Jázz, Jézz e Paôlo

Recentemente, aconteceu mais uma reunião da AALCRF (Associação dos Amigos e Leitores da Coluna do Reinaldo Figueiredo) e, depois da assembleia geral, alguns dos membros vieram bater um papo comigo. Passamos um tempo naquela inevitável e obrigatória conversa sobre a atual situação do país, falando sobre os nossos governantes que estão, digamos assim, limpando o cu com a merda. Mas logo resolvemos mudar de assunto e passar para temas mais amenos. E aí alguém quis saber por que, no meu programa de jazz na internet, eu pronuncio a palavra jazz com o A aberto e não com o sotaque inglês, que seria algo como “jézz”.

Expliquei que eu prefiro usar essa pronúncia “carioca” porque acho que tem mais a ver. Afinal, o programa fala dos vários tipos de jazz que existem pelo mundo afora, e cada país tem o seu sotaque, tanto na língua quanto na música. Por exemplo, em países de língua espanhola, o pessoal  fala “Jás” ou até “Yás”, com o sotaque lá deles. Sobre esse tipo de coisa, tem até um caso do escritor espanhol Miguel de Unamuno. Uma vez ele estava dando uma conferência sobre Shakespeare e pronunciava o nome do bardo com sotaque espanhol e não em inglês. Aí duas pessoas interromperam o conferencista para dizer que a pronúncia correta não era aquela. A partir daí, só pra sacanear, Unamuno continuou a palestra até o final, mas falando o texto todo num inglês perfeito.

Voltando ao nosso “jázz”, aqui no Brasil essa preferência não é só minha e nem é nova. Esse jeito de falar aparece até numa famosa canção do Djavan, “Sina”, onde ele rima jazz com a palavra mais: “Pai e mãe, ouro de mina / coração, desejo e sina / tudo mais / pura rotina, jazz”. E tem também a ocorrência do “ jázz” naquela composição de Carlos Lyra, “Influência do Jazz”, que rima jazz com “pra frente e pra trás”. E, mesmo mudando de gênero musical, se eu tiver que falar “rock’n roll”, acho que vou acabar pronunciando “roquenrôu”, como todo mundo faz.

Mas o pior é quando a gente quer falar italiano melhor do que os próprios italianos. Todos os italianos que se chamam Paolo, quando chegam no  Brasil, são chamados de Paôlo. Eles não entendem nada, porque lá na Itália não existe esse nome. Eu conheço um italiano que está morando aqui há 15 anos e já desistiu de explicar que o nome dele não é aquele. Não tem jeito: vai ficar sendo, para sempre, Paôlo.

(publicado na Folha de S.Paulo, em agosto de 2017)

O primeiro homem a chegar lá

Hoje eu queria publicar uma foto de um cidadão praticando a coprofagia, para mostrar que é por causa dessas coisas que o Brasil não vai pra frente. Mas, depois de um momento de reflexão, dei uma fraquejada e recuei. Percebi que me sentiria mais confortável falando de outro assunto, a corrida espacial, por exemplo.

E não podemos falar de corrida espacial sem mencionar o nome de Louis Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua. Graças a esse intrépido norte-americano, a espécie humana viu que poderia ir muito longe. Como ele mesmo disse: “Este é um pequeno passo para um homem, mas um grande passo para a humanidade”. Louis Armstrong foi aonde nenhum ser humano tinha ido e, graças a ele, nossos horizontes se abriram.

Mas, por incrível que pareça, há quem conteste sua conquista. Muita gente diz que aquela imagem de Louis Armstrong na Lua foi uma armação da NASA, que a filmagem foi feita num estúdio, com a utilização de efeitos especiais, e que tudo não passou de uma grande farsa. Segundo essa teoria, Louis Armstrong estaria participando de um complô…

Calma, eu estou brincando. Sei muito bem que quem botou os pés na Lua foi o astronauta Neil Armstrong. Só queria ver se vocês estavam prestando atenção. Louis Armstrong foi um dos maiores músicos do mundo, um pioneiro do jazz, e ele também foi aonde ninguém tinha ido.

Eu só queria botar em prática um dos mais famosos erros de revisão da imprensa mundial. De tempos em tempos, alguém faz essa confusão, e eu também queria fazer. Só para poder homenagear aqui o grande trompetista Neil Armstrong, o cara que, praticamente, inventou o jazz.

(Publicado na Folha de S. Paulo, em 13 de março de 2019)

Carta aberta aos sem noção

Com a recente inauguração do Blue Note Rio, que faz parte de uma importante rede internacional de clubes de jazz, acho que é chegada a hora de publicar esta carta aberta aos caras que falam alto pra caralho durante shows de música ao vivo.

Pensem bem: vocês gastam uma grana num ingresso ou couvert artístico para ficar falando alto durante um show. Enquanto isso, o pessoal que foi lá por causa da música tem que ficar ouvindo um cara contando, em altos brados, como foi estressante o seu exame de próstata.

___

Leia a coluna inteira AQUI.

Para vereador… Reinaldo do Jazz

panfleto_reinaldo do jazz_webVocê me conhece…Há 18 anos trabalho na CEJ (Companhia Estadual de Jazz) fornecendo jazz de rua e jazz de botijão na cidade do Rio de Janeiro e, às vezes, no exterior (São Paulo, Búzios e Montreal, no Canadá). Nesse período, centenas de shows foram realizados, mas faremos muitos mais! E para isso conto com o seu apoio… Participe da nossa campanha comparecendo aos nossos animados pocket-showmícios, toda terça-feira no bar Assis Garrafaria, no Cosme Velho, onde sempre rola o melhor do samba-jazz.

Outras realizações:

Mantenho o blog “Jazz & Humor” com cartuns e quadrinhos jazzísticos, também traduzidos para o linguajar de John Coltrane  e Miles Davis, para os leitores e eleitores internacionais poderem entender as piadas.

Também criei o programa “A Volta ao Jazz em 80 Mundos“, na Rádio Batuta (rádio de internet do Instituto Moreira Salles), que está no ar desde 2013. Todos os programas da série estão disponíveis para os meus eleitores, independente de gênero, idade, cor, orientação política, orientação sexual, preferência por time de futebol ou escola de samba…

Conto com o seu apoio. Rumo à vitória!…Mas se não der pra chegar em Vitória, tudo bem. Se der pra ir até Maricá, tá de bom tamanho…