, ouro de mina / coração, desejo e sina / tudo mais / pura rotina, jazz”. E tem também a ocorrência do “ jázz” naquela composição de Carlos Lyra, “Influência do Jazz”, que rima jazz com “pra frente e pra trás”. E, mesmo mudando de gênero musical, se eu tiver que falar “rock’n roll”, acho que vou acabar pronunciando “roquenrôu”, como todo mundo faz.

Mas o pior é quando a gente quer falar italiano melhor do que os próprios italianos. Todos os italianos que se chamam Paolo, quando chegam no  Brasil, são chamados de Paôlo. Eles não entendem nada, porque lá na Itália não existe esse nome. Eu conheço um italiano que está morando aqui há 15 anos e já desistiu de explicar que o nome dele não é aquele. Não tem jeito: vai ficar sendo, para sempre, Paôlo.

(publicado na Folha de S.Paulo, em agosto de 2017)

O Chapeiro Careca (peça de teatro do absurdo, no estilo Ionesco)

O CHAPEIRO CARECA

 

Personagens: Sr. Messias, Sr. 03, Sr. Donald e o Mordomo Tião.

Cenário: um ambiente brasileiro de classe média, com móveis brasileiros e decoração brasileira. Paredes amarelas, portas verdes e móveis azuis. Numa poltrona está o Sr. Messias, que usa pijama verde com listras amarelas e escreve mensagens no seu celular. Ao seu lado, em outra poltrona, está o Sr. 03, usando terno azul e um boné vermelho, com a inscrição “Faça a Casa Grande de Novo”. Ele também escreve mensagens no seu celular. A peça começa com um longo silêncio. Apenas são ouvidos alguns ruídos produzidos pelos dois aparelhos.

Sr. Messias – Eu sabia! Agora vai todo mundo comemorar a tal chegada do homem na Lua! Tu acredita nisso, 03?

Sr. 03 – The book is on the table!

Sr. Messias – O quê?

Sr. 03 – Nada, não. Eu tô praticando o meu inglês.

Sr. Messias – Essa coisa do homem na Lua foi uma das maiores fake-news de todos os tempos! Foi aí que tudo começou! Depois falaram que tinha ditadura no Brasil. Depois disseram que tinha tortura no Brasil, que tinha racismo no Brasil, fome no Brasil, desmatamento no Brasil. Nada disso existe!

Sr. 03 – E a girafa?

Sr. Messias – Não existe!

Sr. 03 – E o clitóris?

Sr. Messias – Não existe!

Som de interfone. O Mordomo Tião (caracterizado como o comediante Tião Macalé, com roupa de mordomo) atende. Depois, tampa o bocal e sussurra para o Sr. Messias.

Mordomo Tião – É o Sr. Donald.

Sr. Messias – Tião, vai lá dentro, dá uma guaribada na maquiagem e volta para abrir a porta.

O Mordomo Tião sai de cena rapidamente, e volta com a cara pintada de branco. Abre a porta.

Mordomo Tião – Yes, Sir!!!

O Sr. Donald entra na sala. Nesse momento, ouve-se uma versão orquestral do hino dos Estados Unidos da América. O Sr. Messias e o Sr. 03 se levantam e fazem uma saudação com o braço direito esticado para o alto e, com a mão esquerda, coçam os respectivos sacos. O Sr. 03 conduz o Sr. Donald até a mesa de jantar. Enquanto eles se acomodam, o Mordomo Tião traz uma bandeja verde e amarela para a mesa.

Sr. 03 – The hamburger is on the table!

Todos olham ansiosamente para o Sr. Donald, enquanto ele prova um pedaço do alimento.

Sr. Donald – This hamburger is fried…is…frito! Not good! The real hamburger is grilled…is…grelhado! (Aponta para o Sr. 03) You’re fired!

FIM.

* Esta foi a última coluna da série que começou a ser publicada em 5 de abril de 2017, toda quarta-feira no caderno Ilustrada, da Folha de S. Paulo.

 

 

O primeiro homem a chegar lá

Hoje eu queria publicar uma foto de um cidadão praticando a coprofagia, para mostrar que é por causa dessas coisas que o Brasil não vai pra frente. Mas, depois de um momento de reflexão, dei uma fraquejada e recuei. Percebi que me sentiria mais confortável falando de outro assunto, a corrida espacial, por exemplo.

E não podemos falar de corrida espacial sem mencionar o nome de Louis Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua. Graças a esse intrépido norte-americano, a espécie humana viu que poderia ir muito longe. Como ele mesmo disse: “Este é um pequeno passo para um homem, mas um grande passo para a humanidade”. Louis Armstrong foi aonde nenhum ser humano tinha ido e, graças a ele, nossos horizontes se abriram.

Mas, por incrível que pareça, há quem conteste sua conquista. Muita gente diz que aquela imagem de Louis Armstrong na Lua foi uma armação da NASA, que a filmagem foi feita num estúdio, com a utilização de efeitos especiais, e que tudo não passou de uma grande farsa. Segundo essa teoria, Louis Armstrong estaria participando de um complô…

Calma, eu estou brincando. Sei muito bem que quem botou os pés na Lua foi o astronauta Neil Armstrong. Só queria ver se vocês estavam prestando atenção. Louis Armstrong foi um dos maiores músicos do mundo, um pioneiro do jazz, e ele também foi aonde ninguém tinha ido.

Eu só queria botar em prática um dos mais famosos erros de revisão da imprensa mundial. De tempos em tempos, alguém faz essa confusão, e eu também queria fazer. Só para poder homenagear aqui o grande trompetista Neil Armstrong, o cara que, praticamente, inventou o jazz.

(Publicado na Folha de S. Paulo, em 13 de março de 2019)

Atenção, contém spoiler…

Atenção para o spoiler: todo mundo morre no final. A coisa começa com uma imagem projetada na tela de um cinema. Na imagem, cinco bandidos apontam armas uns para os outros enquanto trocam frases ameaçadoras. A câmera vai para fora da sala de projeção. No hall do cinema, o vendedor de pipoca aponta uma pistola automática para um cliente e grita: “Salgada ou doce?”. O cliente está com um rifle AR-15 apontado para a cabeça do vendedor e responde: “Com sal, e muita manteiga!”. Perto dali, fora do cinema, no corredor do shopping, uma senhora aponta um revólver calibre 38 para um segurança de terno preto e pergunta: “Por favor, onde é o toalete feminino?”. O segurança saca uma pistola, encosta a arma no peito da senhora e grita: “É no fim do corredor, à direita, por quê?!”. Neste mesmo corredor, a câmera chega até a porta do escritório de uma agência de publicidade. A câmera entra e vai até uma sala de reunião. Na cabeceira de uma grande mesa está um senhor e em volta estão mais seis pessoas. O senhor aponta uma pistola semiautomática modelo James Bond, com silenciador, para as outras pessoas e pergunta: “E aí? Alguém teve uma ideia genial para essa campanha pelo desarmamento?”. As seis pessoas na mesa sacam armas de vários tamanhos e potências, mas todas muito modernas, e apontam para o senhor na cabeceira da mesa. Uma das pessoas responde gritando: “Estamos desenvolvendo o conceito da narrativa, mas precisamos de mais tempo e uma verba maior, porra!”. A câmera volta para o corredor do shopping e chega no elevador, onde um uma mulher entra, aponta para o ascensorista uma pistola cromada, com cabo de madrepérola. Ela pergunta:”Desce?”. O ascensorista aponta um revólver 38 para ela e responde: “Sobe.” A mulher encosta a pistola na cabeça do ascensorista e grita: “Não! Agora vai descer!”. O elevador desce, a câmera sai do elevador e vai para fora do shopping. Na rua, a câmera passa por um grupo de pessoas em volta de um pastor evangélico. O pastor está com uma das mãos na cabeça de um fiel e com a outra aponta uma pistola para ele. O pastor grita: “Sai, demônio! Sai desse corpo que não te pertence!”. O fiel aponta um revólver para o pastor e grita: “Aleluia!”. Perto dali, uma babá está passeando com um bebê num carrinho. O bebê está apontando para a babá uma dessas pequenas pistolas de bolso, que se ajusta perfeitamente na mãozinha da criança. O bebê grita: “Buááá!”. A babá tira da parte de trás do carrinho uma submetralhadora UZI, aponta para o bebê e fala: “Para de chorar, garoto!”. Ali ao lado, no ponto de ônibus, um motorista, com um cigarro apagado no canto da boca, aponta um 38 para um idoso que está na fila e pergunta: “O senhor tem fogo?”. O idoso tira do bolso uma pistola e responde: “Tenho!”. Neste momento, todos puxam os gatilhos.

* Publicado na Folha Ilustrada, em 19 de abril de 2017.